NOTÍCIAS

Artistas escrevem cartas de amor à comunidade LGBT

Como forma de comemorar o mês do orgulho LGBT, a Billboard convidou artistas para escreverem para seus fãs

por Redação em 12/06/2017

Para comemorar o mês do orgulho LGBT, a Billboard convidou diferentes artistas da cultura pop para escreverem cartas de amor à comunidade LGBT.

De Britney Spears a Sia, passando por Elton John e Selena Gomez, leia na galeria abaixo:

“Essa é minha carta de amor a todos os meus fãs LGBT. Continuamente, ao longo da minha carreira, vocês sempre foram claros sobre o impacto positivo que tive em vocês – que instalei felicidade, esperança e amor em momentos que não havia nada. Que a minha história traz esperança.

Mas tenho um segredo para dividir com vocês. Na verdade, são vocês que me levantam. A lealdade inabalável. A ausência de julgamento. A verdade sem remorsos. Aceitação! Suas histórias me inspiram, me trazem felicidade e fazem com que eu e meus filhos batalhemos para sermos pessoas melhores.

Eu amo vocês.

Britney”

Divulgação

“Estou honrada por poder oferecer palavras de entusiasmo, encorajamento e força, em apoio a todos os meus amigos na comunidade LGBT. Sempre disse que a música é uma linguagem sem barreiras, e também é verdade que o amor é um sentimento que não tem limites. Tive a sorte de ser rodeada de tantas pessoas lindas da comunidade ao longo da minha carreira… de performers talentosos, músicos, produtores e compositores, a colegas que contribuíram significantemente para o meu sucesso, e por último, mas não menos importante, aos meus fãs leais que me apoiaram em nome do amor.

Todos vocês tiveram um impacto positivo em minha vida e eu espero e rezo para que nosso mundo continue a entender melhor que a aceitação e a tolerância são virtudes que nunca são demais. Por enquanto, me junto a cada um de vocês na celebração deste ano, enviando todo meu amor e desejando paz e felicidade hoje, amanhã e para sempre”.

Céline Dion

Divulgação

“Embarcando no mês do orgulho LGBT, gostaria de colocar em palavras o quanto a comunidade significa para mim como artista e ser humano. O que imaginei ser uma simples carta para escrever é, na verdade, muito mais difícil do que esperei porque fico me perguntando ‘como posso colocar em palavras toda a gratidão que preenche meu coração?’. Não consigo. E essa comunidade, essa família de seres humanos excepcionais significa tanto para mim que sinto muita pressão em articular meu amor por vocês, mas aí vai.

No começo da minha carreira havia muita incerteza sobre quem eu era e onde era meu lugar. Muitas gravadoras e regras da sociedade me diziam como ser e o que fazer. Porém mesmo no começo, eu queria gritar e sair da minha própria pele por não pertencer ao modelo de popstar perfeita e um pequeno grupo de amigos ficaram do meu lado e permanecem lá até hoje. Meu pequeno círculo gay incluía dançarinos, coreógrafos e equipe de beleza que até hoje são meus melhores amigos no mundo.

Conforme minha carreira foi acontecendo e comecei a fazer música que falava sobre minha dor e minhas dificuldades, alguns fãs me contaram histórias que me ajudaram. Foram fãs LGBT que ficaram diariamente ao meu lado, na saúde e na doença. Meus lutadores, meus heróis, a razão de eu amar o que faço.

Nunca foi fácil para a comunidade LGBT, as dificuldades que cada um enfrenta diariamente, em um nível individual e também político e cultural são inimagináveis, mas ainda assim vocês continuam lutando, derrotando todas as adversidades com amor no coração.

Lembro de conhecer um fã que tinha feito uma tatuagem do meu rosto perto de uma cicatriz. Quando perguntei o motivo de ter feito a tatuagem, ele me contou a história de que foi esfaqueado porque se defendeu quando sofreu bullying por ser gay. Que por causa da minha música, ele foi capaz de ser um lutador e se defender – ele levou facadas, mas sobreviveu e a tatuagem é uma lembrança diária de que as pessoas podem tentar nos derrubar, mas não vamos cair e não vamos ter medo de nos posicionar.

