NOTÍCIAS

Selos independentes pedem para União Europeia impedir compra da EMI

Sony anunciou, em maio, acordo de US$ 2,3 bi pelo controle da concorrente

O grupo de selos independentes de música Impala pediu que as autoridades de defesa da concorrência da União Europeia impeçam a Sony de se tornar a maior gravadora de música do mundo com sua oferta de US$ 2,3 bilhões pelo controle da EMI, dizendo que a empresa combinada teria muito poder de mercado.

A Sony anunciou o acordo em maio, na mais ousada estratégia do novo presidente-executivo, Kenichiro Yoshida, para dar à empresa direitos sobre 2,1 milhões de músicas de artistas como Drake, Sam Smith, Pharrell Williams e Sia.

O conglomerado japonês, que atualmente possui 30% de participação na EMI, quer comprar a fatia de 60% do Mubalada Investment. Em julho, a Sony também adquiriu a participação minoritária na EMI do espólio de Michael Jackson.

A crescente popularidade dos serviços de transmissão de música com preço fixo, como Spotify, Apple Music, Google Play, SoundCloud e YouTube, impulsionou a indústria.

O controle da Sony sobre a EMI daria à empresa o poder de fazer o que quiser, disse Helen Smith, presidente-executiva do Impala. "O mercado precisa de grandes operadores, mas não quando é permitido adquirir tanto poder que eles começam a estrangular o mercado e espremer os independentes que são os que assumem os riscos", disse, acrescentando que 80% dos novos lançamentos vêm de selos independentes.

Ela disse que o acordo daria à Sony o poder de negociar direitos online para seus catálogos de gravação e de direitos de reprodução, promover seu repertório global tanto em rádio quanto em playlists, e ser capaz de atrair compositores com melhores condições.

Há também o risco de a Sony se concentrar mais em sucessos anglo-americanos mais vendidos do que em canções locais, disse Helen.

"O bloqueio parece ser o único caminho, já que é difícil ver como medidas compensatórias poderiam ajudar neste caso", disse ela. O Impala planeja enviar seus comentários à Comissão Europeia nesta semana.

O regulador de concorrência da UE autorizou a aquisição pela Sony e pelo Mubadala do negócio editora de música da EMI em 2012 em troca de pesadas concessões, incluindo a venda dos direitos de reprodução mundial de quatro catálogos e das obras de 12 compositores.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Zé da Recaída
Gusttavo Lima
2
Sofázinho (Part. Jorge & Mateus)
Luan Santana
3
Atrasadinha (Part. Ferrugem)
Felipe Araújo
4
Só Pra Castigar
Wesley Safadão
5
Notificação Preferida
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Selos independentes pedem para União Europeia impedir compra da EMI

Sony anunciou, em maio, acordo de US$ 2,3 bi pelo controle da concorrente

por Redação, com Reuters em 13/08/2018

O grupo de selos independentes de música Impala pediu que as autoridades de defesa da concorrência da União Europeia impeçam a Sony de se tornar a maior gravadora de música do mundo com sua oferta de US$ 2,3 bilhões pelo controle da EMI, dizendo que a empresa combinada teria muito poder de mercado.

A Sony anunciou o acordo em maio, na mais ousada estratégia do novo presidente-executivo, Kenichiro Yoshida, para dar à empresa direitos sobre 2,1 milhões de músicas de artistas como Drake, Sam Smith, Pharrell Williams e Sia.

O conglomerado japonês, que atualmente possui 30% de participação na EMI, quer comprar a fatia de 60% do Mubalada Investment. Em julho, a Sony também adquiriu a participação minoritária na EMI do espólio de Michael Jackson.

A crescente popularidade dos serviços de transmissão de música com preço fixo, como Spotify, Apple Music, Google Play, SoundCloud e YouTube, impulsionou a indústria.

O controle da Sony sobre a EMI daria à empresa o poder de fazer o que quiser, disse Helen Smith, presidente-executiva do Impala. "O mercado precisa de grandes operadores, mas não quando é permitido adquirir tanto poder que eles começam a estrangular o mercado e espremer os independentes que são os que assumem os riscos", disse, acrescentando que 80% dos novos lançamentos vêm de selos independentes.

Ela disse que o acordo daria à Sony o poder de negociar direitos online para seus catálogos de gravação e de direitos de reprodução, promover seu repertório global tanto em rádio quanto em playlists, e ser capaz de atrair compositores com melhores condições.

Há também o risco de a Sony se concentrar mais em sucessos anglo-americanos mais vendidos do que em canções locais, disse Helen.

"O bloqueio parece ser o único caminho, já que é difícil ver como medidas compensatórias poderiam ajudar neste caso", disse ela. O Impala planeja enviar seus comentários à Comissão Europeia nesta semana.

O regulador de concorrência da UE autorizou a aquisição pela Sony e pelo Mubadala do negócio editora de música da EMI em 2012 em troca de pesadas concessões, incluindo a venda dos direitos de reprodução mundial de quatro catálogos e das obras de 12 compositores.