NOTÍCIAS

10 músicas bem vestidas

Gucci e Versace estão no Hot 100 com Lil Pump e Bruno Mars

por Marcos Lauro em 19/09/2017

Se você reparar no Hot 100 dessa semana, duas músicas trazem marcas de roupas elegantes logo em seus nomes: O trap estreante de Lil Pump, “Gucci Gang” e o pop romântico de Bruno Mars “Versace On The Floor”.

VEJA A LISTA COMPLETA DO HOT 100

Juntamos outras músicas que citam marcas de roupas para apresentar 10 sons bem vestidos. Veja:

Lil Pump – "Gucci Gang"

Auto-proclamado “Trapper do Século”, Lil Pump tem apenas 17 anos e estreou no Hot 100 com sua “Gucci Gang” na 81ª posição. “Gucci Gang” é como é conhecida a dupla que Pump forma com outro rapper, SmokePurpp. Pump é tão obcecado pela marca italiana de roupas que tem seu logo tatuado no peito. Lil Pump faz parte de uma cena que rappers da Flórida que apostou no Soundcloud como plataforma de divulgação das suas músicas.

Bruno Mars – “Versace On The Floor”

Ele não está muito preocupado com o quanto custou o seu vestido, ele só que vê-lo no chão. Esse R&B cheio de romantismo e sedução de Bruno Mars também está no Hot 100, na 83ª posição, e tem Zendaya no clipe. A letra narra: “Agora eu abro o zíper da parte de trás e vejo [o vestido] cair/enquanto beijo seu pescoço e seus ombros”. Apesar de Mars mostrar que gosta de ver o Versace da sua amada cair, ele também gosta de ostentar um desses modelitos: na apresentação do Super Bowl de 2016, Mars estava usando Versace.

Justin Timberlake – “Suit & Tie”

Aqui Justin está com seu modo Marvin Gaye ligado em última potência, estilo “Sexual Healing”. Ele não quer saber se o casal está bem vestido, o homem de terno e gravata... eles quer as roupas fora desse assunto.

Rincon Sapiência – "Elegância"

Esse foi o som que deu notoriedade ao jovem Rincon Sapiência em 2009, com direito à clipe rodando bastante na antiga MTV. Na música, Rincon já fala sobre o empoderamento negro, sua temática principal, por meio do modo de se vestir. Porque, sim, é possível se vestir bem pagando pouco. Basta ter elegância.

Racionais MC’s – "Quanto Vale Show?"

Uma das faixas mais autobiográficas de Mano Brown. O rapper vai contando sua história de vida e relação com a música, a noite e marcas que passaram por sua história desde a adolescência. Cristian Dior, Samira, Le Coq Sportif e G-Shock são algumas marcas que vem do imaginário de Mano Brown. No final, uma sequência de versos que, por conta do seu contraste, são um tapa na cara de quem pensa que a vida é só ostentação: “A vitrine Pierre Cardin, Gucci, Fiorucci, Yves Saint Laurent, Indigo Blue/Corpo negro semi-nu encontrado no lixão em São Paulo/A última a abolir a escravidão/Quanto vale o show?”.

Tyga feat. Desiigner – “Gucci Snakes”

Os dois rappers dizem aqui, sem pestanejar, que gastam tranquilamente mais de US$ 10 mil em uma roupa da Gucci. E aqui tem um fato curioso: Desiigner foi preso por porte de drogas e armas no dia em que essa música foi lançada. Quando ele foi solto, dias depois, um dos primeiros lugares que recebeu a visita do rapper foi uma loja da Gucci.

The Weeknd – “Birthday Suit”

Se fosse Ludmilla, ela diria: “É hoje”! Aqui, The Weeknd fala sobre um tal de “terno de aniversário”. Aí você pode pensar que é aquela roupa especial que a pessoa colocar para comemorar mais um dia de vida com os amigos e tal. Mas não. Aqui é “pelado” mesmo, já que o termo se refere à roupa que você estava vestindo no seu dia de nascimento: nenhuma. Afinal, todos nós nascemos assim, não é?

