NOTÍCIAS

Orquestra Filarmônica Real faz versões de Aretha Franklin; ouça

Disco com 14 faixas será lançado em 10 de novembro

por Redação em 26/10/2017

Nick Patrick e Don Reedman, da Orquestra Filarmônica Real, afirmam que parte do brilho de produzir A Brand New Me: Aretha Franklin With The Royal Philarmonic Orchestra foi ter a oportunidade de ter contato com as gravações original da Rainha do Soul, da década de 1960.

OUÇA ENCONTROS ENTRE ORQUESTRAS E MÚSICA POPULAR

Com 14 faixas e data de lançamento prevista para 10 de novembro, os vocais vintage são embalados por novos instrumentais criados pelo duo britânico com a filarmônica nos estúdios Abbey Road, com novos backing vocals por Patti Austin. “Foram os motivos pelos quais fizemos isso, sua voz incrível, sua posição no mundo da música e o maravilhoso catálogo de músicas que ela gravou”, Patrick afirma. Reedman continua: “São poucos os artistas com a magnitude dela, poucos que fazem a ideia funcionar com integridade. Ter a oportunidade de acessar o período de ouro dos discos da Atlantic era algo que estávamos muito ansiosos para fazer e sentimos que podíamos preservar cada detalhe artístico, melhorando-o sonoramente e emocionalmente também”.

Patrick e Reedman também trabalharam no disco Elvis Christmas com a Filarmônica, que será lançado em 24 de outubro. Eles gostaram da ideia de trabalhar com o Rei e a Rainha ao mesmo tempo. “Devo dizer que Aretha tivemos desafios porque só tivemos acesso às gravações master em stereo. Foi um processo fazer com que parecesse que tivesse sido gravado hoje em dia, mantendo todas as nuances das gravações”, explicou.

arethafranklin

A ausência da cantora nas gravações pode parecer estranha, mas os produtores não acreditam que isso atrapalhou o processo. “De muitas formas, é a comunicação mais pura que você pode ter com um artista. É a sua reação ao impacto emocional dessas performances vocais. Não é diluído. Quando você reage emocionalmente a algo, você se conecta diretamente a isso, não interpreta. Pudemos reagir muito diretamente ao que os vocais de Aretha nos fizeram sentir. É algo incrível”. 

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Orquestra Filarmônica Real faz versões de Aretha Franklin; ouça

Disco com 14 faixas será lançado em 10 de novembro

por Redação em 26/10/2017

Nick Patrick e Don Reedman, da Orquestra Filarmônica Real, afirmam que parte do brilho de produzir A Brand New Me: Aretha Franklin With The Royal Philarmonic Orchestra foi ter a oportunidade de ter contato com as gravações original da Rainha do Soul, da década de 1960.

OUÇA ENCONTROS ENTRE ORQUESTRAS E MÚSICA POPULAR

Com 14 faixas e data de lançamento prevista para 10 de novembro, os vocais vintage são embalados por novos instrumentais criados pelo duo britânico com a filarmônica nos estúdios Abbey Road, com novos backing vocals por Patti Austin. “Foram os motivos pelos quais fizemos isso, sua voz incrível, sua posição no mundo da música e o maravilhoso catálogo de músicas que ela gravou”, Patrick afirma. Reedman continua: “São poucos os artistas com a magnitude dela, poucos que fazem a ideia funcionar com integridade. Ter a oportunidade de acessar o período de ouro dos discos da Atlantic era algo que estávamos muito ansiosos para fazer e sentimos que podíamos preservar cada detalhe artístico, melhorando-o sonoramente e emocionalmente também”.

Patrick e Reedman também trabalharam no disco Elvis Christmas com a Filarmônica, que será lançado em 24 de outubro. Eles gostaram da ideia de trabalhar com o Rei e a Rainha ao mesmo tempo. “Devo dizer que Aretha tivemos desafios porque só tivemos acesso às gravações master em stereo. Foi um processo fazer com que parecesse que tivesse sido gravado hoje em dia, mantendo todas as nuances das gravações”, explicou.

arethafranklin

A ausência da cantora nas gravações pode parecer estranha, mas os produtores não acreditam que isso atrapalhou o processo. “De muitas formas, é a comunicação mais pura que você pode ter com um artista. É a sua reação ao impacto emocional dessas performances vocais. Não é diluído. Quando você reage emocionalmente a algo, você se conecta diretamente a isso, não interpreta. Pudemos reagir muito diretamente ao que os vocais de Aretha nos fizeram sentir. É algo incrível”.