NOTÍCIAS

Luan nas alturas: um dia com o comissário de bordo mais pop do país

Cantor fez parceria com companhia aérea e parque aquático para que fãs pudessem ver o clipe de “Check-In” em primeira mão no Rio de Janeiro

por Marcos Lauro em 08/12/2017

O dia começou cedo na última sexta-feira (1º/12). Um pouco antes das 10h, a reportagem da Billboard Brasil já estava embarcando num voo de Congonhas, em São Paulo, para Confins, em Minas Gerais, para se encontrar com Luan Santana e mais 50 fãs que participaram de uma promoção para voar com o ídolo – com direito a um pocket show nos ares.

Além das 50 fãs, aproximadamente outras 50 pessoas estavam ali para cobrir a ação e se somaram à equipe do cantor e outros convidados, que resultaram em um Boeing 737-800 totalmente lotado. As fãs ocuparam o fundo do avião, lembrando uma excursão escolar que entoava músicas do Luan Santana a cada momento que um certo silêncio se sobressaísse. O grupo explodiu de vez de felicidade quando ouviu a voz de Luan pela primeira vez pelo sistema de som do próprio avião. Segundos depois, o cantor aparecia, bem alinhado num uniforme de comissário de bordo. Apesar da euforia, o segurança do cantor não teve trabalho: as fãs se contiveram e se contentaram em preencher o avião com suas vozes. Sem ataques, cenas de rasgação de roupas ou outras coisas mais graves.

Antes do pocket show, Luan serviu o lanchinho padrão da companhia aérea para as fãs, levando seu personagem de comissário a sério. Terminado o serviço de bordo, era hora de cantar.

luan-voo-02

Luan se posicionou junto à primeira fileira do avião, num lugar totalmente oposta às fãs do fundão. Com um sistema de som improvisado e que por vezes falhava, sua voz conseguiu chegar ao grupo. Mas nem precisava. As vozes das fãs soaram mais altas do que a do cantor na maioria do tempo. Não parecia que estávamos a cerca de 11 mil metros de altitude e quase 900 km/h. Excluindo um momento em que o avião atravessou algumas nuvens mais pesadas, não houve turbulências e o voo foi bastante tranquilo.

Terceiro aeroporto do dia: Galeão. De lá, todo o grupo seguiu em três ônibus para um shopping na Barra da Tijuca para ver, em primeira mão, o clipe de “Check-In”, segundo de uma sequência gravada na Colômbia e dirigido por Gil Green. Enquanto o primeiro explorava mais as belezas naturais colombianas, esse foi totalmente gravado dentro de um estúdio e a aposta foi em efeitos especiais.

Enquanto as fãs ficaram em uma sala, a imprensa foi colocada em outra. Além dos profissionais que estavam no voo, mais jornalistas locais foram somados ao grupo. Aos poucos, cada um conseguiu seus minutinhos com Luan para repercutir o clipe e a viagem. Quase no fim do dia, vieram o quarto e quinto aeroportos do dia: Santos Dumont e, novamente, Congonhas.

Leia o rápido bate papo com Luan Santana no Rio de Janeiro:

Hoje a gente experimentou um pouco dessa rotina de artista, de acordar em uma cidade, ir pra outra e, quando vai reparar, já estar numa terceira. Você se acostumou rápido a essa vida de viagens?
É verdade! Eu nem pensava. Mas é engraçado. Quando a gente para pra pensar hoje, nem dá pra saber como a gente aguentava... era muito mais complicado, não tinha estrutura, era mais sofrido. Mas a gente aguentava.

E o clipe também foi fruto de uma viagem, pra Colômbia. Porque a Colômbia?
Porque a Colômbia é um país lindo. No primeiro clipe a gente aproveitou muito as paisagens e esse a gente fez num estúdio, o maior de Bogotá. Financeiramente compensou muito também, a logística é mais fácil. Foi minha primeira vez lá... a gente teve três dias pra gravar dois clipes.

