NOTÍCIAS

Lana Del Rey fala sobre medo da morte e ataques de pânico

por em 23/10/2015

O quarto álbum de Lana Del Rey, Honeymoon, estreou na 2ª posição do Billboard 200 em setembro, mas a cantora não está pensando em fazer uma turnê para promovê-lo. “Eu faço tudo ao contrário. Ela já aconteceu. Na verdade, acabei a turnê mundial que comecei quatro anos atrás, quando eu precisava estar por aí. Eu realmente precisava estar lá fora, cantando”, disse Lana, que está na capa da Billboard. Lana Del Rey – cujo nome verdadeiro é Lizzy Grant – nasceu em Lake Placid, no estado de Nova York, e se mudou para Manhattan aos 18 anos. “Durante sete anos eu escrevi músicas sexy sobre amor”, contou. “Foi a época mais alegre da minha vida”. Sobre o que faz nas suas horas vagas: “Faço longas caminhadas, longos passeios de carro. Eu entro no carro e dirijo pelas ruas, sentindo os lugares. Eu vou ao Big Sur [região de penhascos na costa da Califórnia]. Eu amo o Big Sur, mas ficou muito turístico. Mas eu sou atraída por aquele lugar. Às vezes eu vou para escrever. Eu tenho pensado em fazer um vídeo mais longo, de 40 minutos. Sobre escrever: “Eu gostaria de algum dia escrever um livro. Mas você precisa de um começo, meio e fim! Eu consigo lidar com quatro minutos – mas não tenho certeza se consigo com um livro”. Sobre seus ataques de pânico: “Às vezes é difícil para mim pensar em continuar quando eu sei que vamos morrer. Algo aconteceu nos últimos três anos com o meu pânico... Piorou. Mas eu sempre fui propensa. Lembro de ter quatro anos, eu acho, e eu tinha acabado de ver um programa de televisão no qual uma pessoa era morta. E eu virei para os meus pais e perguntei: ‘Todos nós vamos morrer?’ Eles disseram ‘sim’ e eu fiquei completamente arrasada! Caí no choro e disse: ‘Temos que nos mudar!’. Eu fui à terapia – três vezes. Mas fico mais confortável mesmo na cadeira do estúdio, escrevendo ou cantando. Eu acho que sou bem parecida com a minha mãe, faço listas pequenas. Para me acalmar. Para me recompensar. Você sabe, ‘se eu terminar isso, farei aquilo’ – dou um passeio pela praia ou nado no mar. Eu adoro nadar e fico realmente chocada que faço isso com frequência, porque eu tenho pavor de tubarões”. Sobre filhos: “Eu já pensei nisso. Recentemente tenho pensado bastante porque acabei de fazer 30 anos. Eu amaria ter filhas. Mas eu acho que não seria uma boa ideia ter filhos com alguém que não esteja na mesma vibração. Alguém que não seja exatamente – como eu! [risos] Apesar de que talvez seja melhor ter filhos com alguém que seja... normal. Sobre relacionamentos: “O último – antes do namorado com quem estou hoje – foi bem ruim. Não era bom estar nele, mas não era bom não estar. Para alguém como eu – e não é uma coisa codependente –, eu simplesmente gosto de ter alguém. Eu já estive sozinha e isso é ok. Mas eu gosto de chegar em casa e ter alguém lá. Você sabe, para dizer, ‘Ah, ele está aqui. E essa outra coisa [faz mímica de uma mesa] está ali. E isso [faz mímica de um objeto na mesa] está ali. Eu sou muito metódica. Tenho que ser. Também sou assim no estúdio. Mixar e masterizar pode levar até quatro meses depois de terminarmos – três para mixar e um para masterizar. Eu gosto de ter um planejamento. Sobre cinema: “Bem... Estou aberta a tudo. James Franco me chamou para fazer três filmes que seriam dirigidos por um diretor espanhol e eu fiquei hesitante. Acho que ele percebeu e ficou com medo. Sobre a sua carreira e sucesso: “Eu penso sobre isso e sou tão agradecida. Tenho consciência de que poderia facilmente não ter acontecido. Que eu poderia ter me tornado... um pesadelo americano.
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Saudade
Eduardo Costa
3
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Lana Del Rey fala sobre medo da morte e ataques de pânico