MC Boy do Charmes – “Onde Eu Chego Paro Tudo”

Um dos pioneiros do funk ostentação paulista e um dos primeiros artistas a se tornarem grandes com um clipe do KondZilla, hoje dono do maior canal de YouTube do país – se levarmos em consideração não apenas os inscritos, mas os views e regularidade de posts. Sendo ostentação, o que não faltam são marcas dos mais diversos valores.

Thaide com Rincon Sapiência, Marcelo D2, Ndee Naldinho, Don Cezão, Black Alien, Rapadura e Ana P. – “Stilo”

O rapper Thaíde reuniu uma galera da pesada para passar um recado bem simples: para se vestir bem é necessário mais estilo do que dinheiro.

RUN-D.M.C. – “My Adidas”

É possível dizer que essa música mudou os rumos do hip-hop e o ajudou a ser essa indústria milionária que conhecemos hoje. Lançado em maio de 1986, quando o estilo ainda estava se profissionalizando e conhecendo seus primeiros grandes artistas, o single marcou a primeira assinatura de patrocínio entre uma grande marca e um artista do rap. Tanto o grupo quanto o movimento já eram bastante identificados com a marca – em praticamente todas as fotos de divulgação do grupo, pelo menos um integrante está com uma peça da Adidas. Uma resenha do The Village Voice sobre uma apresentação do RUN-D.M.C. no Madison Square Garden em 1986 conta como se deu a aproximação comercial entre o grupo e a marca: “Em um momento do show, o grupo parou a música e pediu a todos para tirar um tênis e levantar para o alto. Na arena, com ingressos esgotados, só deu o doce cheiro dos Adidas adquiridos recentemente. Executivos da Adidas estavam lá e viram o impacto do produto no hip-hop. Para eles, a sala estava cheia de possibilidades de marketing”.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

10 músicas bem vestidas

Gucci e Versace estão no Hot 100 com Lil Pump e Bruno Mars

por Marcos Lauro em 19/09/2017

Se você reparar no Hot 100 dessa semana, duas músicas trazem marcas de roupas elegantes logo em seus nomes: O trap estreante de Lil Pump, “Gucci Gang” e o pop romântico de Bruno Mars “Versace On The Floor”.

VEJA A LISTA COMPLETA DO HOT 100

Juntamos outras músicas que citam marcas de roupas para apresentar 10 sons bem vestidos. Veja:

Lil Pump – "Gucci Gang"

Auto-proclamado “Trapper do Século”, Lil Pump tem apenas 17 anos e estreou no Hot 100 com sua “Gucci Gang” na 81ª posição. “Gucci Gang” é como é conhecida a dupla que Pump forma com outro rapper, SmokePurpp. Pump é tão obcecado pela marca italiana de roupas que tem seu logo tatuado no peito. Lil Pump faz parte de uma cena que rappers da Flórida que apostou no Soundcloud como plataforma de divulgação das suas músicas.

Bruno Mars – “Versace On The Floor”

Ele não está muito preocupado com o quanto custou o seu vestido, ele só que vê-lo no chão. Esse R&B cheio de romantismo e sedução de Bruno Mars também está no Hot 100, na 83ª posição, e tem Zendaya no clipe. A letra narra: “Agora eu abro o zíper da parte de trás e vejo [o vestido] cair/enquanto beijo seu pescoço e seus ombros”. Apesar de Mars mostrar que gosta de ver o Versace da sua amada cair, ele também gosta de ostentar um desses modelitos: na apresentação do Super Bowl de 2016, Mars estava usando Versace.

Justin Timberlake – “Suit & Tie”

Aqui Justin está com seu modo Marvin Gaye ligado em última potência, estilo “Sexual Healing”. Ele não quer saber se o casal está bem vestido, o homem de terno e gravata... eles quer as roupas fora desse assunto.