Nesse mês de junho e em todos os outros dias do ano, por favor saibam que para mim vocês representam uma voz que me move, que me leva a triunfar contra todos os problemas e a celebrar o único. Porque ser único não nos torna diferente dos outros – só nos deixa mais especiais.

Com amor, respeito, paixão, compromisso, gratidão e admiração digo a todos vocês lutadores – eu amo vocês”.
Christina Aguilera

Divulgação

“Aos meus fãs,

Obrigado. Obrigado por me aceitarem – quando outros não me aceitaram. Obrigado por não julgarem – mesmo quando a época era difícil. Obrigado por gostarem da minha música – mesmo depois de todos esses anos.

Neste mês do orgulho LGBT, estou celebrando vocês. Vocês mostraram ao mundo que pessoas de todas as crenças, raças e culturas podem se unir para curtir a música de um artista assumidamente gay como eu. E mais que isso, mostraram ao mundo que todos merecemos amor.

Não é exagero dizer obrigado a vocês, a sociedade está se tornando mais justa, mais amorosa e mais compreensiva. É algo que podemos ter orgulho – não apenas neste mês, mas em todos os meses e dias do ano.

Com amor e gratidão,

Elton John”

Divulgação

“Sempre fico triste quando alguém da comunidade LGBT se aproxima e me agradece por apoiar e saber o quão difícil suas vidas são, pela ajuda que as pessoas famosas e influentes podem oferecer. Não deveria ser tão raro e único. Não deveríamos nem precisar pensar antes de nos posicionar e apoiar a todos, em todas as comunidades, e encorajar as pessoas em vez de ter medo ou julgar quem é diferente de nós. Mal posso esperar pelo dia em que ninguém sentirá necessidade de me agradecer por fazer o óbvio."

Kelly Clarkson

Divulgação

“Acredito que o momento que mais definiu minha trajetória de me aceitar foi quando escrevi sobre isso para a Billboard meses atrás. A campanha de Trump para a Presidência dos Estados Unidos foi o momento decisivo para mim como uma artista cubana bissexual. Incorporei esses adjetivos porque são partes de mim que senti que estavam sendo retiradas de mim, questionadas, ameaçadas e invalidadas pelas conversas ignorantes que a administração dele permitiu acontecer.

A forma com que sua campanha foi feita me assustou. A óbvia misoginia, homofobia, desprezo com as artes, a incessante ideologia de vender minorias como terroristas, estupradores e criminosos me fez sentir medo pelo meu futuro e pelo futuro das crianças que estão crescendo neste mundo. Me fez questionar se as pessoas realmente se sentem assim; e quando ele ganhou, meu coração quebrou. Me fez pensar que a parte de mim que amava mulheres foi invalidada e ela era importante para minha história e para quem eu sou. Aceitá-la em uma sentença com todo o contexto político que chamou a atenção do mundo me fez perceber como o conceito de que humanos se conectam com suas almas ainda escandaliza.

A fascinação que a humanidade tem pelo sexo e por quem está fazendo e com quem está fazendo me impressiona. Perdemos tanto tempo cogitando o que as pessoas fazem no escuro de seus quartos que esquecemos que amor é parte de nossas almas e pode ser sentido em um grande espectro de verdade. Qualquer um pode amar qualquer um e devíamos amar uns aos outros, não procurando motivos para segregar e invalidar os outros.

Quando determinei que iria ajudar a arrumar essa confusão há cinco anos por meio da arte, nunca imaginei que minha jornada seria assim, mas estou grata por cada momento e tenho orgulho de quem eu sou. Sou ainda mais grata por ser de uma geração que parece estar verdadeiramente acordando para entender o amor e como ele pode nos curar, especialmente a juventude. Sei que ajudei muitos fãs do meu jeito a se aceitarem, amarem a si mesmos e aos outros e é aí que o processo de cura inicia”.
Lauren Jauregui

Reprodução

“Lembro que quando era criança, ia tomar brunch nos domingos com minha mãe e um grupo de amigos dela. Não fazia ideia de que todos eram gays e eu nem compreendia o que isso significava. O que eu sabia é que eu amava estar perto desses amigos queridos, divertidos e amáveis da minha mãe. Eu definitivamente dou crédito a ela por ter me criado em um ambiente que era incrivelmente mente aberta e sem julgamentos. Ela também me surpreendeu no meu aniversário de 16 anos com a apresentação das mais lindas drag queens cantando minha música favorita. A maioria das pessoas com 16 anos não tem essa oportunidade!

