NOTÍCIAS

Diogo Nogueira lança quarto disco e se diz satisfeito com o samba atual

por em 15/09/2015
(Fot
o: Marcos Hermes) Por Rodrigo Rocha Na próxima sexta-feira (18/09), Diogo Nogueira inaugura em São Paulo a turnê de seu mais recente disco, Porta-Voz Da Alegria. Com um sobrenome que é praticamente sinônimo de samba, Diogo chega ao quarto trabalho de estúdio e pouco mais de oito anos de carreira. O peso de ser um Nogueira já não é mais o mesmo – hoje ele carrega a incumbência de ser Diogo Nogueira. Nos três primeiros discos gravados, o cantor e compositor acumula também experiências como apresentador, à frente do programa Samba na Gamboa por seis anos, e como ator de teatro, já que foi o personagem principal do musical SamBRA. Tudo isso é transformado em bagagem para o lançamento de Porta-Voz Da Alegria, trabalho que segue a sua identidade e traz canções com temas como religião e amor, mas, acima de tudo, conduzidos por uma levada pra cima, como sugere o título. No repertório estão letras de grandes compositores como Arlindo Cruz, Almir Guineto, Xande de Pilares, Serginho Meriti, Sombrinha, Pretinho da Serrinha e... Diogo Nogueira. Duas músicas são assinadas pelo intérprete (“Na Boutique” e “Paixão Além Do Querer”), o que comprova que um disco autoral está amadurecendo. “Com certeza esse é um plano.” Porta-Voz Da Alegria tem músicas sobre religião, dificuldades da vida, relacionamento... Qual a intenção de um disco intitulado Porta-Voz Da Alegria? Quis trazer um pouco mais de alegria para as pessoas, mais alto astral, em músicas que falam de festa, mas que também falam da fé. Estamos vivendo um momento tenso no mundo todo, não só no Brasil, e busquei fazer um disco com essa mensagem positiva. Porta-voz Da Alegria é o nome de uma das músicas que gravei e achei que esse título tinha tudo a ver com o que estávamos fazendo. Todo mundo é um pouco porta-voz da alegria e é preciso que a gente busque a felicidade em cada lugar, em tudo que fazemos. Em Porta-Voz Da Alegria há duas músicas com a sua assinatura. Um disco totalmente autoral está amadurecendo? É um desejo seu? Com certeza esse é um plano que venho amadurecendo. Procuro sempre compor algo para os meus discos, mas recebo tanto material bacana, tantas músicas boas, de tantos bambas, que tento equilibrar a escolha do repertório, mas sempre com alguma coisa minha no meio. Mas em um futuro próximo quero fazer um CD 100% autoral. Fora o repertório do disco, como foi a escolha das outras músicas para o show? Qual não poderia faltar de jeito nenhum Estou gostando muito do novo show. Teremos várias músicas do CD novo, estamos fazendo novas versões para sucessos da minha carreira, além de homenagear importantes mestres da nossa música, como Djavan, Gonzaguinha e meu grande mestre João Nogueira, de quem canto "Nó Na Madeira" e "Espelho", música que dificilmente fica de fora dos meus shows. Como foi a experiência em SamBRA? Essa experiência com a atuação ajuda, soma na hora de se apresentar na nova turnê Tive uma experiência fantástica com SamBRA, na qual aprendi muito por meio da convivência durante quatro meses com um grupo de atores muito especiais. O processo de construção de um espetáculo teatral é diferente do de fazer um show, mas são complementares. O artista precisa estar sempre aberto para novas experiências, vivências, e o SamBRA foi um marco na minha vida e na minha carreira. Falando ainda do espetáculo sobre os 100 anos do samba... O que, pra você, faz mais falta no samba de hoje em dia? Os tempos são outros, os artistas são outros e não dá pra comparar ou me queixar de nada. Vejo coisas muito boas acontecendo, como a valorização das Velhas Guardas pela nova geração. Vejo as rodas de samba sempre cheias. Vejo grandes compositores da nova geração em plena atividade, e vejo nossos grandes mestres do passado como principal referência para todos nós. Daqui a 20 anos será outra geração e espero que a chama do samba continue acessa e forte, como está atualmente. Imagino que no começo de carreira o grande desafio era se desvincular da imagem de seu pai. Passada essa fase, qual é o maior desafio da sua carreira nos dias de hoje? Fazer arte é sempre um desafio. O desafio de fazer algo que você mesmo goste, mas que também possa agradar ao seu público e chegar nas pessoas de uma forma positiva. Não fico preocupado com isso, e venho fazendo o meu trabalho, do meu jeito, da minha forma. Canto o que gosto, o que curto, e hoje em dia, com mais de oito anos de carreira e um público que me acompanha por onde eu vou, percebo que escolhi os caminhos certos. Seu filho Davi está na contracapa do disco. Ele será o próximo a seguir a história da família Nogueira no samba? O Davi é um garoto que gosta de música, de futebol, assim como eu quando era pequeno. Vou deixar ele escolher os caminhos que a vida mostrar pra ele, mas sempre vou apoiar e dar todo o suporte, assim como meu pai fez comigo quando resolvi ser jogador de futebol e antes de me tornar cantor. Mas vou fazer muito gosto em ver o Davi dando continuidade a essa história que começou com meu avô há muito tempo. https://www.youtube.com/watch?v=U8a4zLTIL8E  
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Diogo Nogueira lança quarto disco e se diz satisfeito com o samba atual

