NOTÍCIAS

Jake Bugg: “Nunca passou pela cabeça que conheceriam minhas músicas”

Britânico está no Brasil com sua nova turnê; depois de São Paulo, cantor passa por Rio de Janeiro e Belo Horizonte

por Rebecca Silva em 10/03/2017

O jovem cantor britânico Jake Bugg está em terras brasileiras com sua nova turnê que promove seu último álbum, On My One, lançado em junho de 2016. Ele se apresentou na noite de ontem (09/03) em São Paulo e agora segue para Rio de Janeiro, no Circo Voador (10/03) e Belo Horizonte, no Music Hall (11/03). A turnê também passará por Argentina, Chile e México.

A Billboard Brasil conversou com o cantor sobre suas experiências no país e a carreira bem recebida pelo público e pela crítica ainda jovem:

Você já veio para o Brasil algumas vezes. Qual a sua maior lembrança daqui? Gosta do público?
Nós amamos visitar o Brasil, é sempre muito animador e os fãs são algo a mais, nos tratam muito bem. Somos muito sortudos por termos a oportunidade de vir nos apresentar aqui, é demais.

Em outra visita sua à São Paulo, você foi à favela de Heliópolis. Como foi a experiência?
Fizemos um trabalho para a Action Aid no Reino Unido e eles nos convidaram para visitar. Foi ótimo conhecer as pessoas locais, jogar futebol, ver suas vidas e trocar experiências. Nunca vou esquecer disso, foi um privilégio conhecer aquelas pessoas.

Dessa vez, você também se apresentou em um evento beneficente sobre a doença de Guillain-Barré. Como surgiu essa oportunidade?
Uma amiga nossa, brasileira, Bianca Freitas, infelizmente faleceu no ano passado por causa dessa doença. Ela sempre nos encontrava aqui no Brasil e nos apresentou a pessoas incríveis, era um ser humano adorável, vamos sentir muito a sua falta. Então, esse evento foi para ela e para ajudar na causa.

Quando você começou a compor, imaginou que pessoas do mundo todo, até os que não falam inglês, se sentiriam representados por suas palavras?
Nunca passou pela minha cabeça que alguém conheceria minhas músicas, eu só as escrevia sobre minhas experiências e aí… boom! Estávamos viajando o mundo. Ainda fico impressionado quando todos cantam junto comigo.

Você é jovem, mas já trabalhou com grandes nomes da indústria como Chad Smith (Red Hot Chili Peppers) e Elvis Costello. Como foi a experiência de troca com esses artistas?
Aprendi algo com cada pessoa que conheci nesse caminho, acho. Sou novo, então é uma ótima oportunidade para ganhar experiência e ouvir conselhos de músicos que admiro e respeito.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Saudade
Eduardo Costa
3
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Jake Bugg: “Nunca passou pela cabeça que conheceriam minhas músicas”

Britânico está no Brasil com sua nova turnê; depois de São Paulo, cantor passa por Rio de Janeiro e Belo Horizonte

por Rebecca Silva em 10/03/2017

O jovem cantor britânico Jake Bugg está em terras brasileiras com sua nova turnê que promove seu último álbum, On My One, lançado em junho de 2016. Ele se apresentou na noite de ontem (09/03) em São Paulo e agora segue para Rio de Janeiro, no Circo Voador (10/03) e Belo Horizonte, no Music Hall (11/03). A turnê também passará por Argentina, Chile e México.

A Billboard Brasil conversou com o cantor sobre suas experiências no país e a carreira bem recebida pelo público e pela crítica ainda jovem:

Você já veio para o Brasil algumas vezes. Qual a sua maior lembrança daqui? Gosta do público?
Nós amamos visitar o Brasil, é sempre muito animador e os fãs são algo a mais, nos tratam muito bem. Somos muito sortudos por termos a oportunidade de vir nos apresentar aqui, é demais.

Em outra visita sua à São Paulo, você foi à favela de Heliópolis. Como foi a experiência?
Fizemos um trabalho para a Action Aid no Reino Unido e eles nos convidaram para visitar. Foi ótimo conhecer as pessoas locais, jogar futebol, ver suas vidas e trocar experiências. Nunca vou esquecer disso, foi um privilégio conhecer aquelas pessoas.

Dessa vez, você também se apresentou em um evento beneficente sobre a doença de Guillain-Barré. Como surgiu essa oportunidade?
Uma amiga nossa, brasileira, Bianca Freitas, infelizmente faleceu no ano passado por causa dessa doença. Ela sempre nos encontrava aqui no Brasil e nos apresentou a pessoas incríveis, era um ser humano adorável, vamos sentir muito a sua falta. Então, esse evento foi para ela e para ajudar na causa.

Quando você começou a compor, imaginou que pessoas do mundo todo, até os que não falam inglês, se sentiriam representados por suas palavras?
Nunca passou pela minha cabeça que alguém conheceria minhas músicas, eu só as escrevia sobre minhas experiências e aí… boom! Estávamos viajando o mundo. Ainda fico impressionado quando todos cantam junto comigo.

Você é jovem, mas já trabalhou com grandes nomes da indústria como Chad Smith (Red Hot Chili Peppers) e Elvis Costello. Como foi a experiência de troca com esses artistas?
Aprendi algo com cada pessoa que conheci nesse caminho, acho. Sou novo, então é uma ótima oportunidade para ganhar experiência e ouvir conselhos de músicos que admiro e respeito.