NOTÍCIAS

Katy Perry: "Fui irredutível nas negociações do Super Bowl"

por em 15/01/2015
Apó
s a atual temporada do campeonato de futebol americano ter sido assombrada por casos de violências domésticas envolvendo jogadores, Katy Perry acredita que seus hinos de empoderamento feminino a tornam a artista perfeita para o show do intervalo do Super Bowl. As negociações para sua participação na final do campeonato começaram no ano passado, enquanto a NFL lidava com diferentes incidentes dessa natureza, como a agressão física que a então noiva de Ray Rice, do Baltimore Ravens, sofreu do companheiro em um elevador. “Não era um problema de imagem, era um problema”, disse Katy na semana passada. “Todos nós estávamos assistindo e nos perguntando o que esse ano significaria. Mas eu acho que o problema com o qual a NFL está lidando é global... Nós precisamos resolver isso – ou educar as pessoas”, completou. “Sou entusiasta do empodaramento feminino e levantar o espírito das pessoas e achar sua própria voz com músicas como ‘Roar’ e ‘Firework’, então talvez não tenha pessoa melhor para essa performance no Super Bowl”, acrescentou a cantora. “Espero que eu possa levar essa força a outras pessoas por meio da minha apresentação.” A artista prometeu um medley de 12 minutos de seus hits, muito bom humor, várias trocas de roupas, pelo menos dois “mundos” diferentes e convidados especiais, incluindo Lenny Kravitz. Ela não comentou algumas notícias de que apresentaria uma música nova. A audiência televisiva do Super Bowl – mais de 110 milhões de pessoas assistiram à partida no ano passado – faz do show de intervalo muito desejado por músicos, tanto que a liga pediu a Katy e a outros finalistas que pagassem pelo privilégio de se apresentar no dia 1º de fevereiro. A cantora não concordou. “Fui irredutível sobre isso logo no início das negociações. Eu disse: ‘olha, aqui está o meu limite’. Quero ser convidada pelos meus próprios méritos e não por causa das letras miúdas. Mantenho a minha posição… Nem me importo se meu contrato vaza… Basicamente, não tenho nada a esconder”. O evento gerou algumas controvérsias no passado. Em 2004, Janet Jackson pagou peitinho enquanto cantava “Rock Your Body” com Justin Timberlake, que puxou o sutiã da parceira. Em 2012, M.I.A. foi convidada de Madonna e mostrou o dedo do meio durante a música “Give Me All Your Luvin”. Katy Perry, por outro lado, disse que não correrá o risco de algo assim acontecer em frente ao maior público para o qual já se apresentou. “Tudo que fiz na minha carreira não foi escancarado, mas sim uma piscadela. É um sexy mais suave”, disse a cantora. “Minha intenção é que falem da música e nada mais... Às vezes, você não pode controlar as outras pessoas. Mas eu controlarei a mim mesma.”
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Katy Perry: "Fui irredutível nas negociações do Super Bowl"

por em 15/01/2015
Apó
s a atual temporada do campeonato de futebol americano ter sido assombrada por casos de violências domésticas envolvendo jogadores, Katy Perry acredita que seus hinos de empoderamento feminino a tornam a artista perfeita para o show do intervalo do Super Bowl. As negociações para sua participação na final do campeonato começaram no ano passado, enquanto a NFL lidava com diferentes incidentes dessa natureza, como a agressão física que a então noiva de Ray Rice, do Baltimore Ravens, sofreu do companheiro em um elevador. “Não era um problema de imagem, era um problema”, disse Katy na semana passada. “Todos nós estávamos assistindo e nos perguntando o que esse ano significaria. Mas eu acho que o problema com o qual a NFL está lidando é global... Nós precisamos resolver isso – ou educar as pessoas”, completou. “Sou entusiasta do empodaramento feminino e levantar o espírito das pessoas e achar sua própria voz com músicas como ‘Roar’ e ‘Firework’, então talvez não tenha pessoa melhor para essa performance no Super Bowl”, acrescentou a cantora. “Espero que eu possa levar essa força a outras pessoas por meio da minha apresentação.” A artista prometeu um medley de 12 minutos de seus hits, muito bom humor, várias trocas de roupas, pelo menos dois “mundos” diferentes e convidados especiais, incluindo Lenny Kravitz. Ela não comentou algumas notícias de que apresentaria uma música nova. A audiência televisiva do Super Bowl – mais de 110 milhões de pessoas assistiram à partida no ano passado – faz do show de intervalo muito desejado por músicos, tanto que a liga pediu a Katy e a outros finalistas que pagassem pelo privilégio de se apresentar no dia 1º de fevereiro. A cantora não concordou. “Fui irredutível sobre isso logo no início das negociações. Eu disse: ‘olha, aqui está o meu limite’. Quero ser convidada pelos meus próprios méritos e não por causa das letras miúdas. Mantenho a minha posição… Nem me importo se meu contrato vaza… Basicamente, não tenho nada a esconder”. O evento gerou algumas controvérsias no passado. Em 2004, Janet Jackson pagou peitinho enquanto cantava “Rock Your Body” com Justin Timberlake, que puxou o sutiã da parceira. Em 2012, M.I.A. foi convidada de Madonna e mostrou o dedo do meio durante a música “Give Me All Your Luvin”. Katy Perry, por outro lado, disse que não correrá o risco de algo assim acontecer em frente ao maior público para o qual já se apresentou. “Tudo que fiz na minha carreira não foi escancarado, mas sim uma piscadela. É um sexy mais suave”, disse a cantora. “Minha intenção é que falem da música e nada mais... Às vezes, você não pode controlar as outras pessoas. Mas eu controlarei a mim mesma.”