NOTÍCIAS

Um manual para ouvir Beatles no Spotify

por em 24/12/2015
P
or Marcos Lauro
É incrível pensar que os Beatles fizeram tudo isso em apenas oito anos – se contarmos a partir dos singles de 1962 que formaram o primeiro álbum, Please Please Me, de 1963, até o último com a banda ainda em atividade (mas lançado com a banda já desmontada), Let it Be, de 1970. A banda começou sua história em 1957, como The Quarrymen, mas vamos nos ater aos discos. Nunca havia sido possível ouvir Beatles, de forma legal, pela internet. Em 2010, a primeira vitória: a entrada para o iTunes, onde o catálogo da banda pode ser comprado. Agora, a vitória definitiva: 224 músicas de 13 discos de estúdio (e mais quatro coletâneas) estão nos principais serviços de streaming a partir desse momento. A expectativa é grande. Os Beatles são quase uma unanimidade e ainda alcançam as mais variadas idades. Será que essa estreia vai resultar em números que ultrapassem os dos astros pop de hoje? Vale lembrar que Justin Bieber é o atual recordista do Spotify. Sua “What Do You Mean?” teve 100 milhões de plays em 25 dias, enquanto o álbum Purpose chegou aos 205 milhões na semana de lançamento. Como 224 músicas é muita coisa, montamos uma playlist para te guiar pelo universo dos Beatles. Dividimos em duas fases: De Please Please Me a Help! – beatlemania e molecagens Imagine fãs do Justin Bieber, do One Direction e da Demi Lovato gritando, juntos, todos ao mesmo tempo. O resultado pode chegar perto do que foi a beatlemania, movimento histérico que encobria o som do quarteto nas apresentações ao vivo – claro que nessa época, anos 1960, a qualidade do som em shows grandes era péssima e também para isso. Quando juntaram os primeiros singles dos Beatles para lançar o primeiro disco, Please Please Me, a banda já era um fenômeno. Isso porque não existia música para o público jovem no mainstream britânico. O rock, que fazia esse papel, ainda era marginalizado. Os Beatles foram a força propulsora de que o estilo precisava para ganhar o grande público. Dessa fase, separamos três músicas de cada disco: Please Please Me, With The Beatles, A Hard Day's Night, Beatles For Sale e Help!. De Rubber Soul a Let it Be: vida adulta e o fim Em oito anos, os Beatles foram da música descompromissada para o público jovem até sons mais complexos para um público mais exigente – ou que eles forçaram a ser mais exigentes. Se no começo as letras não faziam sentido (John e Paul falaram diversas vezes sobre isso, eles queriam apenas rimar), do álbum Rubber Soul em diante a coisa ficou mais complexa. As letras começaram a contar histórias e o som ficou mais rico, com mais elementos do que o rock and roll cru feito anteriormente. No Rubber Soul, canções bobinhas como “Drive My Car” convivem com “Norwegian Wood (This Bird Has Flown)”, diretamente inspirada por Bob Dylan – uma das inspirações que motivou a mudança de postura dos quatro. A renovação chega ao ápice no disco Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, de 1967. Primeiro porque é um disco com um conceito – pra uma banda que só se preocupava em rimar palavras, ter um conceito por trás de um disco era o oposto. Depois, porque aqui era a vida adulta dos Beatles. Não haviam mais shows ao vivo e os quatro (Paul, principalmente) se preocupavam apenas com o estúdio. Tinham carta branca para experimentar e inventar coisas. E foi isso que aconteceu. “Estamos fartos de fazer música suave para pessoas suaves e estamos fartos de tocar para eles também. Mas essa é a oportunidade de um novo começo, entende?”. Essa é a fala de John Lennon para um atônito George Martin, então produtor do quarteto. Esse foi o último grande disco dos Beatles. Se o céu era o limite, até pra eles o voo foi muito alto. Dessa fase, também separamos três músicas de cada disco: Rubber Soul, Revolver, Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, Magical Mystery Tour, The Beatles (White Album), Yellow Submarine, Abbey Road e Let It Be. Melhor que tudo isso, só ouvir:
  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Eu Vou Te Buscar (Cha La La La La) (part. Hungria Hip Hop)
Gusttavo LIma
2
Saudade
Eduardo Costa
3
De Quem É A Culpa?
Marília Mendonça
4
Bengala E Crochê
Maiara & Maraisa
5
Aquela Pessoa
Henrique & Juliano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Um manual para ouvir Beatles no Spotify

