NOTÍCIAS

Marcello Gugu fala sobre crise de ansiedade em “New Orleans”

Rapper prepara segundo álbum com produção mais cuidadosa

por Marcos Lauro em 13/07/2016

As rinhas – ou batalhas – são eventos em que rappers se encontram pra disputar com rimas, sempre um contra o outro e no improviso. Não há tempo pra titubear, pensar melhor ou treinar em casa: o tema é dado e o rapper tem que se sobressair em relação ao seu opositor.

A atual geração do rap brasileiro tem diversos rimadores formados nesse ambiente. Um deles é Marcello Gugu. Em 2013, ele lançou seu álbum de estreia, Até Que Enfim Gugu. O rapper mostrava a urgência que tinha em falar e, naquele momento, priorizou as letras (enormes) em vez das melodias (simples). Agora, se depender do primeiro single do próximo álbum, a coisa mudou: “New Orleans” traz mais melodia, um som orgânico e uma letra mais pontual. O tema: crise de ansiedade. “Ainda tenho crise de ansiedade... Hoje mais controlada, mas ainda incomoda muito. Fiquei dois dias sem dormir quando fui lançar a música”, conta Gugu a Billboard Brasil. A música, que tem participação de Vanessa Jackson e de Srta. Paola, veio acompanhada de um minidocumentário sobre o tema.

Conversamos com Marcello Gugu sobre o universo das rinhas, a nova música e o álbum que está por vir:

O mundo das rinhas se refletiu no seu primeiro álbum. Mas seu single novo tem mais melodia, o lance musical mais trabalhado. Como vem rolando essa evolução pra você?
Quem fez o primeiro disco foi o DJ Du, do Inquérito, e ele está nesse trabalho novo também. A gente sempre conversou sobre isso e buscou esse tipo de transformação. Eu acredito muito nisso, em inventar coisas novas a cada lançamento. Você pega um Kanye West da vida... Nunca se sabe o que ele vai fazer no próximo álbum... Tem essa coisa de não perder o que já foi feito e ousar. E não só o lance da melodia... A produção nessa música foi muito mais orgânica, com músicos no estúdio e tal, tem guitarra, baixo... Foi um lance mais em grupo mesmo. Toda a estrutura da música foi pensada nesse sentido.

Nas rinhas era só você e sua voz, um lance bem cru.
E a galera dando risada da sua cara [risos]. Eu batalhei de 2005 a 2010. Em 2010 eu ganhei a Batalha do Conhecimento Rio Contra São Paulo e meu primeiro disco é reflexo das batalhas. Eu me aposentei em 2010, saí por cima [risos]. Continuo indo, mas só pra me divertir. Vou pra dar risada dos moleques, ficar falando: “Iéééééé...” [risos].

Só botando pilha!
Lógico. É meu trabalho agora [risos]. Eu acho uma vitrine muito louca. Você vê uns moleques que têm fome, sabe?Que querem muito ver o lance acontecer. Tanto que apareceu muita gente das rimas: Emicida, Rashid, Projota, eu...Boa parte dessa geração que faz rap hoje passou por lá. Mas o cara pode ser um excelente rapper de batalha e não ser um bom compositor. Aí é exercício: compor mais do que improvisar. A mentalidade pra batalhar é uma. A mentalidade pra compor é quase o oposto. Você tem que pensar que gente que nunca ouviu rap pode ouvir sua música, tem que pensar nos temas. E na música você tem o tempo de refletir, de maturar... Na rinha é tudo na hora.

Às vezes dá a impressão de que um cara que faz muito improviso tem a tendência de mudar as letras, ou seja, se ele for gravar de novo a mesma música meia hora depois, ele vai querer gravar outra coisa. Como é com você? Não rola uma vontade de improvisar toda hora?
Exato, eu tive que me doutrinar. Eu escrevia o verso e beleza. Dois dias depois, eu olhava e pensava: “Pô, podia mudar essa palavra aqui”. Mas aí eu entro no estúdio e acabou. Decorei pra gravar, não mudo mais. Eu acho que precisa ter o desapego, caso contrário você fica mexendo na música a vida inteira. O Sabotage era assim, né? Ele escrevia a parada, decorava e perdia. Quando ia gravar, saía outra coisa. Quando o Ganjaman pedia pra regravar um trecho, ele fazia outro verso. Ele nem lembrava mais [risos].

