NOTÍCIAS

“Quero levar artistas do online pro offline”, diz Henrique Portugal sobre programa de rádio

Músico apresenta Em Cartaz na nova fase da emissora e toca nomes da cena independente do Brasil

por Marcos Lauro em 20/06/2017

A Rádio Globo relançou a sua programação. Agora, voltada para um público mais jovem, traz figuras como Otaviano Costa, Adriane Galisteu e Thiago Abravanel como apresentadores.

A faixa das 23h será a mais musical, com o programa Em Cartaz. A cada dia da semana, uma personalidade da música vai apresentar a atração, como Charles Gavin, Diogo Nogueira e Mauricio Valladares. Às quintas, é a vez de Henrique Portugal, tecladista do Skank. “Quero levar artistas do online pro offline, esse é o meu desafio”, afirmou o músico em conversa com a Billboard Brasil.

Portugal tem um longo histórico no rádio, seja web ou convencional, com passagens pela Rádio UOL, Oi FM e MySpace.

Leia abaixo nosso papo com o músico sobre música independente e a forma como o rádio pode se encaixar no atual cenário:

Antes de falarmos sobre o programa novo, conte um pouco sobre seu histórico no rádio. A Oi FM foi sua estreia?
Ah, comecei de forma independente. Mas fui participar do antigo programa do DJ Anderson Noise no UOL e me chamaram pra ter um programa no UOL. Já no Skank eu jogava fitas e discos de bandas independentes pra galera... por que não organizar isso num programa? Quando não se tem grana, precisa ser criativo. E aí é que vem as coisas legais! Por exemplo, antes dessa popularização do formato EP, o musico independente já fazia isso aqui no Brasil. Porque era muito caro gravar 10, 11 faixas. Lançavam seis.

RADIO-GLOBOTime da nova Rádio Globo, com Henrique Portugal ao centro, no sofá - Foto: Divulgação

E o interessante é que o EP volta agora por outro motivo, o do consumo...
Sim, isso é característica de qualquer mercado. Algumas coisas persistem por razões óbvias, estruturais etc. O próprio rádio mudou muito pouco, né? Os jovens fazem tudo de maneira fragmentada, tudo ao mesmo tempo. Mas a música continua sendo ouvida de forma sequencial, em álbuns. E hoje as coisas são muito dinâmicas e foi criado todo um mundo da música de forma online. Mas tem artista que nunca tocou em rádio e é conhecido só em rede social. Agora a gente faz o contrário, vamos pegar esses caras e trazer pro rádio. Essa galera que ainda faz álbum, se estruturou, vive de música...

Logo depois da Oi FM, você passou pelo MySpace, que foi uma plataforma que revolucionou a relação entre artista e fã. Como foi isso pra você?
Antes tinha o “vamos lá em casa escutar o disco do tal”... hoje nem download é mais. Já faz um tempinho, rolou um debate entre mim e o Silva. Um artista que começou na era pré-internet mas soube se adaptar – nosso caso no Skank – e um artista que já começou na internet. Quando a gente começou a gravar lá atrás, a gente se preparava muito pra fazer qualquer gravação, era caro. A tecnologia e as facilidades, de certa forma, “atrapalharam” tanto quanto ajudaram. Hoje as pessoas se preparam menos e gastam mais tempo tentando divulgar coisas que ainda não estão prontas. Já ouvi coisas e pensei, “se tivesse esperado um pouquinho mais, ficaria melhor”. Hoje existe um número muito grande de artistas que não dependem do rádio. Ótimos artistas, alguns que já estiveram no rádio. O rádio se torna um mundo novo.

E o Em Cartaz vai seguir essa linha, então, de sempre apresentar o novo e o independente?
Sim, e o legal hoje é que tem artistas consolidados que não estão no rádio. Thiago Iorc, por exemplo, eu colocava ele no programa lá atrás quando cantava só em inglês. Tem também a dupla Anavitória, descobertas pelo YouTube. Hoje a luta é o online ir pro offline. Um dos temas de uma edição futura do programa é esse, ir pro YouTube e se tornar conhecido, ir pra gravadora. Antes tinha os caçadores de talentos nas cidades, igual os olheiros de peladas de periferia... hoje é YouTube.