Meu parceiro de composições, Justin Tranter, não pôde acreditar que eu nunca tinha assistido ao documentário Na Cama com Madonna, então enquanto estávamos no México ele me fez assistir com ele. Eu amei e fiquei impactada com o quanto o movimento gay e os direitos LGBT progrediram. Ainda há muito trabalho para ser feito e espero ansiosa pelo dia em que uma pessoa não será julgada, discriminada ou temida por sua sexualidade”.
Selena Gomez

Divulgação

“Lembro do dia que alguém me enviou um vídeo com a minha música ‘Breathe Me’ de um garoto de 13 anos chamado Jonah Mowry. Ele estava detalhando seu panorama interno como um jovem gay e o quanto estava deprimido. Tive a bênção de ser rodeada pela comunidade queer em Nova York, em Los Angeles, onde há mais aceitação e positividade, então vê-lo sofrer foi um momento importante para mim como ser humano com o privilégio de ter uma plataforma. Naquele momento eu decidi me dedicar à comunidade de uma forma mais efetiva. Sou muito grata pela comunidade e teria murchado há muito tempo se não fosse por eles. Especificamente meu empresário David, que está comigo há 12 anos, nos bons e maus momentos. Ele se assumiu como HIV positivo recentemente e a transformação de sua vergonha em aceitação pessoal tem sido mágica de acompanhar. Estou muito feliz e orgulhosa dele. Posso dizer com certeza que não teria conseguido sem meus amigos queer, pessoalmente e profissionalmente, e serei eternamente grata a Deus por tê-los criado em toda a sua glória”.
Sia

Divulgação

 

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Artistas escrevem cartas de amor à comunidade LGBT

Como forma de comemorar o mês do orgulho LGBT, a Billboard convidou artistas para escreverem para seus fãs

por Redação em 12/06/2017

Para comemorar o mês do orgulho LGBT, a Billboard convidou diferentes artistas da cultura pop para escreverem cartas de amor à comunidade LGBT.

De Britney Spears a Sia, passando por Elton John e Selena Gomez, leia na galeria abaixo:

“Essa é minha carta de amor a todos os meus fãs LGBT. Continuamente, ao longo da minha carreira, vocês sempre foram claros sobre o impacto positivo que tive em vocês – que instalei felicidade, esperança e amor em momentos que não havia nada. Que a minha história traz esperança.

Mas tenho um segredo para dividir com vocês. Na verdade, são vocês que me levantam. A lealdade inabalável. A ausência de julgamento. A verdade sem remorsos. Aceitação! Suas histórias me inspiram, me trazem felicidade e fazem com que eu e meus filhos batalhemos para sermos pessoas melhores.

Eu amo vocês.

Britney”

Divulgação

“Estou honrada por poder oferecer palavras de entusiasmo, encorajamento e força, em apoio a todos os meus amigos na comunidade LGBT. Sempre disse que a música é uma linguagem sem barreiras, e também é verdade que o amor é um sentimento que não tem limites. Tive a sorte de ser rodeada de tantas pessoas lindas da comunidade ao longo da minha carreira… de performers talentosos, músicos, produtores e compositores, a colegas que contribuíram significantemente para o meu sucesso, e por último, mas não menos importante, aos meus fãs leais que me apoiaram em nome do amor.

Todos vocês tiveram um impacto positivo em minha vida e eu espero e rezo para que nosso mundo continue a entender melhor que a aceitação e a tolerância são virtudes que nunca são demais. Por enquanto, me junto a cada um de vocês na celebração deste ano, enviando todo meu amor e desejando paz e felicidade hoje, amanhã e para sempre”.

