NOTÍCIAS

Samsung Rock Exhibition: cenário underground do Nirvana poderá ser visto até o dia 12 de dezembro

Exposição que ficou por seis anos em cartaz em Seattle pode ser vista no Lounge Bienal, no Ibirapuera, em São Paulo

Ainda dá tempo de visitar a Samsung Rock Exhibition - ‘Nirvana: Taking Punk to the Masses’, mostra que levou milhares de pessoas a conhecerem o legado da banda de Seattle. O evento é realizado em parceria com o Ministério da Cultura e realização do Instituto Dançar, com concepção de Pedro Bianco. Pela primeira vez no Brasil, a mostra jamais havia saído dos Estados Unidos, onde foi vista por mais de 3 milhões de visitantes ao longo de seis anos em cartaz em Seattle.

‘Nirvana: Taking Punk to the Masses’ revela a história da maior banda de grunge e mapeia toda a cena musical independente da costa oeste americana. Com curadoria de Jacob McMurray, a exposição retrata parte da história da revolucionária banda, eternizada no Hall da Fama do Rock e também da cidade de Seattle, onde ganhou o mundo e virou o epicentro cultural e musical da geração da década de 1990.

Esta guitarra sonic blue Fender Mustang foi usada por Kurt Cobain durante a turnê do In Utero entre 1993 –1994.

A pedido de Kurt Cobain, esta guitarra foi consideravelmente modificada para um melhor desempenho pelo seu técnico de guitarras Earnie Bailey. Enquanto tocava diferentes tipos de guitarras, no ano de 1992 em diante, Cobain prefiriu tocar Fenders Stratocasters e Mustangs aos outros modelos de guitarras.

Cortesia da Família Cobain

Divulgação

Os ingressos podem ser adquiridos nas bilheterias ou pelo site www.ingressorapido.com.br.

Divulgação

Uma das primeiras baterias do Nirvana está na exposição Samsung Rock Exhibition.

Divulgação

Exposção fica em cartaz até 12/12 no Ibirapuera.

Divulgação

A classificação etária é de 16 anos (permitida a entrada de menores acompanhados por responsáveis ou com autorização assinada).

Divulgação

São mais de 200 peças entre instrumentos icônicos, fotos, vídeos, depoimentos, álbuns, objetos pessoais, cartazes, desde a origem do grupo, em Aberdeen, às grandes turnês internacionais. A exposição retrata uma das bandas mais importantes formadas até hoje, duas décadas após sua dissolução, incluindo a cidade de Seattle, de onde ganhou o mundo. Símbolo da geração grunge, o grupo tem uma história que se confunde com o próprio movimento, porém conquistou merecido espaço na galeria dos grandes do rock.

Entre os objetos expostos, que vieram das coleções do MoPOP, de David Grohl, de Kirst Novoselic, estão uma carta escrita e ilustrada por Kurt Cobain, no verão de 1990 referente à saída do primeiro baterista Chad Channing em maio de 1990, o conceito artístico da capa do álbum Nevermind, enviado pelo diretor Robert Fisher, fragmentos da primeira guitarra que Kurt destruiu no palco, em 1988, entre outros.

“Temos recebido um retorno muito positivo dos visitantes que saem encantados da exposição, que inclui materiais raros da banda que marcou milhões de fãs pelo mundo”, comenta Andréa Mello, Diretora de Marketing Corporativo e Consumer Electronics da Samsung Brasil. “Para quem ainda não foi à exposição, é uma excelente oportunidade de reviver momentos marcantes de uma das maiores bandas de rock do mundo”.

Histórico

A ascensão do Nirvana se deu em 1989, com seu característico som agressivo do punk rock, energizado pelo metal e hard rock, quando lançou o primeiro disco intitulado “Bleach”. Durante a turnê de lançamento, Chad Channing foi substituído por Dale Crover e, posteriormente, por Dan Peters. O Nirvana encontrou então seu baterista definitivo, Dave Grohl, e a partir desde momento a banda cresceu meteoricamente. O segundo álbum, intitulado “Nevermind”, saiu pelo selo DGC em 1991, recheado de riffs marcantes e com o grande clássico "Smells Like Teen Spirit", se tornando um dos discos mais vendidos até os dias de hoje.

A banda teve uma extensa rotina de shows em sequência, muitas vezes em estádios lotados, inclusive no extinto Hollywood Rock Festival, no Rio de Janeiro, em 1993, tocando para mais de 35 mil pessoas. Naquele ano, Nirvana voltou ao estúdio para gravar “In Utero”, outro álbum com excelentes composições como “Serve the Servants”.

Em 8 de abril de 1994, com a morte de Kurt Cobain, Nirvana encerrou suas atividades, mas sua música permaneceu viva. No final do mesmo ano, Dave e Krist lançaram o disco “Unplugged in New York”, com a histórica apresentação para a MTV e, dois anos depois, lançaram um especial ao vivo do grupo, "The Muddy Banks of the Wishkah", com sucessos executados em shows pelo mundo.