Nos outros dias, o programa é apresentado por nomes bastante distintos como Charles Gavin e Diogo Nogueira. Existe uma linha que une todos vocês ou cada um vai ter a liberdade de fazer o programa do seu jeito.
O próprio horário do programa [23h] permite uma maior liberdade. São programas distintos e cada apresentador tem uma assinatura musical diferente. O Gavin conhece música brasileira a fundo, eu tenho essa coisa de olhar pra frente e buscar o que ainda não aconteceu mas pode acontecer – e também o que está acontecendo mas não chegou ao rádio. Com o Diogo, por exemplo, eu nunca conversei sobre o programa, mas acho que ele deve seguir o caminho pelo qual já é conhecido...

Você trabalhava com tecnologia antes do Skank. Continua ligado a esse universo?
Continuo investindo em tecnologia no universo da música e do entretenimento. Aqui no Brasil ainda tem muita coisa legal a ser feita. Continuo sonhando em dar espaço pra artistas que estejam começando. O artista é igual a uma startup. O cara tem o sonho de gravar um álbum e depois não sabe o que fazer, como divulgar. Uma empresa também, faz um aplicativo e depois não sabe como dar visibilidade. Então, o meu sonho é trazer mais conhecimento de divulgação da música como negócio. Quando o artista não pode viver da sua música, não é só ele que está perdendo, é o mundo que não está conhecendo aquela novidade.

Pra encerrar, vou pedir pra você citar cases de sucesso no mundo independente, que você tem observado.
Acho que o próprio Thiago Iorc é um, vem do online do offline, conseguiu percorrer esse caminho. Anavitória, que já citei também, saiu do YouTube para o offline. E uma banda que vem caminhando por fora é o BaianaSystem. Shows completamente lotados, povo alucinado... os caras passaram pela minha cidade, eu nem fiquei sabendo e os ingressos estavam esgotados. Isso é um mundo novo, é um jeito novo de se relacionar. E uma das funções do programa é exatamente mostrar que dá pra fazer, mostrar o que está acontecendo. Discutir isso, mostrar isso, artistas que estão com estratégias que estão funcionando e mostrar caminhos.

Em Cartaz
Rádio Globo
Diariamente, 23h – Com Henrique Portugal às quintas
Para ouvir: acesse http://radioglobo.globo.com/ ou aplicativo, além de 98,1 Mhz no Rio de Janeiro e 94,1 Mhz em São Paulo (em breve)

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Beijo de Varanda
Bruno & Marrone
2
Buá Buá
Naiara Azevedo
3
Contramão
Gustavo Mioto
4
Ausência
Marília Mendonça
5
Olha Ela Aí
Eduardo Costa
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

“Quero levar artistas do online pro offline”, diz Henrique Portugal sobre programa de rádio

Músico apresenta Em Cartaz na nova fase da emissora e toca nomes da cena independente do Brasil

por Marcos Lauro em 20/06/2017

A Rádio Globo relançou a sua programação. Agora, voltada para um público mais jovem, traz figuras como Otaviano Costa, Adriane Galisteu e Thiago Abravanel como apresentadores.

A faixa das 23h será a mais musical, com o programa Em Cartaz. A cada dia da semana, uma personalidade da música vai apresentar a atração, como Charles Gavin, Diogo Nogueira e Mauricio Valladares. Às quintas, é a vez de Henrique Portugal, tecladista do Skank. “Quero levar artistas do online pro offline, esse é o meu desafio”, afirmou o músico em conversa com a Billboard Brasil.

Portugal tem um longo histórico no rádio, seja web ou convencional, com passagens pela Rádio UOL, Oi FM e MySpace.

Leia abaixo nosso papo com o músico sobre música independente e a forma como o rádio pode se encaixar no atual cenário:

Antes de falarmos sobre o programa novo, conte um pouco sobre seu histórico no rádio. A Oi FM foi sua estreia?
Ah, comecei de forma independente. Mas fui participar do antigo programa do DJ Anderson Noise no UOL e me chamaram pra ter um programa no UOL. Já no Skank eu jogava fitas e discos de bandas independentes pra galera... por que não organizar isso num programa? Quando não se tem grana, precisa ser criativo. E aí é que vem as coisas legais! Por exemplo, antes dessa popularização do formato EP, o musico independente já fazia isso aqui no Brasil. Porque era muito caro gravar 10, 11 faixas. Lançavam seis.

