NOTÍCIAS

Pesquisa sugere que atingimos paralisia musical aos 30 anos

Plataforma de streaming Deezer indica que, nesta idade, deixamos de procurar novos artistas para conhecer

por Redação em 17/07/2018

Um novo estudo da plataforma de streaming Deezer sugere que ouvintes acima dos 30 anos dedicam pouco tempo para descobrir novos artistas.

Mil norte-americanos foram consultados na pesquisa e o resultado indica que, na média, as pessoas atingem a “paralisia musical” – ponto em que deixam de procurar ativamente novas músicas e artistas – aos 29 anos e 10 meses, cerca de quatro anos depois dos esforços de procura musical atingir o pico máximo.

As mudanças comportamentais não significam desgosto musical – 60% dos entrevistados indicaram que gostariam de expandir o repertório. Outros 60% disseram que se sentem empacados e que ouvem apenas músicas que já conhecem.

Muitos se disseram sufocados com a quantidade de música disponível atualmente, enquanto outros citaram demandas da rotina como o motivo para dedicar menos tempo para a música: 24% disseram que as obrigações profissionais reduziram as habilidades de se manter antenados musicalmente; 15% afirmaram que cuidar dos filhos colocou a música em último lugar nas prioridades.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Ausência
Marília Mendonça
2
Beijo de Varanda
Bruno & Marrone
3
Buá Buá
Naiara Azevedo
4
Olha Ela Aí
Eduardo Costa
5
Cada Um Na Sua
Fernando & Sorocaba
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Pesquisa sugere que atingimos paralisia musical aos 30 anos

Plataforma de streaming Deezer indica que, nesta idade, deixamos de procurar novos artistas para conhecer

por Redação em 17/07/2018

Um novo estudo da plataforma de streaming Deezer sugere que ouvintes acima dos 30 anos dedicam pouco tempo para descobrir novos artistas.

Mil norte-americanos foram consultados na pesquisa e o resultado indica que, na média, as pessoas atingem a “paralisia musical” – ponto em que deixam de procurar ativamente novas músicas e artistas – aos 29 anos e 10 meses, cerca de quatro anos depois dos esforços de procura musical atingir o pico máximo.

As mudanças comportamentais não significam desgosto musical – 60% dos entrevistados indicaram que gostariam de expandir o repertório. Outros 60% disseram que se sentem empacados e que ouvem apenas músicas que já conhecem.

Muitos se disseram sufocados com a quantidade de música disponível atualmente, enquanto outros citaram demandas da rotina como o motivo para dedicar menos tempo para a música: 24% disseram que as obrigações profissionais reduziram as habilidades de se manter antenados musicalmente; 15% afirmaram que cuidar dos filhos colocou a música em último lugar nas prioridades.