NOTÍCIAS

Jonathan Poneman fala sobre o relançamento de Bleach, do Nirvana

por em 31/10/2009
Imagem: Divulgação

Hoje é o tão aguardado dia do relançamento de Bleach, o sujinho, modorrento e incrivelmente poderoso disco de estreia do Nirvana. Originalmente lançado em 1º de junho de 1989, o álbum de número 34 no catálogo da Sub Pop está ganhando uma reedição de luxo em dois formatos: LP duplo, prensado em vinil branco de 180 gramas (como no original), e em CD – distribuído no Brasil pela Warner (que detém 49% das ações do selo).  Ambos trazem o set completo de Bleach e a gravação de um show em Portland de 1990, além de um libreto de 48 páginas com fotos inéditas tiradas por Alice Wheeler (fotógrafa e amiga pessoal de Kurt), Tracy Marander(sua primeira namorada “oficial”) e Charles Peterson (principal fotógrafo da Sub Pop). Na edição de nº 2 da Billboard Brasil (nas bancas em 14/11) você confere uma reportagem especial sobre os bastidores das gravações de Bleach, com depoimentos de Jack Endino e do presidente e co-fundador da Sub Pop, Jonathan Poneman. Mas, por enquanto, leia com exclusividade trechos da entrevista em que Jonathan faz um balanço de como Bleach virou a gravadora de pernas para o ar e reconhece que, se um revival dos anos 90 está prestes a acontecer, ele estará lá para vender.

 

Pelo visto uma onda de nostalgia anda pairando por Seattle...

É difícil acreditar que tanto tempo tenha se passado, mas ouvir a versão remasterizada tem tanto poder tanto quando a lançamos. Até mais, já que o som está melhor. Soa mais dinâmico, mais ao vivo. O disco nunca havia sido masterizado, era algo com que não nos importávamos.

 

É verdade que antes de assinar com o Nirvana, o Bruce (Pavitt, ex-sócio de Jonathan) mandou mudar a sequência das faixas?

Nós dois fizemos sugestões quanto à ordem das músicas, não houve registro formal da ordem que as músicas deveriam ter e a banda não tinha uma opinião muito forte com relação a isso. Eles obviamente tinham suas opiniões, mas não se impuseram. Estavam apenas empolgados em lançar um álbum.

 

Por que, originalmente, “Big Cheese” e “Downer” ficaram fora das tiragens em vinil?

Porque “Big Cheese” era o lado B do single “Love Buzz” e na época estávamos tentando manter uma faixa exclusiva para o Singles Club [sistema em que o assinante recebia um compacto da gravadora por mês], algo que hoje pode parecer fora de moda, mas que na época era bem legal [risos]. Não lembro porque “Downer” ficou fora, acho que para ser exclusiva para o cassete ou para o CD. Tínhamos sempre essa preocupação com exclusividade de formatos. Definitivamente, não foram deixadas de fora por questões editoriais. Há takes originais que foram gravados com [o produtor] Jack Endino e que também não entraram [e mais tarde sairiam na coletânea Incesticide, e no box With the Lights Out], mas isso foi um decisão da banda. Agora, todas as músicas que integram a edição de luxo [incluindo “Big Cheese” e “Downer”] foram originalmente pensadas para fazer parte de Bleach. Não ficou nada no cofre.

 

Por que vocês escolheram esse show de Portland, especificamente?

Acho que naquele show estavam tocando Screaming Trees, TAD e Nirvana. Colocamos lá simplesmente porque foi um bom show que conseguimos gravar em uma mesa móvel de 24 canais, de modo que pudesse ser mixado. E simplesmente foi um bom show.

 

Que tipo de atrativos gráficos farão parte da edição de luxo?

Vai ter um libreto de 48 páginas com fotos inéditas e uma apresentação que, na minha opinião, está extraordinária. Acho que é uma celebração vívida da banda, do jeito que ela era na época do lançamento.

 

Você lembra como se sentiu na primeira vez que ouviu as faixas que acabaram em Bleach?

