NOTÍCIAS

15 Melhores Álbuns do Ano: Confira a escolha dos críticos da Billboard

por em 20/12/2013
Imagem: Divulgação

De retornos super ambiciosos até as estreias mega hypadas, 2013 cultivou um cenário bem eclético para o mundo da música. Depois de passar todo o ano falando sobre música e compilando a parada mais famosa do meio, os críticos da Billboard assumiram a missão de elencar os 15 melhores álbuns lançados em 2013. Confira o resultado:

1. Beyoncé – Beyoncé

Beyoncé é descrita pelos críticos da Billboard como corajosa por lançar um álbum inteiro sem qualquer tipo de divulgação prévia. O novo disco da cantora recebeu adjetivos como “estelar”, com destaque para o pop de “XO” e para o clima soturno de faixas como “Hautend” e “Mine”, que, nas palavras da revista, qualificam-se como “um projeto de arte lindo”. “Este é um álbum feito por uma ‘mulher feita’, destemida, autoconfiante, de alguma forma frágil e reflexiva. Não por acaso ela usa uma coroa”, assina o crítico Brad Wete.

2. Kanye West -  Yeezus

Yeezus de Kanye West arrancou elogios profundos dos jornalistas da Billboard. Na opinião da crítica Erika Ramirez , o trabalho é um dos mais transformadores e afiados já registrados de todos os tempos. “Yeezus foi um trunfo na carreira dele e, mais uma vez, provou o quanto não podemos subestimar o Kanye West”, escreveu Erika.

3. Disclosure – Settle

“Quando se trata de divulgação, os caras do Disclosure certamente fizeram a lição de casa:  eles pegaram sons que já eram quentes o bastante para as pistas de dança, adicionaram dezenas de boas ideias e transforamaram em um álbum incrível”, na opinião Chris Payne.

4.  Lorde – Pure Heroine

Com apenas 16 anos, Lorde conseguiu criar um retrato perfeito da vida outsider. Com a ajuda daprodução magnética de Joel Little, Pure Heroine ultrapassa os limites da música pop graças a propensão inteligente de Lorde e refrãos pegajosos no topo de batidas nebulosas. “Olhe além de ‘Royals’, e prepare-se para se deslumbrar”, aconselha Jason Lipshutz.

5. Drake – Nothing Was The Same

O álbum mais recente de Drake é descrito como um projeto hibrido, que tem, sim, as pitadas de rap que consagraram o artista, mas também influências marcantes do R&B e outros estilos musicais que tornam, nas palavras do crítico  Brad Wete, o disco “inovador e coeso”.

6. Haim – Days Are Gone

Na conta do trio de irmãs Haim estão elogios como “fazem músicas melhores do que qualque uma que o Fleetwood Mac gravou”.  Jason Lipshutz diz que Este, Danielle e Alana Haim aprenderam a florescer no centro das atenções após anos tocando em uma banda familiar, e que o “grandioso” e “excelente” álbum de estreia do trio não esconde isso.

7. Daft Punk – Random Acess Memories

Após quase oito anos longe dos holofotes, o retorno do Daft Punk chega em boa hora, de acordo com Brad Wete. Ele explica: ao lado de Pharrell Williams e Nile Rodgers, do Chic, eles são dois dos responsáveis por trazer de volta à cena a disco music, gênero musical que não tem prosperado muito nas últimas décadas. “Além de serem dois homens com capacetes estilosos, Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter provar com esse disco que embaixo da aparência de rôbos ainda existem dois amigos em busca do groove”, assina Wete.

8. Rhye – Woman

O novo disco de Rhye é descrito por Jason Lipshutz como “canções de amor de fácil apreciação, com arranjos ornamentados e uma voz que lembra muito a de Sade”. Mas os elogios não param por aí, o crítico ainda afirma que Woman foi uma das mais gratas surpresas do ano, apresentando composições sinceras, muito bem estruturadas e eternas.

9. Arcade Fire – Reflektor

Para Chris Payne o novo disco do Arcade Fire foi feito para efetivar o grupo no time das bandas de arena e cumprir o hype alcançado quando eles levarão para casa o Grammy de disco do ano. “O quão grandioso é o Reflektor? O suficiente para fazer com que qualquer pessoa acate o pedido bizarro de usar um traje formal nos próximos shows do grupo”, brinca Payne.