A música nova, “New Orleans”, fala sobre crise de ansiedade. É uma experiência própria?
Sim. Eu durmo muito pouco, de quatro a cinco horas por noite só. Sou muito hiperativo, e quando você é moleque,o pessoal fala que é “energia”, bota pra fazer esporte, né? Ainda tenho crise de ansiedade... Hoje mais controlada, mas incomoda muito. Fiquei dois dias sem dormir quando fui lançar a música. Sem dormir mesmo. E conversando com os amigos pro minidocumentário, eu percebi que todo mundo sofre disso num determinado ponto da vida. Nessa vida atual, tá todo mundo a milhão... E quando a gente lançou o minidocumentário e a música, eu recebi muito e-mail, muita mensagem de gente que eu nem imaginava e que também sofre com isso. Foram uns 100 e-mails logo que a música saiu, de gente contando suas experiências. E ainda é um tabu, né? As pessoas têm vergonha de falar sobre isso... Uma galera tá vivendo isso aí e ninguém fala. As pessoas precisam se ajudar e essa música é um jeito de fazer isso. E não é egotrip, saca? O próximo disco vai ter essa característica, de falar coisas pessoais, mas que não são só minhas. Vai ter uma música sobre feminismo, “Milagres”... Vai ser um disco voltado pra isso.

E como tá a produção do disco? Já tem data?
A gente tá experimentando muita coisa e essa música mostrou que muita coisa mudou desde o disco passado. Textura, compasso, timbres... Estamos fazendo 16 ou 17 músicas. Eu queria 18, mas me falaram que é muita coisa, tô brigando [risos].

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Beijo de Varanda
Bruno & Marrone
2
Buá Buá
Naiara Azevedo
3
Contramão
Gustavo Mioto
4
Ausência
Marília Mendonça
5
Olha Ela Aí
Eduardo Costa
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Marcello Gugu fala sobre crise de ansiedade em “New Orleans”

Rapper prepara segundo álbum com produção mais cuidadosa

por Marcos Lauro em 13/07/2016

As rinhas – ou batalhas – são eventos em que rappers se encontram pra disputar com rimas, sempre um contra o outro e no improviso. Não há tempo pra titubear, pensar melhor ou treinar em casa: o tema é dado e o rapper tem que se sobressair em relação ao seu opositor.

A atual geração do rap brasileiro tem diversos rimadores formados nesse ambiente. Um deles é Marcello Gugu. Em 2013, ele lançou seu álbum de estreia, Até Que Enfim Gugu. O rapper mostrava a urgência que tinha em falar e, naquele momento, priorizou as letras (enormes) em vez das melodias (simples). Agora, se depender do primeiro single do próximo álbum, a coisa mudou: “New Orleans” traz mais melodia, um som orgânico e uma letra mais pontual. O tema: crise de ansiedade. “Ainda tenho crise de ansiedade... Hoje mais controlada, mas ainda incomoda muito. Fiquei dois dias sem dormir quando fui lançar a música”, conta Gugu a Billboard Brasil. A música, que tem participação de Vanessa Jackson e de Srta. Paola, veio acompanhada de um minidocumentário sobre o tema.

Conversamos com Marcello Gugu sobre o universo das rinhas, a nova música e o álbum que está por vir:

O mundo das rinhas se refletiu no seu primeiro álbum. Mas seu single novo tem mais melodia, o lance musical mais trabalhado. Como vem rolando essa evolução pra você?
Quem fez o primeiro disco foi o DJ Du, do Inquérito, e ele está nesse trabalho novo também. A gente sempre conversou sobre isso e buscou esse tipo de transformação. Eu acredito muito nisso, em inventar coisas novas a cada lançamento. Você pega um Kanye West da vida... Nunca se sabe o que ele vai fazer no próximo álbum... Tem essa coisa de não perder o que já foi feito e ousar. E não só o lance da melodia... A produção nessa música foi muito mais orgânica, com músicos no estúdio e tal, tem guitarra, baixo... Foi um lance mais em grupo mesmo. Toda a estrutura da música foi pensada nesse sentido.