Céline Dion

Divulgação

“Embarcando no mês do orgulho LGBT, gostaria de colocar em palavras o quanto a comunidade significa para mim como artista e ser humano. O que imaginei ser uma simples carta para escrever é, na verdade, muito mais difícil do que esperei porque fico me perguntando ‘como posso colocar em palavras toda a gratidão que preenche meu coração?’. Não consigo. E essa comunidade, essa família de seres humanos excepcionais significa tanto para mim que sinto muita pressão em articular meu amor por vocês, mas aí vai.

No começo da minha carreira havia muita incerteza sobre quem eu era e onde era meu lugar. Muitas gravadoras e regras da sociedade me diziam como ser e o que fazer. Porém mesmo no começo, eu queria gritar e sair da minha própria pele por não pertencer ao modelo de popstar perfeita e um pequeno grupo de amigos ficaram do meu lado e permanecem lá até hoje. Meu pequeno círculo gay incluía dançarinos, coreógrafos e equipe de beleza que até hoje são meus melhores amigos no mundo.

Conforme minha carreira foi acontecendo e comecei a fazer música que falava sobre minha dor e minhas dificuldades, alguns fãs me contaram histórias que me ajudaram. Foram fãs LGBT que ficaram diariamente ao meu lado, na saúde e na doença. Meus lutadores, meus heróis, a razão de eu amar o que faço.

Nunca foi fácil para a comunidade LGBT, as dificuldades que cada um enfrenta diariamente, em um nível individual e também político e cultural são inimagináveis, mas ainda assim vocês continuam lutando, derrotando todas as adversidades com amor no coração.

Lembro de conhecer um fã que tinha feito uma tatuagem do meu rosto perto de uma cicatriz. Quando perguntei o motivo de ter feito a tatuagem, ele me contou a história de que foi esfaqueado porque se defendeu quando sofreu bullying por ser gay. Que por causa da minha música, ele foi capaz de ser um lutador e se defender – ele levou facadas, mas sobreviveu e a tatuagem é uma lembrança diária de que as pessoas podem tentar nos derrubar, mas não vamos cair e não vamos ter medo de nos posicionar.

Nesse mês de junho e em todos os outros dias do ano, por favor saibam que para mim vocês representam uma voz que me move, que me leva a triunfar contra todos os problemas e a celebrar o único. Porque ser único não nos torna diferente dos outros – só nos deixa mais especiais.

Com amor, respeito, paixão, compromisso, gratidão e admiração digo a todos vocês lutadores – eu amo vocês”.
Christina Aguilera

Divulgação

“Aos meus fãs,

Obrigado. Obrigado por me aceitarem – quando outros não me aceitaram. Obrigado por não julgarem – mesmo quando a época era difícil. Obrigado por gostarem da minha música – mesmo depois de todos esses anos.

Neste mês do orgulho LGBT, estou celebrando vocês. Vocês mostraram ao mundo que pessoas de todas as crenças, raças e culturas podem se unir para curtir a música de um artista assumidamente gay como eu. E mais que isso, mostraram ao mundo que todos merecemos amor.

Não é exagero dizer obrigado a vocês, a sociedade está se tornando mais justa, mais amorosa e mais compreensiva. É algo que podemos ter orgulho – não apenas neste mês, mas em todos os meses e dias do ano.

Com amor e gratidão,

Elton John”

Divulgação

“Sempre fico triste quando alguém da comunidade LGBT se aproxima e me agradece por apoiar e saber o quão difícil suas vidas são, pela ajuda que as pessoas famosas e influentes podem oferecer. Não deveria ser tão raro e único. Não deveríamos nem precisar pensar antes de nos posicionar e apoiar a todos, em todas as comunidades, e encorajar as pessoas em vez de ter medo ou julgar quem é diferente de nós. Mal posso esperar pelo dia em que ninguém sentirá necessidade de me agradecer por fazer o óbvio."