10. Kacey Musgraves – Same Trailer Different Park

O ano no country foi, definitivamente, melhor porque Kacey Musgraves resolveu deixar para trás o mundo da composição e assumir a linha de frente com Same Trailer Different Park, disco que transcende os fãs de música country e vai ao encontro de apreciadores de pop, indie, rock e por aí vai.

11. Justin Timberlake – The 20/20 Experience

Após quase oita anos dedicados ao cinema, Justin Timberlake atendeu as demandas por voltar ao mundo da música com um disco extremamente ambicioso. Na primeira parte de The 20/20 Experience, o cantor ousou ao explorar as profundezas do R&B com músicas de até oito minutos. “Mas o que marcou de fato essa volta de Timberlake ao mundo da música foi o som de sua voz cheia de emoção e paz interior”, assina Erika Ramirez.

12. Vampire Weekend – Modern Vampires Of The City

Ninguém poderia prever em 2008 que Ezra Koenig e seus amigos iriam amadurecer tanto quanto em Modern Vampires Of The City, onde temas como amor e perda são explorados de maneira séria, mas sem ser triste.

13. CHVRCHES -  The Bones of What You Believe

Ao contrário de colegas de gravadora como o Mumford & Sons e o Phoenix, o CHVRCHES teve sucesso com seu som desde o começo. O novo disco do trio é descrito por Jason Lipshutz como delicado e maduro.

14. Lady Gaga – ARTPOP

O coração de ARTPOP não está em toda a grandiosidade armada para a sua divulgação, mas sim nas 15 faixas vibrantes que uniformemente formam o álbum. A sensualidade de “Do What U Want”, a explosão de “Manicure” e a exótica “Aura” destacam a versatilidade de Gaga enquanto cantora e compositora. Nas palavras de Lipshutz, ARTPOP é a prova de que a cantora é muito mais do que um estrela pop, ela é uma artista completa.

15.  Chance The Rapper – Acid Rap

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

15 Melhores Álbuns do Ano: Confira a escolha dos críticos da Billboard

por em 20/12/2013
Imagem: Divulgação

De retornos super ambiciosos até as estreias mega hypadas, 2013 cultivou um cenário bem eclético para o mundo da música. Depois de passar todo o ano falando sobre música e compilando a parada mais famosa do meio, os críticos da Billboard assumiram a missão de elencar os 15 melhores álbuns lançados em 2013. Confira o resultado:

1. Beyoncé – Beyoncé

Beyoncé é descrita pelos críticos da Billboard como corajosa por lançar um álbum inteiro sem qualquer tipo de divulgação prévia. O novo disco da cantora recebeu adjetivos como “estelar”, com destaque para o pop de “XO” e para o clima soturno de faixas como “Hautend” e “Mine”, que, nas palavras da revista, qualificam-se como “um projeto de arte lindo”. “Este é um álbum feito por uma ‘mulher feita’, destemida, autoconfiante, de alguma forma frágil e reflexiva. Não por acaso ela usa uma coroa”, assina o crítico Brad Wete.

2. Kanye West -  Yeezus

Yeezus de Kanye West arrancou elogios profundos dos jornalistas da Billboard. Na opinião da crítica Erika Ramirez , o trabalho é um dos mais transformadores e afiados já registrados de todos os tempos. “Yeezus foi um trunfo na carreira dele e, mais uma vez, provou o quanto não podemos subestimar o Kanye West”, escreveu Erika.

3. Disclosure – Settle

“Quando se trata de divulgação, os caras do Disclosure certamente fizeram a lição de casa:  eles pegaram sons que já eram quentes o bastante para as pistas de dança, adicionaram dezenas de boas ideias e transforamaram em um álbum incrível”, na opinião Chris Payne.

4.  Lorde – Pure Heroine

Com apenas 16 anos, Lorde conseguiu criar um retrato perfeito da vida outsider. Com a ajuda daprodução magnética de Joel Little, Pure Heroine ultrapassa os limites da música pop graças a propensão inteligente de Lorde e refrãos pegajosos no topo de batidas nebulosas. “Olhe além de ‘Royals’, e prepare-se para se deslumbrar”, aconselha Jason Lipshutz.