Rincon Sapiência – "Elegância"

Esse foi o som que deu notoriedade ao jovem Rincon Sapiência em 2009, com direito à clipe rodando bastante na antiga MTV. Na música, Rincon já fala sobre o empoderamento negro, sua temática principal, por meio do modo de se vestir. Porque, sim, é possível se vestir bem pagando pouco. Basta ter elegância.

Racionais MC’s – "Quanto Vale Show?"

Uma das faixas mais autobiográficas de Mano Brown. O rapper vai contando sua história de vida e relação com a música, a noite e marcas que passaram por sua história desde a adolescência. Cristian Dior, Samira, Le Coq Sportif e G-Shock são algumas marcas que vem do imaginário de Mano Brown. No final, uma sequência de versos que, por conta do seu contraste, são um tapa na cara de quem pensa que a vida é só ostentação: “A vitrine Pierre Cardin, Gucci, Fiorucci, Yves Saint Laurent, Indigo Blue/Corpo negro semi-nu encontrado no lixão em São Paulo/A última a abolir a escravidão/Quanto vale o show?”.

Tyga feat. Desiigner – “Gucci Snakes”

Os dois rappers dizem aqui, sem pestanejar, que gastam tranquilamente mais de US$ 10 mil em uma roupa da Gucci. E aqui tem um fato curioso: Desiigner foi preso por porte de drogas e armas no dia em que essa música foi lançada. Quando ele foi solto, dias depois, um dos primeiros lugares que recebeu a visita do rapper foi uma loja da Gucci.

The Weeknd – “Birthday Suit”

Se fosse Ludmilla, ela diria: “É hoje”! Aqui, The Weeknd fala sobre um tal de “terno de aniversário”. Aí você pode pensar que é aquela roupa especial que a pessoa colocar para comemorar mais um dia de vida com os amigos e tal. Mas não. Aqui é “pelado” mesmo, já que o termo se refere à roupa que você estava vestindo no seu dia de nascimento: nenhuma. Afinal, todos nós nascemos assim, não é?

MC Boy do Charmes – “Onde Eu Chego Paro Tudo”

Um dos pioneiros do funk ostentação paulista e um dos primeiros artistas a se tornarem grandes com um clipe do KondZilla, hoje dono do maior canal de YouTube do país – se levarmos em consideração não apenas os inscritos, mas os views e regularidade de posts. Sendo ostentação, o que não faltam são marcas dos mais diversos valores.

Thaide com Rincon Sapiência, Marcelo D2, Ndee Naldinho, Don Cezão, Black Alien, Rapadura e Ana P. – “Stilo”

O rapper Thaíde reuniu uma galera da pesada para passar um recado bem simples: para se vestir bem é necessário mais estilo do que dinheiro.

RUN-D.M.C. – “My Adidas”

É possível dizer que essa música mudou os rumos do hip-hop e o ajudou a ser essa indústria milionária que conhecemos hoje. Lançado em maio de 1986, quando o estilo ainda estava se profissionalizando e conhecendo seus primeiros grandes artistas, o single marcou a primeira assinatura de patrocínio entre uma grande marca e um artista do rap. Tanto o grupo quanto o movimento já eram bastante identificados com a marca – em praticamente todas as fotos de divulgação do grupo, pelo menos um integrante está com uma peça da Adidas. Uma resenha do The Village Voice sobre uma apresentação do RUN-D.M.C. no Madison Square Garden em 1986 conta como se deu a aproximação comercial entre o grupo e a marca: “Em um momento do show, o grupo parou a música e pediu a todos para tirar um tênis e levantar para o alto. Na arena, com ingressos esgotados, só deu o doce cheiro dos Adidas adquiridos recentemente. Executivos da Adidas estavam lá e viram o impacto do produto no hip-hop. Para eles, a sala estava cheia de possibilidades de marketing”.