NOTÍCIAS

Especial Lollapalooza: Foster the People fala sobre megahit inesperado

por em 05/04/2012
Imagem: Divulgação

“É claro que não esperávamos por isso! É uma coisa muito maluca”. O jovem Mark Pontius, baterista da banda Foster the People, ainda parece impressionado com o sucesso. Desde o lançamento de “Pumped Up Kicks”, single de estreia do grupo, em setembro de 2010, aascensão foi meteórica. Além dos convites para shows, festivais e programas de TV, o trio de Los Angeles viu suas canções serem tocadas em rádios de todo o mundo e licenciadas para seriados adolescentes, como Gossip Girl e The Vampire Diaries. “As coisas estão acontecendo rápido demais. Não temos muito controle”, diverte-se.

O Foster the People desembarca pela primeira vez no Brasil para duas apresentações, ambas em São Paulo: hoje, no Cine Joia, e dia 8, no palco principal do Lollapalooza. Mesmo com apenas três anos de estrada, a banda, que ainda conta com Cubbie Fink no baixo e Mark Foster na guitarra e vocais, já está acostumada aos grandes festivais.

Antes de estourarem, fizeram uma elogiada performance no South by Southwest, megaevento cultural realizado no Texas que funciona como espécie de “panorama geral” do que há de novo na música e no cinema. Em 2011, se apresentaram em outros grandes festivais, como o Coachella (Estados Unidos) e o Reading (Inglaterra). “Eu gosto muito de ter esse contato com uma plateia maior”, revela Pontius.


Ao lado dos Beach Boys

O sucesso também rendeu à banda duas indicações ao Grammy e um convite para participarem da cerimônia de premiação, onde dividiram o palco com os Beach Boys. “Foi demais”, lembra o baterista. “Nós somos muito fãs, e eles foram bem simpáticos. Ficamos muito felizes”. Na ocasião, o grupo tocou uma versão de “Wouldn’t It Be Nice”, clássico lançado pelo quinteto californiano em 1966.

Além de cumprirem uma agenda cheia de shows até o final do ano, os rapazes do Foster the People garantem que já estão trabalhando no próximo disco, o sucessor de “Torches”. Segundo Pontius, as novas canções estão em processo de composição, ainda não há previsão de lançamento para o álbum.

Uma das músicas que pode entrar nesse novo trabalho é “Ruby”. A balada já apareceu no repertório de alguns shows no começo do ano e deve sair como lado B do próximo single do trio, “Broken Jaw”, a ser lançado no dia 21 de abril.

Para as apresentações que fará no país, Pontius não promete nenhuma das inéditas, mas afirma que o público pode contar com os principais hits, entre eles “Call It What You Want”, uma de suas preferidas. “Ela é ótima de ouvir em alto volume e me faz lembrar a sensação boa que é estar em uma banda. Mal vejo a hora de tocar ela aí no Brasil.”

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Saudade
Eduardo Costa
3
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Especial Lollapalooza: Foster the People fala sobre megahit inesperado

por em 05/04/2012
Imagem: Divulgação

“É claro que não esperávamos por isso! É uma coisa muito maluca”. O jovem Mark Pontius, baterista da banda Foster the People, ainda parece impressionado com o sucesso. Desde o lançamento de “Pumped Up Kicks”, single de estreia do grupo, em setembro de 2010, aascensão foi meteórica. Além dos convites para shows, festivais e programas de TV, o trio de Los Angeles viu suas canções serem tocadas em rádios de todo o mundo e licenciadas para seriados adolescentes, como Gossip Girl e The Vampire Diaries. “As coisas estão acontecendo rápido demais. Não temos muito controle”, diverte-se.

O Foster the People desembarca pela primeira vez no Brasil para duas apresentações, ambas em São Paulo: hoje, no Cine Joia, e dia 8, no palco principal do Lollapalooza. Mesmo com apenas três anos de estrada, a banda, que ainda conta com Cubbie Fink no baixo e Mark Foster na guitarra e vocais, já está acostumada aos grandes festivais.

Antes de estourarem, fizeram uma elogiada performance no South by Southwest, megaevento cultural realizado no Texas que funciona como espécie de “panorama geral” do que há de novo na música e no cinema. Em 2011, se apresentaram em outros grandes festivais, como o Coachella (Estados Unidos) e o Reading (Inglaterra). “Eu gosto muito de ter esse contato com uma plateia maior”, revela Pontius.


Ao lado dos Beach Boys

O sucesso também rendeu à banda duas indicações ao Grammy e um convite para participarem da cerimônia de premiação, onde dividiram o palco com os Beach Boys. “Foi demais”, lembra o baterista. “Nós somos muito fãs, e eles foram bem simpáticos. Ficamos muito felizes”. Na ocasião, o grupo tocou uma versão de “Wouldn’t It Be Nice”, clássico lançado pelo quinteto californiano em 1966.

Além de cumprirem uma agenda cheia de shows até o final do ano, os rapazes do Foster the People garantem que já estão trabalhando no próximo disco, o sucessor de “Torches”. Segundo Pontius, as novas canções estão em processo de composição, ainda não há previsão de lançamento para o álbum.

Uma das músicas que pode entrar nesse novo trabalho é “Ruby”. A balada já apareceu no repertório de alguns shows no começo do ano e deve sair como lado B do próximo single do trio, “Broken Jaw”, a ser lançado no dia 21 de abril.

Para as apresentações que fará no país, Pontius não promete nenhuma das inéditas, mas afirma que o público pode contar com os principais hits, entre eles “Call It What You Want”, uma de suas preferidas. “Ela é ótima de ouvir em alto volume e me faz lembrar a sensação boa que é estar em uma banda. Mal vejo a hora de tocar ela aí no Brasil.”