5. Drake – Nothing Was The Same

O álbum mais recente de Drake é descrito como um projeto hibrido, que tem, sim, as pitadas de rap que consagraram o artista, mas também influências marcantes do R&B e outros estilos musicais que tornam, nas palavras do crítico  Brad Wete, o disco “inovador e coeso”.

6. Haim – Days Are Gone

Na conta do trio de irmãs Haim estão elogios como “fazem músicas melhores do que qualque uma que o Fleetwood Mac gravou”.  Jason Lipshutz diz que Este, Danielle e Alana Haim aprenderam a florescer no centro das atenções após anos tocando em uma banda familiar, e que o “grandioso” e “excelente” álbum de estreia do trio não esconde isso.

7. Daft Punk – Random Acess Memories

Após quase oito anos longe dos holofotes, o retorno do Daft Punk chega em boa hora, de acordo com Brad Wete. Ele explica: ao lado de Pharrell Williams e Nile Rodgers, do Chic, eles são dois dos responsáveis por trazer de volta à cena a disco music, gênero musical que não tem prosperado muito nas últimas décadas. “Além de serem dois homens com capacetes estilosos, Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter provar com esse disco que embaixo da aparência de rôbos ainda existem dois amigos em busca do groove”, assina Wete.

8. Rhye – Woman

O novo disco de Rhye é descrito por Jason Lipshutz como “canções de amor de fácil apreciação, com arranjos ornamentados e uma voz que lembra muito a de Sade”. Mas os elogios não param por aí, o crítico ainda afirma que Woman foi uma das mais gratas surpresas do ano, apresentando composições sinceras, muito bem estruturadas e eternas.

9. Arcade Fire – Reflektor

Para Chris Payne o novo disco do Arcade Fire foi feito para efetivar o grupo no time das bandas de arena e cumprir o hype alcançado quando eles levarão para casa o Grammy de disco do ano. “O quão grandioso é o Reflektor? O suficiente para fazer com que qualquer pessoa acate o pedido bizarro de usar um traje formal nos próximos shows do grupo”, brinca Payne.

10. Kacey Musgraves – Same Trailer Different Park

O ano no country foi, definitivamente, melhor porque Kacey Musgraves resolveu deixar para trás o mundo da composição e assumir a linha de frente com Same Trailer Different Park, disco que transcende os fãs de música country e vai ao encontro de apreciadores de pop, indie, rock e por aí vai.

11. Justin Timberlake – The 20/20 Experience

Após quase oita anos dedicados ao cinema, Justin Timberlake atendeu as demandas por voltar ao mundo da música com um disco extremamente ambicioso. Na primeira parte de The 20/20 Experience, o cantor ousou ao explorar as profundezas do R&B com músicas de até oito minutos. “Mas o que marcou de fato essa volta de Timberlake ao mundo da música foi o som de sua voz cheia de emoção e paz interior”, assina Erika Ramirez.

12. Vampire Weekend – Modern Vampires Of The City

Ninguém poderia prever em 2008 que Ezra Koenig e seus amigos iriam amadurecer tanto quanto em Modern Vampires Of The City, onde temas como amor e perda são explorados de maneira séria, mas sem ser triste.

13. CHVRCHES -  The Bones of What You Believe

Ao contrário de colegas de gravadora como o Mumford & Sons e o Phoenix, o CHVRCHES teve sucesso com seu som desde o começo. O novo disco do trio é descrito por Jason Lipshutz como delicado e maduro.

14. Lady Gaga – ARTPOP

O coração de ARTPOP não está em toda a grandiosidade armada para a sua divulgação, mas sim nas 15 faixas vibrantes que uniformemente formam o álbum. A sensualidade de “Do What U Want”, a explosão de “Manicure” e a exótica “Aura” destacam a versatilidade de Gaga enquanto cantora e compositora. Nas palavras de Lipshutz, ARTPOP é a prova de que a cantora é muito mais do que um estrela pop, ela é uma artista completa.

15.  Chance The Rapper – Acid Rap