por em 24/12/2015
P
or Marcos Lauro
É incrível pensar que os Beatles fizeram tudo isso em apenas oito anos – se contarmos a partir dos singles de 1962 que formaram o primeiro álbum, Please Please Me, de 1963, até o último com a banda ainda em atividade (mas lançado com a banda já desmontada), Let it Be, de 1970. A banda começou sua história em 1957, como The Quarrymen, mas vamos nos ater aos discos. Nunca havia sido possível ouvir Beatles, de forma legal, pela internet. Em 2010, a primeira vitória: a entrada para o iTunes, onde o catálogo da banda pode ser comprado. Agora, a vitória definitiva: 224 músicas de 13 discos de estúdio (e mais quatro coletâneas) estão nos principais serviços de streaming a partir desse momento. A expectativa é grande. Os Beatles são quase uma unanimidade e ainda alcançam as mais variadas idades. Será que essa estreia vai resultar em números que ultrapassem os dos astros pop de hoje? Vale lembrar que Justin Bieber é o atual recordista do Spotify. Sua “What Do You Mean?” teve 100 milhões de plays em 25 dias, enquanto o álbum Purpose chegou aos 205 milhões na semana de lançamento. Como 224 músicas é muita coisa, montamos uma playlist para te guiar pelo universo dos Beatles. Dividimos em duas fases: De Please Please Me a Help! – beatlemania e molecagens Imagine fãs do Justin Bieber, do One Direction e da Demi Lovato gritando, juntos, todos ao mesmo tempo. O resultado pode chegar perto do que foi a beatlemania, movimento histérico que encobria o som do quarteto nas apresentações ao vivo – claro que nessa época, anos 1960, a qualidade do som em shows grandes era péssima e também para isso. Quando juntaram os primeiros singles dos Beatles para lançar o primeiro disco, Please Please Me, a banda já era um fenômeno. Isso porque não existia música para o público jovem no mainstream britânico. O rock, que fazia esse papel, ainda era marginalizado. Os Beatles foram a força propulsora de que o estilo precisava para ganhar o grande público. Dessa fase, separamos três músicas de cada disco: Please Please Me, With The Beatles, A Hard Day's Night, Beatles For Sale e Help!. De Rubber Soul a Let it Be: vida adulta e o fim Em oito anos, os Beatles foram da música descompromissada para o público jovem até sons mais complexos para um público mais exigente – ou que eles forçaram a ser mais exigentes. Se no começo as letras não faziam sentido (John e Paul falaram diversas vezes sobre isso, eles queriam apenas rimar), do álbum Rubber Soul em diante a coisa ficou mais complexa. As letras começaram a contar histórias e o som ficou mais rico, com mais elementos do que o rock and roll cru feito anteriormente. No Rubber Soul, canções bobinhas como “Drive My Car” convivem com “Norwegian Wood (This Bird Has Flown)”, diretamente inspirada por Bob Dylan – uma das inspirações que motivou a mudança de postura dos quatro. A renovação chega ao ápice no disco Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, de 1967. Primeiro porque é um disco com um conceito – pra uma banda que só se preocupava em rimar palavras, ter um conceito por trás de um disco era o oposto. Depois, porque aqui era a vida adulta dos Beatles. Não haviam mais shows ao vivo e os quatro (Paul, principalmente) se preocupavam apenas com o estúdio. Tinham carta branca para experimentar e inventar coisas. E foi isso que aconteceu. “Estamos fartos de fazer música suave para pessoas suaves e estamos fartos de tocar para eles também. Mas essa é a oportunidade de um novo começo, entende?”. Essa é a fala de John Lennon para um atônito George Martin, então produtor do quarteto. Esse foi o último grande disco dos Beatles. Se o céu era o limite, até pra eles o voo foi muito alto. Dessa fase, também separamos três músicas de cada disco: Rubber Soul, Revolver, Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, Magical Mystery Tour, The Beatles (White Album), Yellow Submarine, Abbey Road e Let It Be. Melhor que tudo isso, só ouvir: