NOTÍCIAS

Leia a resenha de The Very Baddest Of, coletânea do ZZ Top

por em 16/12/2014
&nbs
p; ZZTop_albumZZ TOP THE VERY BADDEST OF WARNER Que fase vive a música paraense! As boas notícias não param de chegar. Jade Guilhon (bandolim e violino), Dulci Cunha (flauta), Laíla Cardoso (violão), Camila Alves (violão sete cordas), Carla Cabral (cavaquinho) e Rafaela Bittencourt (pandeiro) nem são a coisa mais fresca de Belém. As instrumentistas já estiveram em evidência num dos espetáculos coletivos Terruá Pará, e também desenvolvem outros trabalhos além do grupo de choro. Mas este álbum será uma grata surpresa para muitos, especialmente os que pensam que o Pará atual é é sinônimo exclusivo de tecnobrega e demais manifestações moderninhas. Na tradição, o estado está igualmente bem servido. Bem que as moças poderiam se soltar mais. Apenas três das 14 faixas exibem o nome de alguma delas nos créditos. A preferência é por reverenciar mestres como Sebastião Tapajós e Luiz Pardal (pai de Jade). Mas o capricho nas interpretações é tanto, que a cobrança por mais material inédito pode ficar para o próximo CD. (José Flávio Júnior)
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Saudade
Eduardo Costa
3
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Leia a resenha de The Very Baddest Of, coletânea do ZZ Top

por em 16/12/2014
&nbs
p; ZZTop_albumZZ TOP THE VERY BADDEST OF WARNER Que fase vive a música paraense! As boas notícias não param de chegar. Jade Guilhon (bandolim e violino), Dulci Cunha (flauta), Laíla Cardoso (violão), Camila Alves (violão sete cordas), Carla Cabral (cavaquinho) e Rafaela Bittencourt (pandeiro) nem são a coisa mais fresca de Belém. As instrumentistas já estiveram em evidência num dos espetáculos coletivos Terruá Pará, e também desenvolvem outros trabalhos além do grupo de choro. Mas este álbum será uma grata surpresa para muitos, especialmente os que pensam que o Pará atual é é sinônimo exclusivo de tecnobrega e demais manifestações moderninhas. Na tradição, o estado está igualmente bem servido. Bem que as moças poderiam se soltar mais. Apenas três das 14 faixas exibem o nome de alguma delas nos créditos. A preferência é por reverenciar mestres como Sebastião Tapajós e Luiz Pardal (pai de Jade). Mas o capricho nas interpretações é tanto, que a cobrança por mais material inédito pode ficar para o próximo CD. (José Flávio Júnior)