Serviço:
Samsung Rock Exhibition - Nirvana
Pavilhão Ciccillo Matarazzo (subsolo do Pavilhão da Bienal) - Parque Ibirapuera – Portão 03
Até 12/12
Ingressos: de R$ 25 e R$ 35 nas bilheterias ou pelo site http://www.ingressorapido.com.br.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
2
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
3
Saudade
Eduardo Costa
4
Amor Da Sua Cama
Felipe Araújo
5
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Samsung Rock Exhibition: cenário underground do Nirvana poderá ser visto até o dia 12 de dezembro

Exposição que ficou por seis anos em cartaz em Seattle pode ser vista no Lounge Bienal, no Ibirapuera, em São Paulo

por Billboard Brasil Media Content em 27/11/2017

Ainda dá tempo de visitar a Samsung Rock Exhibition - ‘Nirvana: Taking Punk to the Masses’, mostra que levou milhares de pessoas a conhecerem o legado da banda de Seattle. O evento é realizado em parceria com o Ministério da Cultura e realização do Instituto Dançar, com concepção de Pedro Bianco. Pela primeira vez no Brasil, a mostra jamais havia saído dos Estados Unidos, onde foi vista por mais de 3 milhões de visitantes ao longo de seis anos em cartaz em Seattle.

‘Nirvana: Taking Punk to the Masses’ revela a história da maior banda de grunge e mapeia toda a cena musical independente da costa oeste americana. Com curadoria de Jacob McMurray, a exposição retrata parte da história da revolucionária banda, eternizada no Hall da Fama do Rock e também da cidade de Seattle, onde ganhou o mundo e virou o epicentro cultural e musical da geração da década de 1990.

Esta guitarra sonic blue Fender Mustang foi usada por Kurt Cobain durante a turnê do In Utero entre 1993 –1994.

A pedido de Kurt Cobain, esta guitarra foi consideravelmente modificada para um melhor desempenho pelo seu técnico de guitarras Earnie Bailey. Enquanto tocava diferentes tipos de guitarras, no ano de 1992 em diante, Cobain prefiriu tocar Fenders Stratocasters e Mustangs aos outros modelos de guitarras.

Cortesia da Família Cobain

Divulgação

Os ingressos podem ser adquiridos nas bilheterias ou pelo site www.ingressorapido.com.br.

Divulgação

Uma das primeiras baterias do Nirvana está na exposição Samsung Rock Exhibition.

Divulgação

Exposção fica em cartaz até 12/12 no Ibirapuera.

Divulgação

A classificação etária é de 16 anos (permitida a entrada de menores acompanhados por responsáveis ou com autorização assinada).

Divulgação

São mais de 200 peças entre instrumentos icônicos, fotos, vídeos, depoimentos, álbuns, objetos pessoais, cartazes, desde a origem do grupo, em Aberdeen, às grandes turnês internacionais. A exposição retrata uma das bandas mais importantes formadas até hoje, duas décadas após sua dissolução, incluindo a cidade de Seattle, de onde ganhou o mundo. Símbolo da geração grunge, o grupo tem uma história que se confunde com o próprio movimento, porém conquistou merecido espaço na galeria dos grandes do rock.

Entre os objetos expostos, que vieram das coleções do MoPOP, de David Grohl, de Kirst Novoselic, estão uma carta escrita e ilustrada por Kurt Cobain, no verão de 1990 referente à saída do primeiro baterista Chad Channing em maio de 1990, o conceito artístico da capa do álbum Nevermind, enviado pelo diretor Robert Fisher, fragmentos da primeira guitarra que Kurt destruiu no palco, em 1988, entre outros.

“Temos recebido um retorno muito positivo dos visitantes que saem encantados da exposição, que inclui materiais raros da banda que marcou milhões de fãs pelo mundo”, comenta Andréa Mello, Diretora de Marketing Corporativo e Consumer Electronics da Samsung Brasil. “Para quem ainda não foi à exposição, é uma excelente oportunidade de reviver momentos marcantes de uma das maiores bandas de rock do mundo”.

Histórico

A ascensão do Nirvana se deu em 1989, com seu característico som agressivo do punk rock, energizado pelo metal e hard rock, quando lançou o primeiro disco intitulado “Bleach”. Durante a turnê de lançamento, Chad Channing foi substituído por Dale Crover e, posteriormente, por Dan Peters. O Nirvana encontrou então seu baterista definitivo, Dave Grohl, e a partir desde momento a banda cresceu meteoricamente. O segundo álbum, intitulado “Nevermind”, saiu pelo selo DGC em 1991, recheado de riffs marcantes e com o grande clássico "Smells Like Teen Spirit", se tornando um dos discos mais vendidos até os dias de hoje.

A banda teve uma extensa rotina de shows em sequência, muitas vezes em estádios lotados, inclusive no extinto Hollywood Rock Festival, no Rio de Janeiro, em 1993, tocando para mais de 35 mil pessoas. Naquele ano, Nirvana voltou ao estúdio para gravar “In Utero”, outro álbum com excelentes composições como “Serve the Servants”.

Em 8 de abril de 1994, com a morte de Kurt Cobain, Nirvana encerrou suas atividades, mas sua música permaneceu viva. No final do mesmo ano, Dave e Krist lançaram o disco “Unplugged in New York”, com a histórica apresentação para a MTV e, dois anos depois, lançaram um especial ao vivo do grupo, "The Muddy Banks of the Wishkah", com sucessos executados em shows pelo mundo.

Serviço:
Samsung Rock Exhibition - Nirvana
Pavilhão Ciccillo Matarazzo (subsolo do Pavilhão da Bienal) - Parque Ibirapuera – Portão 03
Até 12/12
Ingressos: de R$ 25 e R$ 35 nas bilheterias ou pelo site http://www.ingressorapido.com.br.