NOTÍCIAS

O que a plateia do Billboard Music Awards esperava de Kanye?

por em 18/05/2015

Como Kanye West competiu com as outras 17 atrações do Billboard Music Awards? Ficando quase invisível por grande parte dos últimos quatro minutos e meio da noite, coberto por uma névoa de fumaça que demorou quase a música “All Day” inteira para se dissipar.

Pela televisão e ao vivo, na Grand Garden Arena MGM Grand, o rapper quase não pôde ser visto por cerca de um minuto da sua apresentação, o que levou muitos a indagar se a fumaça era intencional ou acidental. Para completar, o número de palavrões nas duas músicas escolhidas (“All Day” e “Black Skinhead”) necessitou de tanta censura que as pessoas estavam questionando se o microfone estava com defeito [Nota do Editor: nos Estados Unidos, os palavrões são banidos inclusive das transmissões ao vivo, que ocorrem com um pequeno delay para que o corte seja feito a tempo].

Em tudo o que diz respeito a Kanye, a sua criatividade tem um propósito. Alguns meses atrás, por exemplo, ele fez uma apresentação da nova música “Wolves” no especial de 40 anos de Saturday Night Live, deitado de costas no chão. E, enquanto o nome do rapper como atração principal certamente chama atenção para o BBMAs, ele só é obrigado a seguir o mínimo do tom da premiação. Você teria dificuldade em achar algum produtor de premiação que rejeitasse uma aparição de Kanye por causa da sua imprevisibilidade, porque é exatamente por isso que os telespectadores o assistem. Então era a intenção de Kanye ficar no escuro? Provavelmente sim, como um posicionamento artístico que passa por 44 menções da palavra “nigga”, uma gíria, geralmente pejorativa para a palavra “negro”. Também considere isso: talvez a intenção fosse tirar o foco de Kanye como celebridade – a pessoa que associamos ao clã Kardashian e aos insultos a Taylor Swift – e encorajar a plateia a ouvir a música, ao invés de ficar encarando.

De fato, parece que a presença de Kendall e Kylie Jenner deu início às vaias, que não pararam quando Yeezus subiu ao palco. Mas quando o assunto envolve arte, as vaias às vezes fazem parte. Na semana passada, no Cannes Film Festival, o novo filme de Gus Van Sant, Sea Of Trees, foi recebido com um coro de vaias. Duas décadas atrás, Pulp Fiction foi vaiado, e antes dele, Taxi Driver. O que o público do BBMAs esperava? Clássicos como “Golddigger” e “Heartless” são exatamente isso – clássicos. Kanye West sempre foi uma criatura de se reinventar e evoluir. Ele entrou na música há quase 20 anos, e é provocador há muito tempo. Agora ele é pai e marido.

Uma grande arte tem que provocar uma reação, e Kanye West nunca deixou de fazer exatamente isso. Por isso, como um rapper, ele tem realmente se tornado um dos nossos maiores astros do rock – com máquina de fumaça e tudo.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

O que a plateia do Billboard Music Awards esperava de Kanye?

por em 18/05/2015

Como Kanye West competiu com as outras 17 atrações do Billboard Music Awards? Ficando quase invisível por grande parte dos últimos quatro minutos e meio da noite, coberto por uma névoa de fumaça que demorou quase a música “All Day” inteira para se dissipar.

Pela televisão e ao vivo, na Grand Garden Arena MGM Grand, o rapper quase não pôde ser visto por cerca de um minuto da sua apresentação, o que levou muitos a indagar se a fumaça era intencional ou acidental. Para completar, o número de palavrões nas duas músicas escolhidas (“All Day” e “Black Skinhead”) necessitou de tanta censura que as pessoas estavam questionando se o microfone estava com defeito [Nota do Editor: nos Estados Unidos, os palavrões são banidos inclusive das transmissões ao vivo, que ocorrem com um pequeno delay para que o corte seja feito a tempo].

Em tudo o que diz respeito a Kanye, a sua criatividade tem um propósito. Alguns meses atrás, por exemplo, ele fez uma apresentação da nova música “Wolves” no especial de 40 anos de Saturday Night Live, deitado de costas no chão. E, enquanto o nome do rapper como atração principal certamente chama atenção para o BBMAs, ele só é obrigado a seguir o mínimo do tom da premiação. Você teria dificuldade em achar algum produtor de premiação que rejeitasse uma aparição de Kanye por causa da sua imprevisibilidade, porque é exatamente por isso que os telespectadores o assistem. Então era a intenção de Kanye ficar no escuro? Provavelmente sim, como um posicionamento artístico que passa por 44 menções da palavra “nigga”, uma gíria, geralmente pejorativa para a palavra “negro”. Também considere isso: talvez a intenção fosse tirar o foco de Kanye como celebridade – a pessoa que associamos ao clã Kardashian e aos insultos a Taylor Swift – e encorajar a plateia a ouvir a música, ao invés de ficar encarando.

De fato, parece que a presença de Kendall e Kylie Jenner deu início às vaias, que não pararam quando Yeezus subiu ao palco. Mas quando o assunto envolve arte, as vaias às vezes fazem parte. Na semana passada, no Cannes Film Festival, o novo filme de Gus Van Sant, Sea Of Trees, foi recebido com um coro de vaias. Duas décadas atrás, Pulp Fiction foi vaiado, e antes dele, Taxi Driver. O que o público do BBMAs esperava? Clássicos como “Golddigger” e “Heartless” são exatamente isso – clássicos. Kanye West sempre foi uma criatura de se reinventar e evoluir. Ele entrou na música há quase 20 anos, e é provocador há muito tempo. Agora ele é pai e marido.

Uma grande arte tem que provocar uma reação, e Kanye West nunca deixou de fazer exatamente isso. Por isso, como um rapper, ele tem realmente se tornado um dos nossos maiores astros do rock – com máquina de fumaça e tudo.