NOTÍCIAS

Na estrada para empoderar: o sertanejo tem uma diva

por em 14/01/2016
P
or Rodrigo Amaral da Rocha
Que a música sertaneja, já há mais um ano, faz a cabeça da galera, todos já sabem – das 100 músicas mais tocadas em 2015 nas rádios, 75 eram do gênero. Agora, o segmento vive uma reviravolta que deve defini-lo pelos próximos anos: a mulherada entrou de vez para ficar neste mundo até então dominado pelos homens. Com exceção de Paula Fernandes, o ritmo vivia uma escassez de mulheres nos últimos anos – historicamente sempre tão importantes, como Inezita Barroso, As Galvão, Roberta Miranda e, por fim, a própria Paula Fernandes. Hoje, as mulheres não só ganharam mais espaço, como quebraram tabus. Elas cantam e compõem sobre sexo, traição, bebedeira, farra e, claro, muito amor. Com apenas 21 anos, Marília Mendonça é uma das apostas da música sertaneja e representa essa mudança de comportamento. A primeira composição da menina nascida em Goiânia foi com 12 anos: “Minha Herança”, gravada pela dupla João Neto & Frederico dois anos depois. “Depois de eles gravarem, comecei a me apaixonar pelo negócio e comecei a compor e conhecer outros parceiros. Veio Henrique & Juliano com ‘Até Você Voltar’ e ‘Cuida Bem Dela’, o grande divisor de águas para mim”, explica Marília. Começar a cantar foi questão de tempo. Por orientação do empresário, ela teve que dar uma segurada na vontade. “Ele me disse para ter calma, porque eu sabia que queria cantar, mas ainda não sabia o que iria cantar, em qual levada. Isso me fez bem, quando gravei o DVD eu já conhecia todos os bastidores”. Com decoração minimalista, luzes baixas e algumas garrafas de bebida compondo o cenário, o DVD da Marília Mendonça ainda não foi lançado oficialmente, mas os vídeos extraídos da gravação somam mais de 40 milhões de visualizações. Das músicas de mais sucessos estão “Sentimento Louco”, a história de uma mulher que adora ficar com um homem casado, “Como Faz Com Ela” e “Alô Porteiro”, sobre traição. “Eu queria sair do esquema ‘mulher bonequinha’. Eu e as minhas amigas tínhamos que escutar música dos homens para nos identificarmos, já que as músicas cantadas pelas mulheres na época não tinham nada a ver comigo. Era isso o que eu queria: cantar para as mulheres de hoje, para ela ouvir e pensar: ‘cara, ela é igual eu, já fui traída, já coloquei chifre no namorado, bebe igual a mim’”, conta ela. Apesar do tom de suas letras e da entrada de cantoras, compositoras e duplas femininas, o mercado ainda está estranhando essa movimentação. “Ainda é machista [o mercado]. Tem muita gente que finge que está engolindo, mas não está”, assume. “Mas o machismo também está nas próprias mulheres. Já me deparei com mulher falando que uma música minha sobre traição é ‘música de puta’”. Além de seu DVD, outro projeto para 2016 é a Festa Das Patroas, projeto em parceria com a dupla Maiara & Maraísa que rodará o país e que também deve virar DVD. O trio acredita que a música sertaneja também pode ter divas para chamar de suas. Para isso, elas estão de olhos na música pop internacional e em suas estrelas que adoram passar uma mensagem de empoderamento para suas fãs. “Vai ser uma festa para a mulher”, conclui.
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Na estrada para empoderar: o sertanejo tem uma diva

por em 14/01/2016
P
or Rodrigo Amaral da Rocha
Que a música sertaneja, já há mais um ano, faz a cabeça da galera, todos já sabem – das 100 músicas mais tocadas em 2015 nas rádios, 75 eram do gênero. Agora, o segmento vive uma reviravolta que deve defini-lo pelos próximos anos: a mulherada entrou de vez para ficar neste mundo até então dominado pelos homens. Com exceção de Paula Fernandes, o ritmo vivia uma escassez de mulheres nos últimos anos – historicamente sempre tão importantes, como Inezita Barroso, As Galvão, Roberta Miranda e, por fim, a própria Paula Fernandes. Hoje, as mulheres não só ganharam mais espaço, como quebraram tabus. Elas cantam e compõem sobre sexo, traição, bebedeira, farra e, claro, muito amor. Com apenas 21 anos, Marília Mendonça é uma das apostas da música sertaneja e representa essa mudança de comportamento. A primeira composição da menina nascida em Goiânia foi com 12 anos: “Minha Herança”, gravada pela dupla João Neto & Frederico dois anos depois. “Depois de eles gravarem, comecei a me apaixonar pelo negócio e comecei a compor e conhecer outros parceiros. Veio Henrique & Juliano com ‘Até Você Voltar’ e ‘Cuida Bem Dela’, o grande divisor de águas para mim”, explica Marília. Começar a cantar foi questão de tempo. Por orientação do empresário, ela teve que dar uma segurada na vontade. “Ele me disse para ter calma, porque eu sabia que queria cantar, mas ainda não sabia o que iria cantar, em qual levada. Isso me fez bem, quando gravei o DVD eu já conhecia todos os bastidores”. Com decoração minimalista, luzes baixas e algumas garrafas de bebida compondo o cenário, o DVD da Marília Mendonça ainda não foi lançado oficialmente, mas os vídeos extraídos da gravação somam mais de 40 milhões de visualizações. Das músicas de mais sucessos estão “Sentimento Louco”, a história de uma mulher que adora ficar com um homem casado, “Como Faz Com Ela” e “Alô Porteiro”, sobre traição. “Eu queria sair do esquema ‘mulher bonequinha’. Eu e as minhas amigas tínhamos que escutar música dos homens para nos identificarmos, já que as músicas cantadas pelas mulheres na época não tinham nada a ver comigo. Era isso o que eu queria: cantar para as mulheres de hoje, para ela ouvir e pensar: ‘cara, ela é igual eu, já fui traída, já coloquei chifre no namorado, bebe igual a mim’”, conta ela. Apesar do tom de suas letras e da entrada de cantoras, compositoras e duplas femininas, o mercado ainda está estranhando essa movimentação. “Ainda é machista [o mercado]. Tem muita gente que finge que está engolindo, mas não está”, assume. “Mas o machismo também está nas próprias mulheres. Já me deparei com mulher falando que uma música minha sobre traição é ‘música de puta’”. Além de seu DVD, outro projeto para 2016 é a Festa Das Patroas, projeto em parceria com a dupla Maiara & Maraísa que rodará o país e que também deve virar DVD. O trio acredita que a música sertaneja também pode ter divas para chamar de suas. Para isso, elas estão de olhos na música pop internacional e em suas estrelas que adoram passar uma mensagem de empoderamento para suas fãs. “Vai ser uma festa para a mulher”, conclui.