Algumas músicas marcaram mais. Quando ouvi “About A Girl” pela primeira vez fiquei arrebatado, assim como “Blew”. Era incrível como Kurt tinha o ímpeto e o talento para se destacar, enquanto compositor, dos demais artistas da Sub Pop. O Nirvana fazia rock tão bom quanto os outros, mas havia uma sofisticação melódica e uma ambição que ninguém mais tinha.

 

Essa foi aquela primeira demo que eles gravaram com Jack Endino?

Isso. Jack nos mostrou uma cassete que tinha gravado com eles e, quando ouvi pela primeira vez, fiquei abismado. Eu queria lançar logo de cara, mas levou um tempo porque, nós não só estávamos sem dinheiro e não sabíamos o que estávamos fazendo, como a banda ainda não estava com a formação definida [nessa ocasião, no começo de 1988, Dale Crover, baterista dos Melvins, estava dando uma força para o Nirvana], já que o Chad Channing acabaria sendo o primeiro baterista fixo.

 

Há quem diga que a Sub Pop exerceu algum tipo de pressão sobre o Nirvana para fazerem-nos soar mais como o “Seattle Sound”.

Nós nunca tentamos fazê-los soar grunge ou mandamos que usassem pedais de distorção. O valor do selo está em uma objetividade editorial. Nunca impomos nossa linha, mas não hesitamos em declará-la publicamente. Às vezes uma banda acha que todo o seu material é bom, enquanto outras procuram se adequar ao que as pessoas estão escutando. Desde a morte do Kurt, tornou-se de conhecimento comum o fato de ele ter sido um sujeito muito focado e ambicioso. Eu não acho que nenhuma das projeções que dividimos com ele era algo que ele mesmo não pensasse. Quando eu e Bruce declaramos ser fãs de Motown, Stax e de todos os grandes selos independentes, não é que queremos que tudo soe igual, apenas estamos em busca de consistência e excelência. Nem sempre conseguimos isso, mas sempre foi o objetivo. Só que, se o Nirvana se adequou de alguma forma ao que estávamos perseguindo, foi uma decisão pessoal.

 

Dá para dizer que Bleach é o disco mais rentável do catálogo da Sub Pop?

Talvez depois da segunda edição [risos]. Com certeza é o que mais vendeu e o que menos custou, mas você tem que lembrar que muito disso aconteceu em uma época em que a operação fonográfica era muito mais cara do que hoje em dia. Pela natureza física, discos eram mais caros para produzir, armazenar e distribuir. Se tivéssemos vendido a mesma quantidade [três milhões de cópias] durante a era digital, aí sim teria sido o disco mais lucrativo. Dá para dizer que o primeiro do The Postmarks, que vendeu um milhão segundo os novos moldes, foi mais lucrativo. Mas claro que o Nirvana foi um fator definitivo para a Sub Pop. Não apenas pelo quanto lucrou, mas pelo legado e pela busca pelo padrão de excelência que, eventualmente, foi definido pelo Nirvana. Bleach vendeu três milhões de cópias ao redor do mundo.

 

E quando foi lançado, como vendeu?

Logo que foi lançado se tornou um disco muito poderoso (vendeu cerca de 50 mil cópias), mas ainda competia com Superfuzz Bigmuff, do Mudhoney (que vendeu 100 mil), até então a banda líder em vendas da Sub Pop. Mas quando Nevermind saiu, Bleach passou a vender milhares e milhares de cópias. Vendemos como nunca havíamos sonhado, mais do que todo o catálogo da gravadora junto, atingimos uma nova escala comercial.

 

Além desses, quais mais são líderes em vendas?

O primeiro do Fleet Foxes, todos os três do The Shins, que venderam meio milhão cada, o Postal Service também. Para os padrões da indústria não são números tão altos, mas para os padrões da nossa operação, são muito bons.

 

E essa é a segunda reedição de luxo que vocês lançam. No ano passado foi Superfuzz Bigmuff. Como ele se saiu?