Você se aliou a duas marcas para o clipe e essa ação de hoje. Qual a importância dessas parcerias? Por exemplo: sem elas, você teria feito esse clipe?
Ia sair clipe sim, mas o alcance é muito maior quando a gente se associa. Dá uma movimentada, dá um gás... viabiliza essa coisa de trazer os fãs, fazer uma ação como essa. Acaba dando mais força pro clipe, com mais gente espalhando.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Olha Ela Aí
Eduardo Costa
2
Buá Buá
Naiara Azevedo
3
Ainda Sou Tão Seu
Felipe Araújo
4
Mais Amor E Menos Drama
Henrique & Juliano
5
Prefiro Nem Perguntar
Diego & Victor Hugo
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Luan nas alturas: um dia com o comissário de bordo mais pop do país

Cantor fez parceria com companhia aérea e parque aquático para que fãs pudessem ver o clipe de “Check-In” em primeira mão no Rio de Janeiro

por Marcos Lauro em 08/12/2017

O dia começou cedo na última sexta-feira (1º/12). Um pouco antes das 10h, a reportagem da Billboard Brasil já estava embarcando num voo de Congonhas, em São Paulo, para Confins, em Minas Gerais, para se encontrar com Luan Santana e mais 50 fãs que participaram de uma promoção para voar com o ídolo – com direito a um pocket show nos ares.

Além das 50 fãs, aproximadamente outras 50 pessoas estavam ali para cobrir a ação e se somaram à equipe do cantor e outros convidados, que resultaram em um Boeing 737-800 totalmente lotado. As fãs ocuparam o fundo do avião, lembrando uma excursão escolar que entoava músicas do Luan Santana a cada momento que um certo silêncio se sobressaísse. O grupo explodiu de vez de felicidade quando ouviu a voz de Luan pela primeira vez pelo sistema de som do próprio avião. Segundos depois, o cantor aparecia, bem alinhado num uniforme de comissário de bordo. Apesar da euforia, o segurança do cantor não teve trabalho: as fãs se contiveram e se contentaram em preencher o avião com suas vozes. Sem ataques, cenas de rasgação de roupas ou outras coisas mais graves.

Antes do pocket show, Luan serviu o lanchinho padrão da companhia aérea para as fãs, levando seu personagem de comissário a sério. Terminado o serviço de bordo, era hora de cantar.

luan-voo-02

Luan se posicionou junto à primeira fileira do avião, num lugar totalmente oposta às fãs do fundão. Com um sistema de som improvisado e que por vezes falhava, sua voz conseguiu chegar ao grupo. Mas nem precisava. As vozes das fãs soaram mais altas do que a do cantor na maioria do tempo. Não parecia que estávamos a cerca de 11 mil metros de altitude e quase 900 km/h. Excluindo um momento em que o avião atravessou algumas nuvens mais pesadas, não houve turbulências e o voo foi bastante tranquilo.

Terceiro aeroporto do dia: Galeão. De lá, todo o grupo seguiu em três ônibus para um shopping na Barra da Tijuca para ver, em primeira mão, o clipe de “Check-In”, segundo de uma sequência gravada na Colômbia e dirigido por Gil Green. Enquanto o primeiro explorava mais as belezas naturais colombianas, esse foi totalmente gravado dentro de um estúdio e a aposta foi em efeitos especiais.

Enquanto as fãs ficaram em uma sala, a imprensa foi colocada em outra. Além dos profissionais que estavam no voo, mais jornalistas locais foram somados ao grupo. Aos poucos, cada um conseguiu seus minutinhos com Luan para repercutir o clipe e a viagem. Quase no fim do dia, vieram o quarto e quinto aeroportos do dia: Santos Dumont e, novamente, Congonhas.

Leia o rápido bate papo com Luan Santana no Rio de Janeiro:

Hoje a gente experimentou um pouco dessa rotina de artista, de acordar em uma cidade, ir pra outra e, quando vai reparar, já estar numa terceira. Você se acostumou rápido a essa vida de viagens?
É verdade! Eu nem pensava. Mas é engraçado. Quando a gente para pra pensar hoje, nem dá pra saber como a gente aguentava... era muito mais complicado, não tinha estrutura, era mais sofrido. Mas a gente aguentava.

E o clipe também foi fruto de uma viagem, pra Colômbia. Porque a Colômbia?
Porque a Colômbia é um país lindo. No primeiro clipe a gente aproveitou muito as paisagens e esse a gente fez num estúdio, o maior de Bogotá. Financeiramente compensou muito também, a logística é mais fácil. Foi minha primeira vez lá... a gente teve três dias pra gravar dois clipes.

Você se aliou a duas marcas para o clipe e essa ação de hoje. Qual a importância dessas parcerias? Por exemplo: sem elas, você teria feito esse clipe?
Ia sair clipe sim, mas o alcance é muito maior quando a gente se associa. Dá uma movimentada, dá um gás... viabiliza essa coisa de trazer os fãs, fazer uma ação como essa. Acaba dando mais força pro clipe, com mais gente espalhando.