por em 23/10/2015

O quarto álbum de Lana Del Rey, Honeymoon, estreou na 2ª posição do Billboard 200 em setembro, mas a cantora não está pensando em fazer uma turnê para promovê-lo. “Eu faço tudo ao contrário. Ela já aconteceu. Na verdade, acabei a turnê mundial que comecei quatro anos atrás, quando eu precisava estar por aí. Eu realmente precisava estar lá fora, cantando”, disse Lana, que está na capa da Billboard. Lana Del Rey – cujo nome verdadeiro é Lizzy Grant – nasceu em Lake Placid, no estado de Nova York, e se mudou para Manhattan aos 18 anos. “Durante sete anos eu escrevi músicas sexy sobre amor”, contou. “Foi a época mais alegre da minha vida”. Sobre o que faz nas suas horas vagas: “Faço longas caminhadas, longos passeios de carro. Eu entro no carro e dirijo pelas ruas, sentindo os lugares. Eu vou ao Big Sur [região de penhascos na costa da Califórnia]. Eu amo o Big Sur, mas ficou muito turístico. Mas eu sou atraída por aquele lugar. Às vezes eu vou para escrever. Eu tenho pensado em fazer um vídeo mais longo, de 40 minutos. Sobre escrever: “Eu gostaria de algum dia escrever um livro. Mas você precisa de um começo, meio e fim! Eu consigo lidar com quatro minutos – mas não tenho certeza se consigo com um livro”. Sobre seus ataques de pânico: “Às vezes é difícil para mim pensar em continuar quando eu sei que vamos morrer. Algo aconteceu nos últimos três anos com o meu pânico... Piorou. Mas eu sempre fui propensa. Lembro de ter quatro anos, eu acho, e eu tinha acabado de ver um programa de televisão no qual uma pessoa era morta. E eu virei para os meus pais e perguntei: ‘Todos nós vamos morrer?’ Eles disseram ‘sim’ e eu fiquei completamente arrasada! Caí no choro e disse: ‘Temos que nos mudar!’. Eu fui à terapia – três vezes. Mas fico mais confortável mesmo na cadeira do estúdio, escrevendo ou cantando. Eu acho que sou bem parecida com a minha mãe, faço listas pequenas. Para me acalmar. Para me recompensar. Você sabe, ‘se eu terminar isso, farei aquilo’ – dou um passeio pela praia ou nado no mar. Eu adoro nadar e fico realmente chocada que faço isso com frequência, porque eu tenho pavor de tubarões”. Sobre filhos: “Eu já pensei nisso. Recentemente tenho pensado bastante porque acabei de fazer 30 anos. Eu amaria ter filhas. Mas eu acho que não seria uma boa ideia ter filhos com alguém que não esteja na mesma vibração. Alguém que não seja exatamente – como eu! [risos] Apesar de que talvez seja melhor ter filhos com alguém que seja... normal. Sobre relacionamentos: “O último – antes do namorado com quem estou hoje – foi bem ruim. Não era bom estar nele, mas não era bom não estar. Para alguém como eu – e não é uma coisa codependente –, eu simplesmente gosto de ter alguém. Eu já estive sozinha e isso é ok. Mas eu gosto de chegar em casa e ter alguém lá. Você sabe, para dizer, ‘Ah, ele está aqui. E essa outra coisa [faz mímica de uma mesa] está ali. E isso [faz mímica de um objeto na mesa] está ali. Eu sou muito metódica. Tenho que ser. Também sou assim no estúdio. Mixar e masterizar pode levar até quatro meses depois de terminarmos – três para mixar e um para masterizar. Eu gosto de ter um planejamento. Sobre cinema: “Bem... Estou aberta a tudo. James Franco me chamou para fazer três filmes que seriam dirigidos por um diretor espanhol e eu fiquei hesitante. Acho que ele percebeu e ficou com medo. Sobre a sua carreira e sucesso: “Eu penso sobre isso e sou tão agradecida. Tenho consciência de que poderia facilmente não ter acontecido. Que eu poderia ter me tornado... um pesadelo americano.