NOTÍCIAS

Morre o cantor e compositor Belchior aos 70 anos

Grande nome dos anos 1970, teve seu desaparecimento maior que sua obra

por Marcos Lauro em 30/04/2017

O cantor e compositor Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, mais conhecido como Belchior, morreu nesse sábado (29/04), aos 70 anos na cidade de Santa Cruz, Rio Grande do Sul. A informação é do jornal cearense O Povo, com confirmação de familiares e nota de pesar do governo do Ceará, que instituiu luto de três dias.

Nascido em Sobral, Ceará, Belchior foi um dos nomes descobertos por Elis Regina – sua composição “Mucuripe”, parceria com seu conterrâneo Fagner, foi gravada pela cantora em 1972, o que abriu portas para se consolidar como artista solo e ainda continuar como um dos compositores preferidos da cantora. Quatro anos depois, ela abriria um dos seus álbuns mais importantes, Falso Brilhante, com duas composições de Belchior: “Como Nossos Pais” e “Velha Roupa Colorida”. As duas músicas se tornaram as mais significativas da obra de Belchior e umas das mais conhecidas na voz da Pimentinha.

belchior-pingado

Esses momentos geniais dos anos 1970 compensam uma discografia irregular, que fez com que a fama de “sumido” surgisse antes mesmo do seu sumiço real, em 2006, quando deixou de dar notícias para amigos e familiares. Em 2009 foi localizado pela reportagem do Fantástico no Uruguai, com a informação de que teria muitas dívidas e pedidos de prisão por não ter pago pensão alimentícia durante todo esse período. Entre as dívidas, estão as geradas por dois carros (um parado no estacionamento do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e outro parado numa via pública em vaga de Zona Azul).

A fama de “sumido” ficou maior que sua obra, que vem sendo redescoberta com mais ênfase desde 2014, quando saiu um tributo ao compositor com nome como Nevilton, João Erbetta e Phillip Long. Se lá nos anos 1970, Belchior cantava sobre problemas geracionais de uma forma poética e sensível, nos anos 2010 suas letras voltam a fazer sentido. “Precisamos todos rejuvenescer”, diria.

Um dos dons de Belchior era colocar detalhes do dia a dia em letras absolutamente surreais. "Estava mais angustiado que um goleiro na hora do gol" abre “Divina Comédia Humana”, do álbum Todos Os Sentidos. “Aí um analista amigo meu disse que desse jeito/Não vou ser feliz direito” continua, como se estivesse conversando com o ouvinte. Poético e direto.

Em 2016, a Billboard Brasil comemorou os 70 anos de Belchior com uma playlist. Veja aqui o texto, que faz uma panorâmica sobre a carreira do compositor, e ouça abaixo as músicas em “30 sons para encontrar Belchior”.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Morre o cantor e compositor Belchior aos 70 anos

Grande nome dos anos 1970, teve seu desaparecimento maior que sua obra

por Marcos Lauro em 30/04/2017

O cantor e compositor Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, mais conhecido como Belchior, morreu nesse sábado (29/04), aos 70 anos na cidade de Santa Cruz, Rio Grande do Sul. A informação é do jornal cearense O Povo, com confirmação de familiares e nota de pesar do governo do Ceará, que instituiu luto de três dias.

Nascido em Sobral, Ceará, Belchior foi um dos nomes descobertos por Elis Regina – sua composição “Mucuripe”, parceria com seu conterrâneo Fagner, foi gravada pela cantora em 1972, o que abriu portas para se consolidar como artista solo e ainda continuar como um dos compositores preferidos da cantora. Quatro anos depois, ela abriria um dos seus álbuns mais importantes, Falso Brilhante, com duas composições de Belchior: “Como Nossos Pais” e “Velha Roupa Colorida”. As duas músicas se tornaram as mais significativas da obra de Belchior e umas das mais conhecidas na voz da Pimentinha.

belchior-pingado

Esses momentos geniais dos anos 1970 compensam uma discografia irregular, que fez com que a fama de “sumido” surgisse antes mesmo do seu sumiço real, em 2006, quando deixou de dar notícias para amigos e familiares. Em 2009 foi localizado pela reportagem do Fantástico no Uruguai, com a informação de que teria muitas dívidas e pedidos de prisão por não ter pago pensão alimentícia durante todo esse período. Entre as dívidas, estão as geradas por dois carros (um parado no estacionamento do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e outro parado numa via pública em vaga de Zona Azul).

A fama de “sumido” ficou maior que sua obra, que vem sendo redescoberta com mais ênfase desde 2014, quando saiu um tributo ao compositor com nome como Nevilton, João Erbetta e Phillip Long. Se lá nos anos 1970, Belchior cantava sobre problemas geracionais de uma forma poética e sensível, nos anos 2010 suas letras voltam a fazer sentido. “Precisamos todos rejuvenescer”, diria.

Um dos dons de Belchior era colocar detalhes do dia a dia em letras absolutamente surreais. "Estava mais angustiado que um goleiro na hora do gol" abre “Divina Comédia Humana”, do álbum Todos Os Sentidos. “Aí um analista amigo meu disse que desse jeito/Não vou ser feliz direito” continua, como se estivesse conversando com o ouvinte. Poético e direto.

Em 2016, a Billboard Brasil comemorou os 70 anos de Belchior com uma playlist. Veja aqui o texto, que faz uma panorâmica sobre a carreira do compositor, e ouça abaixo as músicas em “30 sons para encontrar Belchior”.