Superfuzz Bigmuff vendeu 20, 25 mil cópias no mundo. Francamente, é o que nós esperávamos. Rock mais antigo é algo para o fã, para o colecionador, o obsessivo. Nunca esperamos recriar o fervor e as vendas do lançamento original.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Jonathan Poneman fala sobre o relançamento de Bleach, do Nirvana

por em 31/10/2009
Imagem: Divulgação

Hoje é o tão aguardado dia do relançamento de Bleach, o sujinho, modorrento e incrivelmente poderoso disco de estreia do Nirvana. Originalmente lançado em 1º de junho de 1989, o álbum de número 34 no catálogo da Sub Pop está ganhando uma reedição de luxo em dois formatos: LP duplo, prensado em vinil branco de 180 gramas (como no original), e em CD – distribuído no Brasil pela Warner (que detém 49% das ações do selo).  Ambos trazem o set completo de Bleach e a gravação de um show em Portland de 1990, além de um libreto de 48 páginas com fotos inéditas tiradas por Alice Wheeler (fotógrafa e amiga pessoal de Kurt), Tracy Marander(sua primeira namorada “oficial”) e Charles Peterson (principal fotógrafo da Sub Pop). Na edição de nº 2 da Billboard Brasil (nas bancas em 14/11) você confere uma reportagem especial sobre os bastidores das gravações de Bleach, com depoimentos de Jack Endino e do presidente e co-fundador da Sub Pop, Jonathan Poneman. Mas, por enquanto, leia com exclusividade trechos da entrevista em que Jonathan faz um balanço de como Bleach virou a gravadora de pernas para o ar e reconhece que, se um revival dos anos 90 está prestes a acontecer, ele estará lá para vender.

 

Pelo visto uma onda de nostalgia anda pairando por Seattle...

É difícil acreditar que tanto tempo tenha se passado, mas ouvir a versão remasterizada tem tanto poder tanto quando a lançamos. Até mais, já que o som está melhor. Soa mais dinâmico, mais ao vivo. O disco nunca havia sido masterizado, era algo com que não nos importávamos.

 

É verdade que antes de assinar com o Nirvana, o Bruce (Pavitt, ex-sócio de Jonathan) mandou mudar a sequência das faixas?

Nós dois fizemos sugestões quanto à ordem das músicas, não houve registro formal da ordem que as músicas deveriam ter e a banda não tinha uma opinião muito forte com relação a isso. Eles obviamente tinham suas opiniões, mas não se impuseram. Estavam apenas empolgados em lançar um álbum.

 

Por que, originalmente, “Big Cheese” e “Downer” ficaram fora das tiragens em vinil?

Porque “Big Cheese” era o lado B do single “Love Buzz” e na época estávamos tentando manter uma faixa exclusiva para o Singles Club [sistema em que o assinante recebia um compacto da gravadora por mês], algo que hoje pode parecer fora de moda, mas que na época era bem legal [risos]. Não lembro porque “Downer” ficou fora, acho que para ser exclusiva para o cassete ou para o CD. Tínhamos sempre essa preocupação com exclusividade de formatos. Definitivamente, não foram deixadas de fora por questões editoriais. Há takes originais que foram gravados com [o produtor] Jack Endino e que também não entraram [e mais tarde sairiam na coletânea Incesticide, e no box With the Lights Out], mas isso foi um decisão da banda. Agora, todas as músicas que integram a edição de luxo [incluindo “Big Cheese” e “Downer”] foram originalmente pensadas para fazer parte de Bleach. Não ficou nada no cofre.

 

Por que vocês escolheram esse show de Portland, especificamente?

Acho que naquele show estavam tocando Screaming Trees, TAD e Nirvana. Colocamos lá simplesmente porque foi um bom show que conseguimos gravar em uma mesa móvel de 24 canais, de modo que pudesse ser mixado. E simplesmente foi um bom show.

 

Que tipo de atrativos gráficos farão parte da edição de luxo?

Vai ter um libreto de 48 páginas com fotos inéditas e uma apresentação que, na minha opinião, está extraordinária. Acho que é uma celebração vívida da banda, do jeito que ela era na época do lançamento.

 

Você lembra como se sentiu na primeira vez que ouviu as faixas que acabaram em Bleach?

