NOTÍCIAS

5 fatos que pegaram o Spotify de surpresa em um ano de Brasil

por em 28/05/2015
Por Marcos Lauro
O Spotify está completando um ano da sua operação no Brasil. A empresa, que nasceu na Suécia em 2008, já chegou ao país como uma gigante do streaming – formato apontado como uma das soluções contra a pirataria na indústria musical. Os números são gigantescos: mais de 30 milhões de músicas, 11 milhões de playlists criadas por usuários brasileiros e tempo médio de permanência de 104 minutos por dia, por usuário. “Os números não mentem. Isso prova que o brasileiro não cria a conta e deixa lá, esquecida. Ele usa, ouve, participa”, afirma Roberta Pate, responsável pelo relacionamento do Spotify no Brasil com artistas e gravadoras. Se cada mídia social tem as suas características, o Spotify não é diferente. O que vale ali é a curadoria musical. “São 30 milhões de músicas, 20 mil novas por dia... acaba sendo muita coisa e aparecem dificuldades. A chave é a curadoria”, comenta Roberta. Ela contou para a Billboard Brasil quais foram as grandes surpresas desse primeiro ano de Spotify: - Charlie Brown Jr é o 3º artista mais ouvido no Brasil há meses, consolidado, mesmo não tendo mais nenhum material novo. Não é passageiro. Tem identificação forte com o público, especialmente o mais jovem. - Logo no lançamento do Spotify, a Pitty conseguiu 4 mil seguidores, o que era um número relativamente pequeno. Pedi para ela fazer uma playlist e ela montou “Ao Redor do SeteVidas”, com as referências para fazer o disco mais recente. O resultado foi legal e ela começou a usar o Spotify, criar várias playlists... e criou uma de “novo rock nacional”, que bombou. Hoje ela a segunda artista brasileira mais seguida no Spotify. - A gravadora do Roberto Carlos nos procurou e só isso já foi uma surpresa. Veio num momento super bom... uma carreira de peso vindo pro streaming. Fui para a reunião com eles e estava todo mundo animado, ideias bombando... foi uma surpresa pra todo mundo. Fizemos o lançamento de 61 álbuns do Roberto no com campanha global. O top 5 de países que ouvem Roberto Carlos hoje é Brasil, México, Estados Unidos, Chile e Espanha. - Quando o Zayn Malik saiu do One Direction nós tomamos um suto. A audiência da banda cresceu mais de 1000%. Eu vi aquilo sem saber que ele tinha saído e eu pensei que ele tinha morrido! Vi as pessoas chorando no Twitter. Acho que rolou uma nostalgia instantânea ali, um fenômeno. - Quando teve o eclipse do sol [em março de 2015], a música da Bonnie Tyler, “Total Eclipse of the Heart” bombou. As pessoas começaram a criar “playlists de eclipse” ou falar sobre a música, postar, etc. É tudo muito rápido e fácil de acontecer.
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

5 fatos que pegaram o Spotify de surpresa em um ano de Brasil

por em 28/05/2015
Por Marcos Lauro
O Spotify está completando um ano da sua operação no Brasil. A empresa, que nasceu na Suécia em 2008, já chegou ao país como uma gigante do streaming – formato apontado como uma das soluções contra a pirataria na indústria musical. Os números são gigantescos: mais de 30 milhões de músicas, 11 milhões de playlists criadas por usuários brasileiros e tempo médio de permanência de 104 minutos por dia, por usuário. “Os números não mentem. Isso prova que o brasileiro não cria a conta e deixa lá, esquecida. Ele usa, ouve, participa”, afirma Roberta Pate, responsável pelo relacionamento do Spotify no Brasil com artistas e gravadoras. Se cada mídia social tem as suas características, o Spotify não é diferente. O que vale ali é a curadoria musical. “São 30 milhões de músicas, 20 mil novas por dia... acaba sendo muita coisa e aparecem dificuldades. A chave é a curadoria”, comenta Roberta. Ela contou para a Billboard Brasil quais foram as grandes surpresas desse primeiro ano de Spotify: - Charlie Brown Jr é o 3º artista mais ouvido no Brasil há meses, consolidado, mesmo não tendo mais nenhum material novo. Não é passageiro. Tem identificação forte com o público, especialmente o mais jovem. - Logo no lançamento do Spotify, a Pitty conseguiu 4 mil seguidores, o que era um número relativamente pequeno. Pedi para ela fazer uma playlist e ela montou “Ao Redor do SeteVidas”, com as referências para fazer o disco mais recente. O resultado foi legal e ela começou a usar o Spotify, criar várias playlists... e criou uma de “novo rock nacional”, que bombou. Hoje ela a segunda artista brasileira mais seguida no Spotify. - A gravadora do Roberto Carlos nos procurou e só isso já foi uma surpresa. Veio num momento super bom... uma carreira de peso vindo pro streaming. Fui para a reunião com eles e estava todo mundo animado, ideias bombando... foi uma surpresa pra todo mundo. Fizemos o lançamento de 61 álbuns do Roberto no com campanha global. O top 5 de países que ouvem Roberto Carlos hoje é Brasil, México, Estados Unidos, Chile e Espanha. - Quando o Zayn Malik saiu do One Direction nós tomamos um suto. A audiência da banda cresceu mais de 1000%. Eu vi aquilo sem saber que ele tinha saído e eu pensei que ele tinha morrido! Vi as pessoas chorando no Twitter. Acho que rolou uma nostalgia instantânea ali, um fenômeno. - Quando teve o eclipse do sol [em março de 2015], a música da Bonnie Tyler, “Total Eclipse of the Heart” bombou. As pessoas começaram a criar “playlists de eclipse” ou falar sobre a música, postar, etc. É tudo muito rápido e fácil de acontecer.