Kelly Clarkson

Divulgação

“Acredito que o momento que mais definiu minha trajetória de me aceitar foi quando escrevi sobre isso para a Billboard meses atrás. A campanha de Trump para a Presidência dos Estados Unidos foi o momento decisivo para mim como uma artista cubana bissexual. Incorporei esses adjetivos porque são partes de mim que senti que estavam sendo retiradas de mim, questionadas, ameaçadas e invalidadas pelas conversas ignorantes que a administração dele permitiu acontecer.

A forma com que sua campanha foi feita me assustou. A óbvia misoginia, homofobia, desprezo com as artes, a incessante ideologia de vender minorias como terroristas, estupradores e criminosos me fez sentir medo pelo meu futuro e pelo futuro das crianças que estão crescendo neste mundo. Me fez questionar se as pessoas realmente se sentem assim; e quando ele ganhou, meu coração quebrou. Me fez pensar que a parte de mim que amava mulheres foi invalidada e ela era importante para minha história e para quem eu sou. Aceitá-la em uma sentença com todo o contexto político que chamou a atenção do mundo me fez perceber como o conceito de que humanos se conectam com suas almas ainda escandaliza.

A fascinação que a humanidade tem pelo sexo e por quem está fazendo e com quem está fazendo me impressiona. Perdemos tanto tempo cogitando o que as pessoas fazem no escuro de seus quartos que esquecemos que amor é parte de nossas almas e pode ser sentido em um grande espectro de verdade. Qualquer um pode amar qualquer um e devíamos amar uns aos outros, não procurando motivos para segregar e invalidar os outros.

Quando determinei que iria ajudar a arrumar essa confusão há cinco anos por meio da arte, nunca imaginei que minha jornada seria assim, mas estou grata por cada momento e tenho orgulho de quem eu sou. Sou ainda mais grata por ser de uma geração que parece estar verdadeiramente acordando para entender o amor e como ele pode nos curar, especialmente a juventude. Sei que ajudei muitos fãs do meu jeito a se aceitarem, amarem a si mesmos e aos outros e é aí que o processo de cura inicia”.
Lauren Jauregui

Reprodução

“Lembro que quando era criança, ia tomar brunch nos domingos com minha mãe e um grupo de amigos dela. Não fazia ideia de que todos eram gays e eu nem compreendia o que isso significava. O que eu sabia é que eu amava estar perto desses amigos queridos, divertidos e amáveis da minha mãe. Eu definitivamente dou crédito a ela por ter me criado em um ambiente que era incrivelmente mente aberta e sem julgamentos. Ela também me surpreendeu no meu aniversário de 16 anos com a apresentação das mais lindas drag queens cantando minha música favorita. A maioria das pessoas com 16 anos não tem essa oportunidade!

Meu parceiro de composições, Justin Tranter, não pôde acreditar que eu nunca tinha assistido ao documentário Na Cama com Madonna, então enquanto estávamos no México ele me fez assistir com ele. Eu amei e fiquei impactada com o quanto o movimento gay e os direitos LGBT progrediram. Ainda há muito trabalho para ser feito e espero ansiosa pelo dia em que uma pessoa não será julgada, discriminada ou temida por sua sexualidade”.
Selena Gomez

Divulgação

“Lembro do dia que alguém me enviou um vídeo com a minha música ‘Breathe Me’ de um garoto de 13 anos chamado Jonah Mowry. Ele estava detalhando seu panorama interno como um jovem gay e o quanto estava deprimido. Tive a bênção de ser rodeada pela comunidade queer em Nova York, em Los Angeles, onde há mais aceitação e positividade, então vê-lo sofrer foi um momento importante para mim como ser humano com o privilégio de ter uma plataforma. Naquele momento eu decidi me dedicar à comunidade de uma forma mais efetiva. Sou muito grata pela comunidade e teria murchado há muito tempo se não fosse por eles. Especificamente meu empresário David, que está comigo há 12 anos, nos bons e maus momentos. Ele se assumiu como HIV positivo recentemente e a transformação de sua vergonha em aceitação pessoal tem sido mágica de acompanhar. Estou muito feliz e orgulhosa dele. Posso dizer com certeza que não teria conseguido sem meus amigos queer, pessoalmente e profissionalmente, e serei eternamente grata a Deus por tê-los criado em toda a sua glória”.
Sia

Divulgação