Nas rinhas era só você e sua voz, um lance bem cru.
E a galera dando risada da sua cara [risos]. Eu batalhei de 2005 a 2010. Em 2010 eu ganhei a Batalha do Conhecimento Rio Contra São Paulo e meu primeiro disco é reflexo das batalhas. Eu me aposentei em 2010, saí por cima [risos]. Continuo indo, mas só pra me divertir. Vou pra dar risada dos moleques, ficar falando: “Iéééééé...” [risos].

Só botando pilha!
Lógico. É meu trabalho agora [risos]. Eu acho uma vitrine muito louca. Você vê uns moleques que têm fome, sabe?Que querem muito ver o lance acontecer. Tanto que apareceu muita gente das rimas: Emicida, Rashid, Projota, eu...Boa parte dessa geração que faz rap hoje passou por lá. Mas o cara pode ser um excelente rapper de batalha e não ser um bom compositor. Aí é exercício: compor mais do que improvisar. A mentalidade pra batalhar é uma. A mentalidade pra compor é quase o oposto. Você tem que pensar que gente que nunca ouviu rap pode ouvir sua música, tem que pensar nos temas. E na música você tem o tempo de refletir, de maturar... Na rinha é tudo na hora.

Às vezes dá a impressão de que um cara que faz muito improviso tem a tendência de mudar as letras, ou seja, se ele for gravar de novo a mesma música meia hora depois, ele vai querer gravar outra coisa. Como é com você? Não rola uma vontade de improvisar toda hora?
Exato, eu tive que me doutrinar. Eu escrevia o verso e beleza. Dois dias depois, eu olhava e pensava: “Pô, podia mudar essa palavra aqui”. Mas aí eu entro no estúdio e acabou. Decorei pra gravar, não mudo mais. Eu acho que precisa ter o desapego, caso contrário você fica mexendo na música a vida inteira. O Sabotage era assim, né? Ele escrevia a parada, decorava e perdia. Quando ia gravar, saía outra coisa. Quando o Ganjaman pedia pra regravar um trecho, ele fazia outro verso. Ele nem lembrava mais [risos].

A música nova, “New Orleans”, fala sobre crise de ansiedade. É uma experiência própria?
Sim. Eu durmo muito pouco, de quatro a cinco horas por noite só. Sou muito hiperativo, e quando você é moleque,o pessoal fala que é “energia”, bota pra fazer esporte, né? Ainda tenho crise de ansiedade... Hoje mais controlada, mas incomoda muito. Fiquei dois dias sem dormir quando fui lançar a música. Sem dormir mesmo. E conversando com os amigos pro minidocumentário, eu percebi que todo mundo sofre disso num determinado ponto da vida. Nessa vida atual, tá todo mundo a milhão... E quando a gente lançou o minidocumentário e a música, eu recebi muito e-mail, muita mensagem de gente que eu nem imaginava e que também sofre com isso. Foram uns 100 e-mails logo que a música saiu, de gente contando suas experiências. E ainda é um tabu, né? As pessoas têm vergonha de falar sobre isso... Uma galera tá vivendo isso aí e ninguém fala. As pessoas precisam se ajudar e essa música é um jeito de fazer isso. E não é egotrip, saca? O próximo disco vai ter essa característica, de falar coisas pessoais, mas que não são só minhas. Vai ter uma música sobre feminismo, “Milagres”... Vai ser um disco voltado pra isso.

E como tá a produção do disco? Já tem data?
A gente tá experimentando muita coisa e essa música mostrou que muita coisa mudou desde o disco passado. Textura, compasso, timbres... Estamos fazendo 16 ou 17 músicas. Eu queria 18, mas me falaram que é muita coisa, tô brigando [risos].