NOTÍCIAS

6 fatos que tornaram Diana Ross um ícone gay

Desde a época de The Supremes, seu glamour já atraía a comunidade LGBT

por Redação em 17/11/2017

No American Music Awards deste ano, Diana Ross será homenageada com o prêmio Lifetime Achievement pelas conquistas que já teve em sua carreira e a sua contribuição para a música.

CONHEÇA OS INDICADOS AO AMERICAN MUSIC AWARDS 2017

Há quase 60 anos, desde que iniciou a carreira no icônico grupo The Supremes, Diana tem se dedicado à música e fez história.

Como uma grande porção de sua base de fãs, a comunidade LGBT considera a diva lendária um ícone gay por sua personalidade dinâmica e inspiradora ascensão ao topo.

Por isso, listamos seis motivos pelos quais ela ganhou o título de ícone gay:

Seu glamour sempre foi admirável
Sua ex-companheira de The Supremes, Mary Wilson, refletiu sobre o massivo número de fãs gays que o grupo tinha em conversa ao GayStarNews. “Acho que porque éramos tão glamourosas, automaticamente chamamos muita atenção da comunidade gay”. Com penteados impecáveis e vestidos brilhantes, elas foram uma inspiração de estilo para muitos. Depois de seguir para a carreira solo, Diana aumentou o laquê no cabelo e colocou mais glitter em tudo, para combinar com sua atitude de diva e presença de palco. Não é à toa que ela tem duas estrelas na Calçada da Fama, em Hollywood.

A favorita de RuPaul
A superestrela drag nunca escondeu que Diana Ross foi seu ídolo na infância. Ele participou do clipe do cover que ela fez de “I Will Survive” e fez referências sobre ela em suas músicas. Diana apareceu no talk-show que RuPaul apresentou no VH1 em 1996.

Sua opinião sobre casamento gay estavam a frente do seu tempo
“Amor é amor e talvez você não precise torná-lo legal”, ela disse ao The Advocate, em 1999. “Garotas, garotos, tanto faz, deveriam poder viver juntos sem um contrato legal”, explicou. Apesar de parecer uma resposta tranquila, falou muito pela época em que foi dita, ecoando o sentimento de que pessoas podem se apaixonar por suas almas gêmeas, sem importar o gênero e nenhum juiz deveria dizer o contrário.

Superestrela na tela grande
Diana Ross já foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz, sabia? Seu papel vivendo Billie Holiday no filme de 1972 O Ocaso de uma Estrela rendeu a indicação. Mas essa não foi sua única atuação memorável: ela vive a modelo Tracy em Mahogany e atua ao lado de Michael Jackson em O Mágico Inesquecível.

Diana Ross

Serviu de inspiração para Dreamgirls
É muito especulado que o musical da Broadway – que virou filme, estrelado por Beyoncé e Jennifer Hudson – foi baseado no drama entre as Supremes, Berry Gordy e a Motown. Se esse é o caso, a personagem principal Deena seria Diana Ross.

“I’m Coming Out” é um dos maiores hinos gays
12 de julho de 1979 sempre será conhecida como a data em que a disco morreu. Naquela noite, roqueiros foram ao parquet Comiskey, em Chicago, para destruir e queimar discos no evento chamado “Demolição Disco”. O gênero passou a ser malvisto e os artistas passaram a evitá-lo para agradar ao público. No ano seguinte, Diana foi contra essa tendência e lançou um álbum fortemente inspirado na disco, incluindo “Upside Down” e o maior sucesso da carreira, “I’m Coming Out”.

Após assistir a uma performance de drags imitando Diana Ross, o compositor e produtor Nile Rodgers quis escrever sobre a queda do gênero disco com um hino rebelde. Na noite da Demolição Disco, nenhuma pessoa negra ou LGBT esteve presente, basicamente categorizando o evento como racista e homofóbico.

“I’m Coming Out” chegou ao 5º lugar da Billboard Hot 100 e se tornou um hino para aqueles que precisavam sair do armário. 