RADIO-GLOBOTime da nova Rádio Globo, com Henrique Portugal ao centro, no sofá - Foto: Divulgação

E o interessante é que o EP volta agora por outro motivo, o do consumo...
Sim, isso é característica de qualquer mercado. Algumas coisas persistem por razões óbvias, estruturais etc. O próprio rádio mudou muito pouco, né? Os jovens fazem tudo de maneira fragmentada, tudo ao mesmo tempo. Mas a música continua sendo ouvida de forma sequencial, em álbuns. E hoje as coisas são muito dinâmicas e foi criado todo um mundo da música de forma online. Mas tem artista que nunca tocou em rádio e é conhecido só em rede social. Agora a gente faz o contrário, vamos pegar esses caras e trazer pro rádio. Essa galera que ainda faz álbum, se estruturou, vive de música...

Logo depois da Oi FM, você passou pelo MySpace, que foi uma plataforma que revolucionou a relação entre artista e fã. Como foi isso pra você?
Antes tinha o “vamos lá em casa escutar o disco do tal”... hoje nem download é mais. Já faz um tempinho, rolou um debate entre mim e o Silva. Um artista que começou na era pré-internet mas soube se adaptar – nosso caso no Skank – e um artista que já começou na internet. Quando a gente começou a gravar lá atrás, a gente se preparava muito pra fazer qualquer gravação, era caro. A tecnologia e as facilidades, de certa forma, “atrapalharam” tanto quanto ajudaram. Hoje as pessoas se preparam menos e gastam mais tempo tentando divulgar coisas que ainda não estão prontas. Já ouvi coisas e pensei, “se tivesse esperado um pouquinho mais, ficaria melhor”. Hoje existe um número muito grande de artistas que não dependem do rádio. Ótimos artistas, alguns que já estiveram no rádio. O rádio se torna um mundo novo.

E o Em Cartaz vai seguir essa linha, então, de sempre apresentar o novo e o independente?
Sim, e o legal hoje é que tem artistas consolidados que não estão no rádio. Thiago Iorc, por exemplo, eu colocava ele no programa lá atrás quando cantava só em inglês. Tem também a dupla Anavitória, descobertas pelo YouTube. Hoje a luta é o online ir pro offline. Um dos temas de uma edição futura do programa é esse, ir pro YouTube e se tornar conhecido, ir pra gravadora. Antes tinha os caçadores de talentos nas cidades, igual os olheiros de peladas de periferia... hoje é YouTube.

Nos outros dias, o programa é apresentado por nomes bastante distintos como Charles Gavin e Diogo Nogueira. Existe uma linha que une todos vocês ou cada um vai ter a liberdade de fazer o programa do seu jeito.
O próprio horário do programa [23h] permite uma maior liberdade. São programas distintos e cada apresentador tem uma assinatura musical diferente. O Gavin conhece música brasileira a fundo, eu tenho essa coisa de olhar pra frente e buscar o que ainda não aconteceu mas pode acontecer – e também o que está acontecendo mas não chegou ao rádio. Com o Diogo, por exemplo, eu nunca conversei sobre o programa, mas acho que ele deve seguir o caminho pelo qual já é conhecido...

Você trabalhava com tecnologia antes do Skank. Continua ligado a esse universo?
Continuo investindo em tecnologia no universo da música e do entretenimento. Aqui no Brasil ainda tem muita coisa legal a ser feita. Continuo sonhando em dar espaço pra artistas que estejam começando. O artista é igual a uma startup. O cara tem o sonho de gravar um álbum e depois não sabe o que fazer, como divulgar. Uma empresa também, faz um aplicativo e depois não sabe como dar visibilidade. Então, o meu sonho é trazer mais conhecimento de divulgação da música como negócio. Quando o artista não pode viver da sua música, não é só ele que está perdendo, é o mundo que não está conhecendo aquela novidade.

Pra encerrar, vou pedir pra você citar cases de sucesso no mundo independente, que você tem observado.
Acho que o próprio Thiago Iorc é um, vem do online do offline, conseguiu percorrer esse caminho. Anavitória, que já citei também, saiu do YouTube para o offline. E uma banda que vem caminhando por fora é o BaianaSystem. Shows completamente lotados, povo alucinado... os caras passaram pela minha cidade, eu nem fiquei sabendo e os ingressos estavam esgotados. Isso é um mundo novo, é um jeito novo de se relacionar. E uma das funções do programa é exatamente mostrar que dá pra fazer, mostrar o que está acontecendo. Discutir isso, mostrar isso, artistas que estão com estratégias que estão funcionando e mostrar caminhos.

Em Cartaz
Rádio Globo
Diariamente, 23h – Com Henrique Portugal às quintas
Para ouvir: acesse http://radioglobo.globo.com/ ou aplicativo, além de 98,1 Mhz no Rio de Janeiro e 94,1 Mhz em São Paulo (em breve)