NOTÍCIAS

Clark Terry, lenda do jazz, morre aos 94 anos

por em 22/02/2015
ong>A lenda do jazz Clark Terry morreu na noite de ontem (21/02), por complicações decorrentes de diabetes, aos 94 anos.   Terry, que vivia em um asilo depois de ter sido diagnosticado com diabetes, "uniu-se à grande banda do céu, onde cantará e tocará com os anjos", postou sua mulher, Gwen Terry, na página do Facebook do músico. "Nos deixou estando em paz, rodeado por sua família, estudantes e amigos."   No dia 11 de fevereiro, a página de Terry na rede social informou aos seus seguidores sobre a fragilidade da saúde e a internação do trompetista. “É com o coração pesado que informamos que o nosso amado Clark Terry está sendotratado no hospital. Gwen e a equipe médica estão se certificando de que Clark esteja o mais confortável possível. Nesse momento, a família pede que rezem.”   Nascido em St. Louis, no Missouri, Terry chegou à fama tocando com Count Basie entre 1949 e 1951 e depois com Duke Ellington entre 1951 e 1959. Ele causou ainda mais impacto na década de 1960 como o primeiro músico negro da equipe da NBC, onde passou 12 anos como trompetista da banda do TheTonight Show.   Terry lançou mais de 80 álbuns como líder de banda e tem seu nome creditado em outras centenas de discos. O trompetista e compositor foi vencedor de um Grammy por seus trabalhos com lendas da música como Billie Holiday, Ella Fitzgerald e Quincy Jones.   A maior paixão do americano, no entanto, era educação musical. Nos últimos anos, ele fundou uma banda de jazz com jovens do Harlem, em Nova York, além de ser mentor em diversas faculdades e universidades. “Ensinar jazz permite que eu faça parte da realização dos sonhos de músicos aspirantes”, diz em seu site.   Em 2014, o documentário Keep on Keepin' On mostrou o trabalho de Clark Terry como mentor do jovem pianista cego Justin Kauflin. O filme ganhou dois prêmios no festival novaiorquino Tribeca Film Festival.  
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Saudade
Eduardo Costa
3
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Clark Terry, lenda do jazz, morre aos 94 anos

por em 22/02/2015
ong>A lenda do jazz Clark Terry morreu na noite de ontem (21/02), por complicações decorrentes de diabetes, aos 94 anos.   Terry, que vivia em um asilo depois de ter sido diagnosticado com diabetes, "uniu-se à grande banda do céu, onde cantará e tocará com os anjos", postou sua mulher, Gwen Terry, na página do Facebook do músico. "Nos deixou estando em paz, rodeado por sua família, estudantes e amigos."   No dia 11 de fevereiro, a página de Terry na rede social informou aos seus seguidores sobre a fragilidade da saúde e a internação do trompetista. “É com o coração pesado que informamos que o nosso amado Clark Terry está sendotratado no hospital. Gwen e a equipe médica estão se certificando de que Clark esteja o mais confortável possível. Nesse momento, a família pede que rezem.”   Nascido em St. Louis, no Missouri, Terry chegou à fama tocando com Count Basie entre 1949 e 1951 e depois com Duke Ellington entre 1951 e 1959. Ele causou ainda mais impacto na década de 1960 como o primeiro músico negro da equipe da NBC, onde passou 12 anos como trompetista da banda do TheTonight Show.   Terry lançou mais de 80 álbuns como líder de banda e tem seu nome creditado em outras centenas de discos. O trompetista e compositor foi vencedor de um Grammy por seus trabalhos com lendas da música como Billie Holiday, Ella Fitzgerald e Quincy Jones.   A maior paixão do americano, no entanto, era educação musical. Nos últimos anos, ele fundou uma banda de jazz com jovens do Harlem, em Nova York, além de ser mentor em diversas faculdades e universidades. “Ensinar jazz permite que eu faça parte da realização dos sonhos de músicos aspirantes”, diz em seu site.   Em 2014, o documentário Keep on Keepin' On mostrou o trabalho de Clark Terry como mentor do jovem pianista cego Justin Kauflin. O filme ganhou dois prêmios no festival novaiorquino Tribeca Film Festival.