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
2
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

6 fatos que tornaram Diana Ross um ícone gay

Desde a época de The Supremes, seu glamour já atraía a comunidade LGBT

por Redação em 17/11/2017

No American Music Awards deste ano, Diana Ross será homenageada com o prêmio Lifetime Achievement pelas conquistas que já teve em sua carreira e a sua contribuição para a música.

CONHEÇA OS INDICADOS AO AMERICAN MUSIC AWARDS 2017

Há quase 60 anos, desde que iniciou a carreira no icônico grupo The Supremes, Diana tem se dedicado à música e fez história.

Como uma grande porção de sua base de fãs, a comunidade LGBT considera a diva lendária um ícone gay por sua personalidade dinâmica e inspiradora ascensão ao topo.

Por isso, listamos seis motivos pelos quais ela ganhou o título de ícone gay:

Seu glamour sempre foi admirável
Sua ex-companheira de The Supremes, Mary Wilson, refletiu sobre o massivo número de fãs gays que o grupo tinha em conversa ao GayStarNews. “Acho que porque éramos tão glamourosas, automaticamente chamamos muita atenção da comunidade gay”. Com penteados impecáveis e vestidos brilhantes, elas foram uma inspiração de estilo para muitos. Depois de seguir para a carreira solo, Diana aumentou o laquê no cabelo e colocou mais glitter em tudo, para combinar com sua atitude de diva e presença de palco. Não é à toa que ela tem duas estrelas na Calçada da Fama, em Hollywood.

A favorita de RuPaul
A superestrela drag nunca escondeu que Diana Ross foi seu ídolo na infância. Ele participou do clipe do cover que ela fez de “I Will Survive” e fez referências sobre ela em suas músicas. Diana apareceu no talk-show que RuPaul apresentou no VH1 em 1996.

Sua opinião sobre casamento gay estavam a frente do seu tempo
“Amor é amor e talvez você não precise torná-lo legal”, ela disse ao The Advocate, em 1999. “Garotas, garotos, tanto faz, deveriam poder viver juntos sem um contrato legal”, explicou. Apesar de parecer uma resposta tranquila, falou muito pela época em que foi dita, ecoando o sentimento de que pessoas podem se apaixonar por suas almas gêmeas, sem importar o gênero e nenhum juiz deveria dizer o contrário.

Superestrela na tela grande
Diana Ross já foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz, sabia? Seu papel vivendo Billie Holiday no filme de 1972 O Ocaso de uma Estrela rendeu a indicação. Mas essa não foi sua única atuação memorável: ela vive a modelo Tracy em Mahogany e atua ao lado de Michael Jackson em O Mágico Inesquecível.

Diana Ross

Serviu de inspiração para Dreamgirls
É muito especulado que o musical da Broadway – que virou filme, estrelado por Beyoncé e Jennifer Hudson – foi baseado no drama entre as Supremes, Berry Gordy e a Motown. Se esse é o caso, a personagem principal Deena seria Diana Ross.

“I’m Coming Out” é um dos maiores hinos gays
12 de julho de 1979 sempre será conhecida como a data em que a disco morreu. Naquela noite, roqueiros foram ao parquet Comiskey, em Chicago, para destruir e queimar discos no evento chamado “Demolição Disco”. O gênero passou a ser malvisto e os artistas passaram a evitá-lo para agradar ao público. No ano seguinte, Diana foi contra essa tendência e lançou um álbum fortemente inspirado na disco, incluindo “Upside Down” e o maior sucesso da carreira, “I’m Coming Out”.

Após assistir a uma performance de drags imitando Diana Ross, o compositor e produtor Nile Rodgers quis escrever sobre a queda do gênero disco com um hino rebelde. Na noite da Demolição Disco, nenhuma pessoa negra ou LGBT esteve presente, basicamente categorizando o evento como racista e homofóbico.

“I’m Coming Out” chegou ao 5º lugar da Billboard Hot 100 e se tornou um hino para aqueles que precisavam sair do armário.