NOTÍCIAS

DJ TUDO – Pancada Motor Volume 1

por em 09/04/2013
Sér
io pesquisador de ritmos regionais e populares, Alfredo Bello é mineiro radicado em São Paulo, mas egresso da cena musical de Brasília, onde se formou em Música pela UnB. Conhecido como DJ Tudo, ele tem mais de dez mil vinis e uma bagagem cultural que não se parece nada com a da imensa maioria dos DJ. E é com ela que ele tem rodado o mundo, registrando colaborações de gente de tudo que é lado: seja Dona Neta, no Recife, o povo de uma marujada em Mogi das Cruzes (SP), ou de uma caboclinha em Barra do Camaragibe (AL), baianas do Coruripe (AL), o mago do dub Mad Professor, músicos belgas, franceses, turcos e, lógico, brasileiros Tudo isso e mais um pouco é misturado de forma musical e artesanal, sem traços de mera colagem ou pinta de folguedo eletrônico moderninho.  Mesmo conceituado (com um “Manifesto da festa”), dispensa bulas e vai  ser apreciado mesmo  por quem não têm interesses antropológico- -musicais, ou pendor para folclorista. (P.S.)
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Saudade
Eduardo Costa
3
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

DJ TUDO – Pancada Motor Volume 1

por em 09/04/2013
Sér
io pesquisador de ritmos regionais e populares, Alfredo Bello é mineiro radicado em São Paulo, mas egresso da cena musical de Brasília, onde se formou em Música pela UnB. Conhecido como DJ Tudo, ele tem mais de dez mil vinis e uma bagagem cultural que não se parece nada com a da imensa maioria dos DJ. E é com ela que ele tem rodado o mundo, registrando colaborações de gente de tudo que é lado: seja Dona Neta, no Recife, o povo de uma marujada em Mogi das Cruzes (SP), ou de uma caboclinha em Barra do Camaragibe (AL), baianas do Coruripe (AL), o mago do dub Mad Professor, músicos belgas, franceses, turcos e, lógico, brasileiros Tudo isso e mais um pouco é misturado de forma musical e artesanal, sem traços de mera colagem ou pinta de folguedo eletrônico moderninho.  Mesmo conceituado (com um “Manifesto da festa”), dispensa bulas e vai  ser apreciado mesmo  por quem não têm interesses antropológico- -musicais, ou pendor para folclorista. (P.S.)