NOTÍCIAS

O funk que faz apologia ao abuso sexual é um sucesso... e a culpa é sua

Comportamento em redes sociais fez com que música de MC Diguinho liderasse ranking viral do Spotify

por Marcos Lauro em 17/01/2018

Até meados dos anos 1990, existia um certo monopólio da opinião por parte de críticos musicais que tinham seus textos publicados em revistas e jornais. Hoje, como todos sabem, qualquer um com um celular (que nem precisa ser dos melhores) e um perfil numa rede social consegue escrever o que vem entender. E nesse tiroteio de opiniões, a gente vai tentando filtrar o que é relevante ou não.

Outra consequência dos tempos atuais é o volume de informação. Como você lida com as carretas e carretas de conteúdo que a internet te traz diariamente? É vídeo, texto, áudio, horas e horas de conteúdo nem sempre de bom gosto. Um dos casos que mais chamou atenção nessa semana foi o destaque dado para a música “Só Surubinha De Leve”, do MC Diguinho.

O funk já é, normalmente e por puro preconceito, o gênero mais combatido do Brasil. Sem mesmo ouvir uma música, só por saber que ela pertence a um MC, muita gente já vai estar com o textão preparado para falar mal. Mas o caso de MC Diguinho é indefensável. Na letra, um trecho faz apologia ao abuso sexual. Quando se chega a esse ponto, a discussão não passa por gosto pessoal e se a música é boa ou não é. É algo que não deve ser cantado e ponto final. Se você gostou dessa música, o que você precisa é de um tratamento psicológico, não de aumentar seu repertório musical.

Quando uma música ruim como essa é lançada, costuma acontecer uma avalanche de posts, claro, falando mal da música – fosse lá nos anos 1990, a música passaria batido e ninguém tomaria conhecimento, além dos amigos do equivocado MC. Com tanta gente falando sobre a música nas redes, os algoritmos entendem que ela se tornou “trending” e mais posts aparecem. As pessoas que nunca tinham ouvido a música ficam curiosas e, pronto, vão ouvir a música. O resultado todos viram nessa semana: “Só Suribinha De Leve” foi parar no topo do ranking viral do Spotify.

Conforme comunicado emitido nessa tarde, o Spotify contatou a distribuidora da música, que decidiu tirar o lançamento do MC Diguinho do ar. “A música está atualmente no Top Viral pois teve um pico de consumo nos últimos dias”, finaliza o texto.

Ou seja, a crítica negativa de uma música se mostrou uma forma de divulgação efetiva. Não fossem tantos posts falando mal, a música não se tornaria tão conhecida como ficou. Se cada um que tomou contato com a música apenas a denunciasse nas plataformas e redes onde foi publicada, a música teria saído do ar muito mais rápido e sem barulho. Mas na internet não vale o cochicho, tudo é na base do escândalo e da gritaria. As pessoas se sentem mais tentadas a compartilham conteúdo ruim com críticas do que conteúdo bom com elogios. E esse é um comportamento humano, não há muito o que se fazer além de se policiar e manter sua timeline saudável.

Coloco aqui um desafio: e se pra cada música ruim que você ouvisse, você publicasse o link de uma boa? Que tipo de música se tornaria viral?

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Zé da Recaída
Gusttavo Lima
2
Só Pra Castigar
Wesley Safadão
3
Notificação Preferida
Zé Neto & Cristiano
4
Atrasadinha (Part. Ferrugem)
Felipe Araújo
5
Sofázinho (Part. Jorge & Mateus)
Luan Santana
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

O funk que faz apologia ao abuso sexual é um sucesso... e a culpa é sua

Comportamento em redes sociais fez com que música de MC Diguinho liderasse ranking viral do Spotify

por Marcos Lauro em 17/01/2018

Até meados dos anos 1990, existia um certo monopólio da opinião por parte de críticos musicais que tinham seus textos publicados em revistas e jornais. Hoje, como todos sabem, qualquer um com um celular (que nem precisa ser dos melhores) e um perfil numa rede social consegue escrever o que vem entender. E nesse tiroteio de opiniões, a gente vai tentando filtrar o que é relevante ou não.

Outra consequência dos tempos atuais é o volume de informação. Como você lida com as carretas e carretas de conteúdo que a internet te traz diariamente? É vídeo, texto, áudio, horas e horas de conteúdo nem sempre de bom gosto. Um dos casos que mais chamou atenção nessa semana foi o destaque dado para a música “Só Surubinha De Leve”, do MC Diguinho.

O funk já é, normalmente e por puro preconceito, o gênero mais combatido do Brasil. Sem mesmo ouvir uma música, só por saber que ela pertence a um MC, muita gente já vai estar com o textão preparado para falar mal. Mas o caso de MC Diguinho é indefensável. Na letra, um trecho faz apologia ao abuso sexual. Quando se chega a esse ponto, a discussão não passa por gosto pessoal e se a música é boa ou não é. É algo que não deve ser cantado e ponto final. Se você gostou dessa música, o que você precisa é de um tratamento psicológico, não de aumentar seu repertório musical.

Quando uma música ruim como essa é lançada, costuma acontecer uma avalanche de posts, claro, falando mal da música – fosse lá nos anos 1990, a música passaria batido e ninguém tomaria conhecimento, além dos amigos do equivocado MC. Com tanta gente falando sobre a música nas redes, os algoritmos entendem que ela se tornou “trending” e mais posts aparecem. As pessoas que nunca tinham ouvido a música ficam curiosas e, pronto, vão ouvir a música. O resultado todos viram nessa semana: “Só Suribinha De Leve” foi parar no topo do ranking viral do Spotify.

Conforme comunicado emitido nessa tarde, o Spotify contatou a distribuidora da música, que decidiu tirar o lançamento do MC Diguinho do ar. “A música está atualmente no Top Viral pois teve um pico de consumo nos últimos dias”, finaliza o texto.

Ou seja, a crítica negativa de uma música se mostrou uma forma de divulgação efetiva. Não fossem tantos posts falando mal, a música não se tornaria tão conhecida como ficou. Se cada um que tomou contato com a música apenas a denunciasse nas plataformas e redes onde foi publicada, a música teria saído do ar muito mais rápido e sem barulho. Mas na internet não vale o cochicho, tudo é na base do escândalo e da gritaria. As pessoas se sentem mais tentadas a compartilham conteúdo ruim com críticas do que conteúdo bom com elogios. E esse é um comportamento humano, não há muito o que se fazer além de se policiar e manter sua timeline saudável.

Coloco aqui um desafio: e se pra cada música ruim que você ouvisse, você publicasse o link de uma boa? Que tipo de música se tornaria viral?