por em 15/09/2015
(Fot
o: Marcos Hermes) Por Rodrigo Rocha Na próxima sexta-feira (18/09), Diogo Nogueira inaugura em São Paulo a turnê de seu mais recente disco, Porta-Voz Da Alegria. Com um sobrenome que é praticamente sinônimo de samba, Diogo chega ao quarto trabalho de estúdio e pouco mais de oito anos de carreira. O peso de ser um Nogueira já não é mais o mesmo – hoje ele carrega a incumbência de ser Diogo Nogueira. Nos três primeiros discos gravados, o cantor e compositor acumula também experiências como apresentador, à frente do programa Samba na Gamboa por seis anos, e como ator de teatro, já que foi o personagem principal do musical SamBRA. Tudo isso é transformado em bagagem para o lançamento de Porta-Voz Da Alegria, trabalho que segue a sua identidade e traz canções com temas como religião e amor, mas, acima de tudo, conduzidos por uma levada pra cima, como sugere o título. No repertório estão letras de grandes compositores como Arlindo Cruz, Almir Guineto, Xande de Pilares, Serginho Meriti, Sombrinha, Pretinho da Serrinha e... Diogo Nogueira. Duas músicas são assinadas pelo intérprete (“Na Boutique” e “Paixão Além Do Querer”), o que comprova que um disco autoral está amadurecendo. “Com certeza esse é um plano.” Porta-Voz Da Alegria tem músicas sobre religião, dificuldades da vida, relacionamento... Qual a intenção de um disco intitulado Porta-Voz Da Alegria? Quis trazer um pouco mais de alegria para as pessoas, mais alto astral, em músicas que falam de festa, mas que também falam da fé. Estamos vivendo um momento tenso no mundo todo, não só no Brasil, e busquei fazer um disco com essa mensagem positiva. Porta-voz Da Alegria é o nome de uma das músicas que gravei e achei que esse título tinha tudo a ver com o que estávamos fazendo. Todo mundo é um pouco porta-voz da alegria e é preciso que a gente busque a felicidade em cada lugar, em tudo que fazemos. Em Porta-Voz Da Alegria há duas músicas com a sua assinatura. Um disco totalmente autoral está amadurecendo? É um desejo seu? Com certeza esse é um plano que venho amadurecendo. Procuro sempre compor algo para os meus discos, mas recebo tanto material bacana, tantas músicas boas, de tantos bambas, que tento equilibrar a escolha do repertório, mas sempre com alguma coisa minha no meio. Mas em um futuro próximo quero fazer um CD 100% autoral. Fora o repertório do disco, como foi a escolha das outras músicas para o show? Qual não poderia faltar de jeito nenhum Estou gostando muito do novo show. Teremos várias músicas do CD novo, estamos fazendo novas versões para sucessos da minha carreira, além de homenagear importantes mestres da nossa música, como Djavan, Gonzaguinha e meu grande mestre João Nogueira, de quem canto "Nó Na Madeira" e "Espelho", música que dificilmente fica de fora dos meus shows. Como foi a experiência em SamBRA? Essa experiência com a atuação ajuda, soma na hora de se apresentar na nova turnê Tive uma experiência fantástica com SamBRA, na qual aprendi muito por meio da convivência durante quatro meses com um grupo de atores muito especiais. O processo de construção de um espetáculo teatral é diferente do de fazer um show, mas são complementares. O artista precisa estar sempre aberto para novas experiências, vivências, e o SamBRA foi um marco na minha vida e na minha carreira. Falando ainda do espetáculo sobre os 100 anos do samba... O que, pra você, faz mais falta no samba de hoje em dia? Os tempos são outros, os artistas são outros e não dá pra comparar ou me queixar de nada. Vejo coisas muito boas acontecendo, como a valorização das Velhas Guardas pela nova geração. Vejo as rodas de samba sempre cheias. Vejo grandes compositores da nova geração em plena atividade, e vejo nossos grandes mestres do passado como principal referência para todos nós. Daqui a 20 anos será outra geração e espero que a chama do samba continue acessa e forte, como está atualmente. Imagino que no começo de carreira o grande desafio era se desvincular da imagem de seu pai. Passada essa fase, qual é o maior desafio da sua carreira nos dias de hoje? Fazer arte é sempre um desafio. O desafio de fazer algo que você mesmo goste, mas que também possa agradar ao seu público e chegar nas pessoas de uma forma positiva. Não fico preocupado com isso, e venho fazendo o meu trabalho, do meu jeito, da minha forma. Canto o que gosto, o que curto, e hoje em dia, com mais de oito anos de carreira e um público que me acompanha por onde eu vou, percebo que escolhi os caminhos certos. Seu filho Davi está na contracapa do disco. Ele será o próximo a seguir a história da família Nogueira no samba? O Davi é um garoto que gosta de música, de futebol, assim como eu quando era pequeno. Vou deixar ele escolher os caminhos que a vida mostrar pra ele, mas sempre vou apoiar e dar todo o suporte, assim como meu pai fez comigo quando resolvi ser jogador de futebol e antes de me tornar cantor. Mas vou fazer muito gosto em ver o Davi dando continuidade a essa história que começou com meu avô há muito tempo. https://www.youtube.com/watch?v=U8a4zLTIL8E