NOTÍCIAS

Ouça as músicas que embalaram o impeachment de Collor

por em 29/09/2014
exatos 22 anos, os “caras-pintadas” vibravam com a decisão da Câmara dos Deputados de abrir o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello, primeiro presidente brasileiro eleito democraticamente após o período militar. A ação redundaria na renúncia do agora senador, três meses após ato. Curioso é constatar que toda a agitação política da época não se refletia nas FMs. Enquanto os jovens marchavam por todo o país, as rádios eram dominadas pelas duplas sertanejas – de Chitãozinho & Xororó a Gian & Giovani – e por uma cantora baiana que acabara de explodir: Daniela Mercury. O hino da geração cara-pintada era “Alegria, Alegria”, lançada por Caetano Veloso nos anos 60. Sua adoção se deu por um caminho pouco nobre: entre 14 de julho e 14 de agosto, a Globo exibiu a minissérie Anos Rebeldes, que trazia a música em sua trilha sonora. Na playlist montada por Billboard Brasil, você escuta 18 hits nacionais que dominavam as paradas enquanto o povo fazia barulho para tirar Collor do poder. Ao final da seleção, surgem composições de Renato Russo, Lobão e Gabriel O Pensador inspiradas no “presidente mauricinho” e na depressão que os brasileiros sentiram no período, mas que não se tornaram sucessos populares. O arremate é com “Alegria, Alegria”, a citada criação de Caetano, que era puxada nas ruas pelos líderes juvenis – o mais emblemático deles, hoje integrando a base aliada do governo ao lado de... Collor.
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
2
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Ouça as músicas que embalaram o impeachment de Collor

por em 29/09/2014
exatos 22 anos, os “caras-pintadas” vibravam com a decisão da Câmara dos Deputados de abrir o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello, primeiro presidente brasileiro eleito democraticamente após o período militar. A ação redundaria na renúncia do agora senador, três meses após ato. Curioso é constatar que toda a agitação política da época não se refletia nas FMs. Enquanto os jovens marchavam por todo o país, as rádios eram dominadas pelas duplas sertanejas – de Chitãozinho & Xororó a Gian & Giovani – e por uma cantora baiana que acabara de explodir: Daniela Mercury. O hino da geração cara-pintada era “Alegria, Alegria”, lançada por Caetano Veloso nos anos 60. Sua adoção se deu por um caminho pouco nobre: entre 14 de julho e 14 de agosto, a Globo exibiu a minissérie Anos Rebeldes, que trazia a música em sua trilha sonora. Na playlist montada por Billboard Brasil, você escuta 18 hits nacionais que dominavam as paradas enquanto o povo fazia barulho para tirar Collor do poder. Ao final da seleção, surgem composições de Renato Russo, Lobão e Gabriel O Pensador inspiradas no “presidente mauricinho” e na depressão que os brasileiros sentiram no período, mas que não se tornaram sucessos populares. O arremate é com “Alegria, Alegria”, a citada criação de Caetano, que era puxada nas ruas pelos líderes juvenis – o mais emblemático deles, hoje integrando a base aliada do governo ao lado de... Collor.