NOTÍCIAS

Trabalhe duro e ajude o próximo: lições de vida e negócios de Sammy Hagar

Você provavelmente conhece Sammy Hagar como uma lenda da música, seja em sua carreira solo ou como vocalista do Van Halen durante muito tempo

O que você pode não saber é que o cantor de voz grave de 70 anos também é um gigante nos negócios, com empreitadas que vão de bebidas a restaurantes. No artigo mais recente da série "Lições de Vida", da Reuters, conversamos com Hagar sobre sua ascensão incrível da pobreza na Califórnia a uma carreira musical que o levou ao Hall da Fama e ao status de rei da cidade mexicana Cabo San Lucas.

SammyHagar

Como era a situação financeira nos primeiros tempos?
Éramos pobres de doer. Minha mãe basicamente criava quatro filhos sozinha, então as coisas eram duras. Mas isso me tornou grato por todo o sucesso que tive. E eu sempre quis mais. Isso me levou a dizer "nunca mais serei pobre". Isso quase se tornou um problema, porque me perguntava quando iria parar de trabalhar tão duro.

Quando sua fama começou a crescer e você foi para o Van Halen, como lidou com o sucesso extremo?
A melhor coisa que me aconteceu foi que não foi um sucesso da noite para o dia. Foi muito gradual. Nos primeiros tempos eu até fazia outras coisas, como construir apartamentos e alugá-los. Quando fiz meu primeiro milhão estava com os pés firmes no chão.

Seus negócios fora da música começaram em Cabo San Lucas, no México. Por que você criou raízes lá?
Eu havia comprado uma casa pequena, e mais tarde decidi abrir um bar. Fiquei animado com a ideia de fazer uma tequila realmente boa, com 100 por cento de agave, porque na época não havia nenhuma na América. Pensei "vou construir uma cantina onde vou ter todas essas tequilas maravilhosas de que nunca se ouviu falar". E depois comecei a fazer a minha própria. 

O que isso te ensinou sobre o lado empresarial das coisas?
Você não tem que saber o que está fazendo para ter sucesso. Às vezes paixão, querer algo diferente e quebrar as regras é o caminho mais curto para o sucesso. Se você tiver uma ideia que te empolga, e colocar seu coração e sua mente nisso, nada há nada que possa parar isso.

Que lições de vida você tenta passar para seus filhos?
Minha filosofia -- que Warren Buffett me disse pessoalmente -- é que você deve dar aos seus filhos o suficiente para viverem humildemente, mas não tanto que eles não tenham garra ou ambição.

Fale-me de sua filosofia sobre ajudar o próximo.
Em tudo que faço para ganhar dinheiro, dou um jeito de devolver algum. É uma coisa espiritual, como deixar algo para os deuses. Acredito nisso, e me deixa mais à vontade por ser rico. Em todos os lugares em que tenho restaurantes --como Cleveland, Maui, Oahu e Las Vegas-– devolvo meus lucros para a comunidade local, geralmente bancos de alimento. Também tenho acordos com hospitais locais nos quais, se uma criança com doença terminal é internada sem convênio e as famílias não podem pagar, ajudo com as contas. Isso é o que eu mais gosto de fazer.

  • HOT 100
    BRASIL
  • BILLBOARD
    200
  • HOT 100
    EUA
1
Zé da Recaída
Gusttavo Lima
2
Só Pra Castigar
Wesley Safadão
3
Sofázinho (Part. Jorge & Mateus)
Luan Santana
4
Atrasadinha (Part. Ferrugem)
Felipe Araújo
5
Notificação Preferida
Zé Neto & Cristiano
RANKING COMPLETO
NOTÍCIAS

Trabalhe duro e ajude o próximo: lições de vida e negócios de Sammy Hagar

Você provavelmente conhece Sammy Hagar como uma lenda da música, seja em sua carreira solo ou como vocalista do Van Halen durante muito tempo

por Redação, com Reuters em 19/12/2017

O que você pode não saber é que o cantor de voz grave de 70 anos também é um gigante nos negócios, com empreitadas que vão de bebidas a restaurantes. No artigo mais recente da série "Lições de Vida", da Reuters, conversamos com Hagar sobre sua ascensão incrível da pobreza na Califórnia a uma carreira musical que o levou ao Hall da Fama e ao status de rei da cidade mexicana Cabo San Lucas.

SammyHagar

Como era a situação financeira nos primeiros tempos?
Éramos pobres de doer. Minha mãe basicamente criava quatro filhos sozinha, então as coisas eram duras. Mas isso me tornou grato por todo o sucesso que tive. E eu sempre quis mais. Isso me levou a dizer "nunca mais serei pobre". Isso quase se tornou um problema, porque me perguntava quando iria parar de trabalhar tão duro.

Quando sua fama começou a crescer e você foi para o Van Halen, como lidou com o sucesso extremo?
A melhor coisa que me aconteceu foi que não foi um sucesso da noite para o dia. Foi muito gradual. Nos primeiros tempos eu até fazia outras coisas, como construir apartamentos e alugá-los. Quando fiz meu primeiro milhão estava com os pés firmes no chão.

Seus negócios fora da música começaram em Cabo San Lucas, no México. Por que você criou raízes lá?
Eu havia comprado uma casa pequena, e mais tarde decidi abrir um bar. Fiquei animado com a ideia de fazer uma tequila realmente boa, com 100 por cento de agave, porque na época não havia nenhuma na América. Pensei "vou construir uma cantina onde vou ter todas essas tequilas maravilhosas de que nunca se ouviu falar". E depois comecei a fazer a minha própria. 

O que isso te ensinou sobre o lado empresarial das coisas?
Você não tem que saber o que está fazendo para ter sucesso. Às vezes paixão, querer algo diferente e quebrar as regras é o caminho mais curto para o sucesso. Se você tiver uma ideia que te empolga, e colocar seu coração e sua mente nisso, nada há nada que possa parar isso.

Que lições de vida você tenta passar para seus filhos?
Minha filosofia -- que Warren Buffett me disse pessoalmente -- é que você deve dar aos seus filhos o suficiente para viverem humildemente, mas não tanto que eles não tenham garra ou ambição.

Fale-me de sua filosofia sobre ajudar o próximo.
Em tudo que faço para ganhar dinheiro, dou um jeito de devolver algum. É uma coisa espiritual, como deixar algo para os deuses. Acredito nisso, e me deixa mais à vontade por ser rico. Em todos os lugares em que tenho restaurantes --como Cleveland, Maui, Oahu e Las Vegas-– devolvo meus lucros para a comunidade local, geralmente bancos de alimento. Também tenho acordos com hospitais locais nos quais, se uma criança com doença terminal é internada sem convênio e as famílias não podem pagar, ajudo com as contas. Isso é o que eu mais gosto de fazer.