NOTÍCIAS

Lil Wayne fala sobre a cadeia, Kanye West e epilepsia

Rapper lançou recentemente um livro baseado no diário que mantinha dentro da prisão

por Redação em 10/11/2016

Assim que o rapper Lil Wayne ficou sabendo que seria preso por porte de arma, ele planejou uma forma de sobreviver. Ele passou oito meses na prisão Rikers Island, em Nova York, em 2010. Mas ele nunca planejou um livro descrevendo sua experiência.

Recentemente, ele lançou Gone ‘Til November, um livro baseado no diário que mantinha dentro da cadeia. Ele escreve sobre desilusão, disputas entre os presidiários e o dia que oficializou um casamento gay. O rapper de 34 anos não acreditou que as pessoas se interessariam em ler o seu diário. Até que foi convencido por seu melhor amigo.

Lil Wayne deu uma entrevista para a Associated Press para falar sobre sua experiência.

AP: Sean "Diddy" Combs e Kanye West te visitaram na prisão. O que significou para você?
Lil Wayne:
 Enquanto eu estava lá, conversando com eles durante a visita, pareceu tão real. Não importava quem estava ali, mas como eu estava me sentindo, o que estava acontecendo, se eu precisava de alguma coisa. Só percebi quando voltei para a cela.

Como você lidou com a situação?
Foi pelas pessoas a minha volta. Os presidiários, os guardas… Eles acabaram com o clichê, mudaram minha cabeça sobre o que eu achava que iria ser. Eles me fizeram sentir em casa, na falta de uma palavra melhor. Ninguém quer estar lá, nem os guardas. Então quando você chega lá, todos te tratam igualmente. Funcionou.

Como manteve suas convulsões sob controle? (Lil Wayne sofre de epilepsia)
Eu tomei meus remédios. Precisava tomá-los todos os dias. Rezei muito e acho que Deus esteve comigo.

Como foi se apresentar novamente depois de ser liberado?
Acho que foi como sofrer um acidente, deixar de sentir suas pernas e ouvir que nunca mais vai andar. E voltar oito meses depois, correndo. Foi assim que me senti.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Lil Wayne fala sobre a cadeia, Kanye West e epilepsia

Rapper lançou recentemente um livro baseado no diário que mantinha dentro da prisão

por Redação em 10/11/2016

Assim que o rapper Lil Wayne ficou sabendo que seria preso por porte de arma, ele planejou uma forma de sobreviver. Ele passou oito meses na prisão Rikers Island, em Nova York, em 2010. Mas ele nunca planejou um livro descrevendo sua experiência.

Recentemente, ele lançou Gone ‘Til November, um livro baseado no diário que mantinha dentro da cadeia. Ele escreve sobre desilusão, disputas entre os presidiários e o dia que oficializou um casamento gay. O rapper de 34 anos não acreditou que as pessoas se interessariam em ler o seu diário. Até que foi convencido por seu melhor amigo.

Lil Wayne deu uma entrevista para a Associated Press para falar sobre sua experiência.

AP: Sean "Diddy" Combs e Kanye West te visitaram na prisão. O que significou para você?
Lil Wayne:
 Enquanto eu estava lá, conversando com eles durante a visita, pareceu tão real. Não importava quem estava ali, mas como eu estava me sentindo, o que estava acontecendo, se eu precisava de alguma coisa. Só percebi quando voltei para a cela.

Como você lidou com a situação?
Foi pelas pessoas a minha volta. Os presidiários, os guardas… Eles acabaram com o clichê, mudaram minha cabeça sobre o que eu achava que iria ser. Eles me fizeram sentir em casa, na falta de uma palavra melhor. Ninguém quer estar lá, nem os guardas. Então quando você chega lá, todos te tratam igualmente. Funcionou.

Como manteve suas convulsões sob controle? (Lil Wayne sofre de epilepsia)
Eu tomei meus remédios. Precisava tomá-los todos os dias. Rezei muito e acho que Deus esteve comigo.

Como foi se apresentar novamente depois de ser liberado?
Acho que foi como sofrer um acidente, deixar de sentir suas pernas e ouvir que nunca mais vai andar. E voltar oito meses depois, correndo. Foi assim que me senti.