Algumas músicas marcaram mais. Quando ouvi “About A Girl” pela primeira vez fiquei arrebatado, assim como “Blew”. Era incrível como Kurt tinha o ímpeto e o talento para se destacar, enquanto compositor, dos demais artistas da Sub Pop. O Nirvana fazia rock tão bom quanto os outros, mas havia uma sofisticação melódica e uma ambição que ninguém mais tinha.

 

Essa foi aquela primeira demo que eles gravaram com Jack Endino?

Isso. Jack nos mostrou uma cassete que tinha gravado com eles e, quando ouvi pela primeira vez, fiquei abismado. Eu queria lançar logo de cara, mas levou um tempo porque, nós não só estávamos sem dinheiro e não sabíamos o que estávamos fazendo, como a banda ainda não estava com a formação definida [nessa ocasião, no começo de 1988, Dale Crover, baterista dos Melvins, estava dando uma força para o Nirvana], já que o Chad Channing acabaria sendo o primeiro baterista fixo.

 

Há quem diga que a Sub Pop exerceu algum tipo de pressão sobre o Nirvana para fazerem-nos soar mais como o “Seattle Sound”.

Nós nunca tentamos fazê-los soar grunge ou mandamos que usassem pedais de distorção. O valor do selo está em uma objetividade editorial. Nunca impomos nossa linha, mas não hesitamos em declará-la publicamente. Às vezes uma banda acha que todo o seu material é bom, enquanto outras procuram se adequar ao que as pessoas estão escutando. Desde a morte do Kurt, tornou-se de conhecimento comum o fato de ele ter sido um sujeito muito focado e ambicioso. Eu não acho que nenhuma das projeções que dividimos com ele era algo que ele mesmo não pensasse. Quando eu e Bruce declaramos ser fãs de Motown, Stax e de todos os grandes selos independentes, não é que queremos que tudo soe igual, apenas estamos em busca de consistência e excelência. Nem sempre conseguimos isso, mas sempre foi o objetivo. Só que, se o Nirvana se adequou de alguma forma ao que estávamos perseguindo, foi uma decisão pessoal.

 

Dá para dizer que Bleach é o disco mais rentável do catálogo da Sub Pop?

Talvez depois da segunda edição [risos]. Com certeza é o que mais vendeu e o que menos custou, mas você tem que lembrar que muito disso aconteceu em uma época em que a operação fonográfica era muito mais cara do que hoje em dia. Pela natureza física, discos eram mais caros para produzir, armazenar e distribuir. Se tivéssemos vendido a mesma quantidade [três milhões de cópias] durante a era digital, aí sim teria sido o disco mais lucrativo. Dá para dizer que o primeiro do The Postmarks, que vendeu um milhão segundo os novos moldes, foi mais lucrativo. Mas claro que o Nirvana foi um fator definitivo para a Sub Pop. Não apenas pelo quanto lucrou, mas pelo legado e pela busca pelo padrão de excelência que, eventualmente, foi definido pelo Nirvana. Bleach vendeu três milhões de cópias ao redor do mundo.

 

E quando foi lançado, como vendeu?

Logo que foi lançado se tornou um disco muito poderoso (vendeu cerca de 50 mil cópias), mas ainda competia com Superfuzz Bigmuff, do Mudhoney (que vendeu 100 mil), até então a banda líder em vendas da Sub Pop. Mas quando Nevermind saiu, Bleach passou a vender milhares e milhares de cópias. Vendemos como nunca havíamos sonhado, mais do que todo o catálogo da gravadora junto, atingimos uma nova escala comercial.

 

Além desses, quais mais são líderes em vendas?

O primeiro do Fleet Foxes, todos os três do The Shins, que venderam meio milhão cada, o Postal Service também. Para os padrões da indústria não são números tão altos, mas para os padrões da nossa operação, são muito bons.

 

E essa é a segunda reedição de luxo que vocês lançam. No ano passado foi Superfuzz Bigmuff. Como ele se saiu?

Superfuzz Bigmuff vendeu 20, 25 mil cópias no mundo. Francamente, é o que nós esperávamos. Rock mais antigo é algo para o fã, para o colecionador, o obsessivo. Nunca esperamos recriar o fervor e as vendas do lançamento original.